Igrejas católica, ortodoxas, muçulmanas e judaicas se unem contra a eutanásia

Acordo das religiões abraâmicas
vai prolonga em muitos casos o
sofrimento dos doentes terminais

Representantes das igrejas católica, ortodoxas, muçulmanos e judaicas assinaram um compromisso para unir forças contra a eutanásia e o suicídio assistido por médicos.

Essas religiões abraâmicas tomaram a iniciativa porque, em alguns países, pessoas em situação de extremo sofrimento têm optado por antecipar a sua morte, para que, segundo entendem, tenham o fim com dignidade.

A ideia de uma declaração conjunta pela manutenção da vida mesmo em circunstâncias terminais surgiu de uma conversa entre o rabino Avraham Steinberg e o papa Francisco.

Assinado pelo papa no dia 28 de outubro de 2019, o documento afirma que os doentes terminais devem receber cuidados paliativos e assistência espiritual e religiosa, além do apoio da família.

Diz o documento: "A eutanásia e o suicídio assistido são inerente e consequentemente errado, da perspectiva moral e religiosa, e devem ser proibidos sem exceções. Qualquer pressão sobre os pacientes que estão morrendo para acabar com suas vidas por ações ativas e deliberadas deve ser categoricamente rejeitada. ”

Em nenhum momento o texto do documento sugere que o doente  deve ser consultado sobre o que quer fazer com que  resta de sua própria vida.




Bélgica multa asilo católico por não atender pedido de eutanásia

Holanda inocenta médico que submeteu mulher com demência à eutanásia

Bélgica e Holanda estão na vanguarda da eutanásia

Humanismo está substituindo concepção religiosa da morte



Comentários

Quando convém, os bandidos da fé se unem...