Pular para o conteúdo principal

Remédios para tratar diabete viram febre no combate à obesidade

Mayana Zatz, geneticista e bióloga molecular, alerta que essas drogas não são a solução para todas as pessoas obesas

JORNAL DA USP

O uso off label, ou seja, sem indicação formal em bula, de remédios para emagrecer, tem se popularizado nos últimos anos não só no Brasil. Em países como Estados Unidos e Austrália, por exemplo, a demanda é tanta que faz os remédios desaparecerem das prateleiras. 

Esses medicamentos mimetizam um hormônio, o glucagon-like peptide (GLP-1), liberado pelo intestino, e que atua no controle do apetite. Uma dessas drogas, que foi aprovada somente para o tratamento específico de diabete tipo 2, está sendo prescrita como um agente para perda de peso.

Um artigo publicado na Nature News comenta o que está se observando em relação a essas novas drogas. Uma primeira pesquisa foi publicada em 2021, na revista The New England Journal of Medicine. 

Uma das drogas teve efeito em um terço dos participantes, que perdeu pelo menos 20% do seu peso. Outra droga conseguiu o mesmo efeito em cerca de metade dos pacientes. 

“Embora os resultados sejam animadores, essas observações mostram que essas drogas não são a solução para todas as pessoas obesas. É mais um exemplo da importância da farmacogenômica, ou seja, a resposta individual a drogas”, afirma Mayana Zatz, diretora do Centro de Estudos sobre o Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL) da USP.

Zatz diz que ainda não
sabe a consequência do
uso desses remédios
no longo prazo


Outro estudo clínico mostrou que as pessoas que interromperam o tratamento após 20 semanas recuperaram praticamente todo o peso que haviam perdido, enquanto aquelas que não interromperam a medicação continuaram a perder peso.

A obesidade é considerada hoje uma doença crônica e, por isso, as medicações estão sendo recomendadas a longo prazo. “Mas ninguém sabe ainda quanto tempo significa esse longo prazo”, explica a geneticista.

Mayana aponta outro tema importante. “Como o genoma das pessoas obesas poderia interferir nos resultados desses estudos? E também, é claro, quanto os maus hábitos alimentares, desde a infância, contribuem para o sobrepeso e a obesidade? São questões ainda a serem esclarecidas”, finaliza.

Com informação da revista the New England Journal of Medicine 

• Infecção da Covid-19 no fígado estimula produção de glicose e agrava o quadro clínico

• Pesquisadores criam sensor para medir na urina glicose de diabéticos

• Biocurativo acelera a recuperação de lesões cutâneas em diabéticos

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Padres afirmam que rezam para que papa Francisco vá logo para o céu

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

'Matem todos porque o Senhor conhece aqueles que são seus!' França, 22 de julho de 1209

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião