Pular para o conteúdo principal

Igreja evangélica LGBT em São Paulo ordena como reverenda uma mulher trans

Alexya frequentou a Igreja
 Católica até aos 28 anos e
 pretendia se tornar padre

A ICM (Igreja da Comunidade Metropolitana), congregação evangélica LGBT, ordenou a pastora Alexya Salvador (foto), 39, como reverenda de templo em São Paulo — é a primeira mulher trans ocupar tal cargo na América Latina.

O bispo trans Ines-Paul Baumann veio da Alemanha para conduzir a cerimônia, em 26 de janeiro de 2020.

Como homem gay, Alexya frequentou a Igreja Católica até os 28 anos e pretendia se tornar padre. Chegou a frequentar um seminário.

“Aos 8 anos, fui sozinha pedir para fazer catequese. A igreja era o único lugar que eu não apanhava.”

Quando se casou com Roberto, decidiu se assumir como mulher trans.

Alexya é professora de português da rede estadual de ensino há 16 anos.


Ela e Roberto têm duas filhas, uma de 13 anos e outra de 8. Ambas são transgêneras.

Até recentemente, Alexya não imagina que um dia pudesse se tornar reverenda de uma igreja cristã.

“Quando fui instalada pastora, há dois anos, já foi um reboliço. Até então não existia uma pastora trans no Brasil.”

“Cresci ouvindo que LGBT não era obra de Deus, que LGBT ia para o inferno. Ali [na ICM] eu consegui entender que sou trans e agora caminho com tranquilidade.”

A tranquilidade de Alexya é interrompida quando alguém, diante dela, faz o sinal da cruz.

“[Há pessoas que] entendem que sou a personificação do mal, que sou uma herege, uma blasfemadora dos assuntos de Deus.”

Ela segue firme em frente porque entende que Jesus foi o primeiro transgênero.

Argumenta que, quando encarnou no útero de Maria, Jesus transgrediu do gênero divino para o humano.

“Originalmente, Jesus era de um jeito e, depois, assume outra condição, assim como toda pessoa trans."

Com informação do Huffpost Brasil e foto de arquivo pessoal.



Igreja de gays vai celebrar casamento comunitário em São Paulo

Lei da Dinamarca obriga Igreja a celebrar casamento gay

Igreja gay abre em São Paulo templo para 500 pessoas

Igreja Católica usa linguagem 'vil' para se referir aos gays, diz ativista




Comentários

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato