Pular para o conteúdo principal

Pesquisa mostra a Amazônia de uma época em que ela tinha vulcões

As atividades vulcânicas mais antigas na região ocorreram há 2 bilhões de anos


Felipe Mateus
jornalista

Unicamp

Hoje dominada pela exuberante floresta tropical, há bilhões de anos a região amazônica apresentava intensa atividade vulcânica, cuja pesquisa, por conta de características da própria floresta, ainda é um desafio.

Uma pesquisa do Instituto de Geociências (IG) da Unicamp trouxe novas contribuições à investigação geológica da Amazônia.

Por análise de imagens e da composição de rochas, o estudo descobriu que a porção leste da chamada Província Mineral de Alta Floresta — área de cerca de 55 mil quilômetros quadrados que compreende o Nordeste do Mato Grosso e o Sul do Pará — apresenta características de uma antiga formação de caldeira vulcânica erodida, como encontrada no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos.

A descoberta é um dos resultados da pesquisa de mestrado de André Kunifoshita e foi publicada na revista Geoscience Frontiers. O artigo também conta com a autoria de Maria José Mesquita, professora do IG e orientadora da pesquisa, e de Felipe Holanda dos Santos, professor da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Pesquisa

As primeiras pesquisas sobre um passado vulcânico da Amazônia são do fim do século XIX.

Os três períodos de atividade vulcânica que formaram o que hoje se denomina Cráton Amazônico ocorreram, inicialmente, há 2 bilhões de anos, seguido de outro período há 1,88 bilhão de anos e de um terceiro, há 1,78 bilhão de anos. As formações derivadas deste último período integram o chamado Grupo Colíder, um dos tipos de rocha que compõem a Província Mineral de Alta Floresta.

O Grupo reúne aspectos que despertam a curiosidade dos geólogos, como uma possível associação às formações de cobre e ouro encontradas na região. 

Vulcões dominaram
a Amazônia por
três períodos
IMAGEM ILUSTRATIVA

Segundo Maria José Mesquita, ainda não se sabe se há uma relação direta entre o vulcanismo e o surgimento desses metais, justificando as pesquisas. Ressalta que, em torno de 2 bilhões de anos, o planeta começou a se oxigenar, dando origem aos primeiros seres vivos. “Há várias coisas em jogo ao se estudar este período”, avalia.

A hipótese da formação de caldeira vulcânica surge a partir da análise de imagens de radar do relevo das proximidades da cidade de União do Norte. Esta formação ocorre quando uma câmara que concentra o magma se esvazia, fazendo com que as camadas superiores a elas colapsem e desçam, formando a estrutura circular com bordas.

Apesar dos indícios, a análise das rochas que a compõem é necessária para reforçar a hipótese de o local ter se formado a partir do vulcanismo. “Como estamos trabalhando com rochas muito antigas, não temos todas as evidências dessa formação. Coletamos pistas para desvendar o que ocorreu no passado”, detalha Kunifoshita.

Assim, foram coletadas amostras de rochas da região para sua datação — por meio do método urânio-chumbo —, petrografia e análise geoquímica. 

O pesquisador identificou rochas de eventos vulcânicos efusivos, marcados pela maior fluidez do magma, facilitando a liberação de gases e a erupção mais calma — como os riolitos. Também verificou rochas de erupções explosivas, mais violentas, onde o magma extravasado se mistura às cinzas e aos fragmentos de outras rochas — no caso, as lapilli tuffo e outras rochas piroclásticas. 

“Nossa hipótese é de que são rochas derivadas do mesmo período, mas de pulsos vulcânicos diferentes. Comparando com os de hoje, é como acontece no Monte Etna, na Itália, que de tempos em tempos entra em erupção”, explica.

Peças de um quebra-cabeças

Estudos geológicos da Amazônia esbarram em desafios que vão desde a dificuldade de chegar em determinados locais e a grande distância entre as cidades, até os processos de intemperismo típicos das florestas tropicais. 

“Várias áreas de estudo estão cobertas por vegetação. A própria floresta dificulta encontrarmos os afloramentos de rochas, eles não são contínuos”, comenta André, que ainda ressalta o quanto as chuvas constantes contribuem para a alteração dos minerais e para a formação de solos argilosos.

Entretanto, os pesquisadores ressaltam que as rochas vulcânicas do Grupo Colíder, mesmo sendo muito antigas, não sofreram metamorfismos que tenham modificado suas principais características. “Está tudo preservado. Isso facilita muito, vemos as estruturas da forma como se constituíram, o que é incrível”, destaca Mesquita.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch