Pular para o conteúdo principal

Consequências da seca severa afetam mais de 300 comunidades de 22 cidades da Amazônia

O desequilíbrio na sazonalidade está se refletindo na reprodução dos animais e elevou os custos da pesca 



VINÍCIUS ZANATTO
geógrafo e pesquisador no Instituto de 
Desenvolvimento Sustentável Mamirauá,
vinculado ao grupo de pesquisa em
Territorialidades e Governança 
Socioambiental na Amazônia

PATRICIA ROSA
doutora em Antropologia e pesquisadora
titular no Instituto de Desenvolvimento
Sustentável Mamirauá, líder do grupo de 
pesquisa em Territorialidades e Governança
Socioambiental na Amazônia

AGÊNCIA BORI

Todos os anos, o volume das águas do rio Solimões aumenta e diminui durante a enchente e a seca, o que, entre pesquisadores, é conhecido como pulso de inundação. Esse movimento impulsiona todas as atividades produtivas e as relações sociais dos povos indígenas e ribeirinhos que vivem nas áreas inundáveis de várzea na Amazônia.

Na região amazônica, é a partir da sazonalidade imposta pelo ambiente que são definidos os momentos de plantar, pescar, coletar e extrair madeira. As casas são construídas em palafitas ou flutuantes para se adaptarem às constantes cheias e secas.

Na região do Médio Solimões, a pesca é uma das principais atividades econômicas e fonte alimentar para a população.

O período mais propício para pescar é quando o rio está secando, e lagos e paranãs ficam represados, facilitando a captura de espécies como Tambaqui (Colossoma macropomum), Pirarucu (Arapaima gigas) e Aruanã (Osteoglossum bicirrhosum). Mas, em secas severas, como a atual, toda a cadeia produtiva sofre impacto negativo.

Apesar de a seca facilitar a pesca, a logística para o escoamento da produção é prejudicada, já que o acesso aos lagos é dificultado, exigindo o transporte dos peixes em canoas ou por terra para o armazenamento nos barcos que ficam distante das áreas.

Aumentam os custos da
pesca e da conservação
dos peixes
FOTO: VINÍCIUS GALVÃO ZANATTO

O processo implica em gastos maiores com combustível e gelo, prolongando a duração da atividade. Assim, aumentam as despesas individuais de pescadores e pescadoras, afetando diretamente seus ganhos finais.

Além disso, algumas áreas ficam isoladas, sem acesso para barcos e pescadores, levando ao cancelamento da pesca ou ao atraso na atividade. 

Para evitar a interrupção das atividades pesqueiras, coletivos de pescadores, pesquisadores e assessorias técnicas têm dialogado com as autoridades ambientais a fim de alterar o período de defeso do pirarucu em 2023. Se poderia, assim, minimizar perdas econômicas e mitigar os impactos sociais negativos da estiagem extrema para mais de 300 comunidades de 22 municípios do estado do Amazonas.

Os processos naturais também sofrem alterações durante períodos de estiagem prolongada ou extrema, afetando o ciclo reprodutivo de diversas espécies de peixes. Nesse período, os animais estão chocando ovos ou em estágio muito jovem, tornando-os mais vulneráveis à predação e mudanças ambientais. 

Recentemente, observou-se a mortandade de diversas espécies aquáticas, que ficam expostas a predadores, como jacarés, que consomem grandes quantidades de peixes adultos e alevinos.

A mortalidade também é causada pela falta de oxigenação e altas temperaturas da água, o que impede os peixes de respirarem e os leva à morte. Esses fatores resultam na diminuição da população local, afetando a reprodução nos anos seguintes à estiagem, o que compromete os estoques de pesqueiros e a economia local.

É interessante que o poder público se envolva na questão da mortalidade dos animais, promovendo pesquisas e monitoramentos constantes das espécies. Uma alternativa relevante seria investir no monitoramento de desembarque pesqueiro nas principais cidades da calha do rio Amazonas.

 Tal iniciativa auxilia na regulação do uso dos recursos naturais subsidiando com informações não só sobre a quantidade e tamanho de peixes capturados, mas também sobre o estado de conservação de diversas espécies de grande importância econômica, contribuindo, assim, na tomada de decisão e nas políticas públicas para o setor pesqueiro.

• Seca coloca em risco a abundância de peixes na Amazônia

• Aquecimento anormal agrava seca na Amazônia e mata cem botos em três dias

• Das 600 espécies de tubarão, só 10 registram incidentes fatais com humanos

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Influenciadora cristã torna-se ré por associar enchentes no Sul à quantidade de terreiros

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bianca Machado Cotta, vítima do voo AF 447

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Alunos evangélicos de escola de Manaus recusam trabalho de cultura africana

Líder de igreja é acusado de abusar de dezenas de fiéis

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Ateus são o grupo que menos apoia a pena de morte, apura Datafolha

Valdemiro pede 10% do salário que os fiéis gostariam de ter

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão