Pular para o conteúdo principal

Cuidar dos outros nos tornou humano

O primeiro sinal de civilização pode ser considerado o fêmur fraturado e curado de 15.000 anos atrás encontrado em um sítio arqueológico


Professor associado de pesquisa
Universidade San Jorge


Paula Fernández Martínez
bioestatística

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Quando adoecemos, a primeira coisa que procuramos é alguém que cuide de nós. Se possível, que seja nossa mãe, pai ou companheiro. O cuidado é definido como atenção amorosa que preserva, protege e promove o bem-estar.

Devido ao processo evolutivo, o cuidado está presente na espécie humana desde que começamos a existir. Vários estudos mostram que na antiguidade se cuidava dos doentes.

É o caso de Atapuerca (Burgos, Espanha), em cujos locais foi encontrada “Benjamina”, uma menina com uma doença chamada craniossinostose. Apesar de ter sofrido retardo psicomotor e apresentar feições deformadas, a menina faleceu aos dez anos, o que indica que eram muito atenciosos com ela. Isso teria ocorrido há cerca de 530.000 anos.

Mais tarde, durante a Idade Média, também chamaram a atenção os restos mortais de um homem com cerca de 50 anos encontrados na necrópole de Maro (Málaga, Espanha). Datado entre os séculos X e XI, seus ossos apresentavam uma fratura vertebral que cicatrizou naturalmente. Essa pessoa provavelmente ficou tetraplégica, o que implica que foi cuidada e acompanhada para garantir sua sobrevivência.

A antropóloga americana Margaret Mead disse aos seus alunos que o primeiro sinal de civilização foi um fêmur fraturado e depois curado.

O que determina a necessidade de cuidado?

O cuidado sempre esteve no centro das sociedades porque, sem ele, a vida humana não seria possível. Aqui podemos falar de “tarefas de manutenção”, que incluem atividades como gravidez, parentalidade, preparação de alimentos, cuidado de doentes… O que não é pouca coisa.

Cuidando uns dos outros, os
homines sapientes asseguraram
sua sobrevivência no planeta

São atividades repletas de conhecimento, tecnologia e inovação. Porém, historicamente, essas tarefas foram relegadas a segundo plano, como um trabalho menor, e sempre associadas à figura da mulher. É, talvez, esta associação que prejudica estas tarefas. Embora, na realidade, a convivência coletiva faça com que todos participemos desse cuidado.

E os idosos desempenham aqui um papel essencial. Em muitos momentos da história, as sociedades humanas foram governadas por pessoas idosas e sábias, conhecidas como gerontocracia

Atualmente, em algumas instituições ou países ainda existe um apego a este tipo de estrutura. Sem ir mais longe, as próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos serão provavelmente decididas entre dois candidatos de idade avançada.

A hipótese da avó

O início do envelhecimento na nossa espécie está associado ao fim da idade reprodutiva, especialmente nas mulheres. O fato de vivermos para além desta fase está relacionado, segundo a hipótese da avó, com a nossa capacidade de cuidar dos outros e transmitir-lhes conhecimentos. Um estudo recente em chimpanzés mostra que talvez não sejamos a única espécie que desenvolve esta estratégia.

A investigação realizada com um grupo de chimpanzés de Ngogo (Uganda) relaciona esta vida pós-produtiva a duas teorias. Por um lado, postula-se a já mencionada hipótese da avó. Embora, por outro lado, também possa ser devido ao fato de as fêmeas mais velhas deixarem de competir com as jovens pelo acasalamento quando chegam à menopausa, favorecendo a variabilidade genética da prole.

Bebês

No nosso caso, o Homo sapiens, também somos muito vulneráveis ​​ao nascer, e novamente isso é uma questão de evolução. Agora estamos sobre duas pernas e a pélvis das mulheres é mais estreita por causa disso. Além disso, sendo uma espécie com o maior cérebro, ficamos “cabeçudos” e nossas cabeças não cabem no canal do parto. Isso explica porque nascemos cedo, aos nove meses de gestação.

Desta forma, e embora dificulte o processo, garantimos que o parto ocorre, com a consequente necessidade de cuidados ao nascer.

Em suma, a existência de ossos antigos de pessoas doentes e longevas indica que o cuidado das pessoas indefesas tinha que ser feito por todos. Foi o cuidado que nos trouxe até aqui como sociedade. Isso nos permitiu sobreviver.

Cuidar e acompanhar a doença faz com que sejam implementadas atividades, conhecimentos, estratégias e tecnologias que auxiliam na recuperação das pessoas. Tudo isso ajuda a criar relações sociais essenciais para o funcionamento da sociedade, como a solidariedade e a empatia.

• Cientistas identificam os mais antigos fósseis de Homo sapiens

• Homo sapiens se espalhou pelo planeta a partir do Norte de Boswana, diz estudo

• Somos as últimas gerações de Homo Sapiens; vem aí o cyborg, afirma Harari

Comentários

betoquintas disse…
Tudo feito sem ter necessidade de evidência.😏🤭

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Terraplanista vai a Noruega, vê o sol da meia-noite e admite que a Terra é redonda

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Bíblia tem mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus

Darwin teve a melhor ideia de todas porque liga vida, física e cosmologia, diz Dennett

A beleza ilusória do mundo da nuvem digital tem impacto na saúde mental

Não acreditar em Deus é atalho para a felicidade, afirma Sam Harris

Evangélicos acham que o dízimo é investimento financeiro, afirma estudo