Pular para o conteúdo principal

Pastor Felippe Valadão é indiciado pelo crime de intolerância religiosa

O líder religioso incitou à violência ao afirmar que a "igreja evangélica vai fechar muitos centros de umbanda


O pastor Felippe Valadão, da Igreja Lagoinha em Niterói, foi indiciado pelo crime de intolerância religiosa cometido em maio de 2022, durante oficial da prefeitura de Itaboraí, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Em discurso, Valadão fez ameaçadas contra terreiros de umbanda, afirmando que “o tempo da bagunça espiritual acabou” e que “a igreja está na rua para fechar muitos centros de umbanda na cidade”.

Adeptos de religiões afro-brasileiras interpretaram o discurso de Valadão como tentativa de conversão à religião dele e incitação à violência.

Após investigação da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), ficou comprovada a prática de intolerância religiosa por parte do pastor.

O relatório policial, encaminhado ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), concluiu que as declarações de Valadão não se configuram como mera defesa da fé, mas sim como ataque à liberdade religiosa e promoção de discriminação.

Em sua defesa, Valadão alegou que suas palavras visavam a conversão de pessoas de religiões de matriz africana para o cristianismo. No entanto, a Decradi ressaltou que a conversão religiosa deve ser um processo livre e voluntário, não passível de coerção ou ameaças.

A prefeitura de Itaboraí se pronunciou à époc repudiando as declarações do pastor e esclarecendo que “as falas dos convidados não refletem a posição do governo, que é de respeito à diversidade religiosa e combate à intolerância”.

A pena para o crime de intolerância religiosa varia de um mês a um ano de prisão, além de multa.

> Com informação da Agência Brasil e de outras fontes.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios