Pular para o conteúdo principal

Pesquisadores testam venenos de cobra em tratamento de doenças do sangue

Toxinas de animais peçonhentos podem ajudar no combate de leucemias, por exemplo


Gabriela Cupani
jornalista

Agência Einstein
serviço de apoio à imprensa na cobertura da ciência e saúde financiado pelo Hospital Israelita Albert Einstein

Pesquisadores brasileiros estão estudando o potencial terapêutico dos venenos de cobra e de aranha para a produção de medicamentos. As toxinas da jararaca e da aranha-caranguejeira, por exemplo, mostraram efeitos promissores para o tratamento de doenças do sangue e até de tumores.

Esse é um campo no qual o Brasil se destaca e que já rendeu medicamentos em uso no mundo todo. Um deles, o Captopril, uma das drogas mais utilizadas para tratar a hipertensão, foi desenvolvida a partir de pesquisas brasileiras feitas na década de 1960 com o veneno da jararaca.

Para ajudar o animal a caçar ou se defender, as peçonhas têm uma diversidade de efeitos, por exemplo, na coagulação do sangue e na atividade neuromuscular. 


Veneno de serpente mata 
células, característica que
pode ser usada na
formulação de medicamentos 

Recentemente, um estudo da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em parceria com a Universidade Federal de Catalão (GO) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, revisou 84 pesquisas brasileiras e constatou que a peçonha da serpente jararaca-caiçaca (Bothrops moojeni) tem 23 proteínas que agem na chamada hemostasia — a capacidade de o sangue fluir sem coágulos nem hemorragias — de diversas formas.

“Elas têm um efeito direto nas plaquetas ou em proteínas do sangue, com ação anticoagulante ou, ao contrário, pró-coagulante, e por isso podem se tornar alternativas para o tratamento de doenças trombóticas, hemorragias e distúrbios da coagulação”, diz a professora Carla Cristine Neves Mamede, da UFU, uma das autoras do trabalho.

Apesar da variedade de componentes e efeitos biológicos, até hoje apenas uma proteína do veneno da jararaca-caiçaca, a Batroxobin, serviu para o desenvolvimento de remédios usados para tratar doenças cardiovasculares. Já o veneno da aranha-caranguejeira (Vitalius wacketi) vem sendo estudado por cientistas do Hospital Israelita Albert Einstein e do Instituto Butantan pelo potencial contra o câncer.

Há mais de 20 anos, o bioquímico Thomaz Rocha e Silva observou que a toxina desse animal tinha ação citotóxica, ou seja, era capaz de matar células. 

“Descobrimos uma poliamina (molécula da toxina) com uma ação interessante”, conta o pesquisador.  

Posteriormente, a toxina foi isolada, purificada e sintetizada pelo Instituto Butantan.

Atualmente, essa versão da molécula, feita em laboratório, está sendo testada contra leucemias resistentes e apresentou resultados promissores, pois, em contato com as células tumorais, ela conseguiu induzir a morte delas. 

O próximo passo é avaliar a segurança e a eficácia em cobaias. Só depois seria possível começar os testes em pessoas.

“É um trabalho de muitos anos e é preciso também avaliar a viabilidade de produção e o custo/benefício”, explica Rocha e Silva. Isso porque as proteínas, após isoladas e sintetizadas, precisam ser modificadas para dar origem aos medicamentos.

“Precisamos testar centenas de moléculas para achar uma que funcione. Queremos mudar a realidade do tratamento de muitos tumores que têm baixa chance de cura. Se mudarmos 1% a chance de cura, já valeu a pena, pois são vidas sendo salvas”, explica o bioquímico.

“Essas pesquisas aumentam a possibilidade de suprir deficiências nos tratamentos tradicionais, minimizando a ocorrência de efeitos colaterais, por exemplo, e podem aumentar o número de medicamentos voltados a tratar e diagnosticar várias doenças”, diz a professora Mamede, da UFU.

Já o bioquímico ressalta que esses estudos ajudam a preservar a nossa riqueza biológica e devem estimular a educação das pessoas, até para prevenir acidentes e preservar os animais silvestres.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m