Pular para o conteúdo principal

Mais de 400 mil pessoas assinam petição contra o Jesus gay do Porta dos Fundos

[texto opinativo - contém spoiler] O especial de Natal do Porta dos Fundos 2018, no Netflix, passou despercebido, mas o de 2019 é sucesso porque obteve a melhor propaganda que os produtores de uma comédia pode conseguir: críticas de um monte de gente.

Até este momento, uma petição on-line pede censura ao especial "A Primeira Tentação de Cristo" está com meio milhão de adesões.

No especial de 2018 Jesus já é chamado de "viadinho" e agora o grupo de comediantes avança ao sugerir que o personagem é homossexual. 




A história começa quando Jesus volta do deserto com um "amigo", que depois vai revelar a sua verdadeira identidade. Trata-se do Diabo.

Jesus é surpreendido por uma festa se seu aniversário, da qual participa Deus em pessoa.

E por aí segue a história, com a revelação de quem é o verdadeiro pai de Jesus.

Ao final Jesus pede ao seu pai que possa ter 12 homens como apóstolos, em período de experiência de três anos para ver se ele aceita uma missão divina.

Deus diz que ele poderia escolher mulheres como seguidoras, mas Jesus recusa.

Evangélicos e católicos se unem na internet para condenar o filme. 

Os políticos de sempre aproveitam a oportunidade para defender os "valores da família cristã" e se indignam contra essa "blasfêmia".

Nota do Netflix diz que respeita a liberdade artística e que filmes religiosos.

Os fanáticos cristãos — justamente por serem fanáticos — não se dão conta de que nenhum assinante do streaming é obrigado a ver a comédia e que ninguém pode impor seus valores ou preconceitos, proibindo outros de verem o que quer que seja.



Com informação de Change, das redes sociais e de outras fontes.



Em Porta dos Fundos, crianças acham que Jesus é super-herói da Marvel

Vídeo do Porta dos Fundos mostra hipocrisia de 'traficante gospel'

Frango assado é corpo de Cristo em vídeo do Porta dos Fundos

Em Porta dos Fundos, Jesus diz que quem cura é médico, não ele




Comentários

  1. Semana retrasada, eu estava vendo uma entrevista deste Duvivier no canal do Haddad, se não me engano. O que eu achei ridículo e cômica foi a ideia "genial" que ele defendia: Se o humor busca atacar um grupo majoritário, não há do que reclamar. Agora, se o humor é dirigido a um grupo minoritário, aí o humor deles não pode ofender. Ou seja, é uma MENTALIDADE TÃO TOSCA, que cria uma espécie de MORALIDADE DUPLA, ao entender que: Grupos majoritários, e na mente desta gente "opressor', pode falar um monte de merda. Grupos minoritários, os "oprimidos". Estes não podem ser atacados nunca, porque é algo mau. Assim, fazer um humor, por exemplo, contra cultos afros, NEM PENSAR. Fazer piadas com grupos GLBT, nem pensar, etc. Ou seja, é uma DESONESTIDADE INTELECTUAL no ponto que assusta qualquer pessoa que tenha o mínimo de bom senso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Fazer piadas com grupos GLBT, nem pensar, etc." O próprio Duvivier faz sátira com os gays em vários vídeos do Porta dos Fundos. Inclusive neste especial de Natal.

      Excluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos