Pular para o conteúdo principal

Faz quatro anos que o terror islâmico atacou o semanário satírico Charlie Hebdo

No dia 7 de janeiro de 2019, fez quatro anos que dois terroristas islâmicos entraram na redação do semanário satírico Charlie Hebdo, em Paris, e, aos berros de que “Alá é Grande”, metralharam 11 pessoas, entre as quais o diretor da publicação, Charb.

Mural presta homenagem
 aos jornalistas assassinados
 por seguidores de Alá

Neste aniversário do atentado, houve homenagem de autoridades às pessoas assassinadas e à liberdade de imprensa.

A mordacidade de Charlie Hebdo faz parte da cultura francesa, cuja literatura é pontuada por escritores irreverentes.

Com proteção policial 24 horas por dias, o semanário marcou a data com um cartoon que expressa a preocupação de que possa haver “o retorno dos obscurantismos”: um bispo e um imã tenta apagar uma frágil velinha, que representa a publicação.


Com informação do Twitter e de outra fontes.



Aviso de novo post por e-mail

'Charlie Hebdo' com Deus na capa afirma que o 'assassino continua solto'

Jornal não deveria fazer sátira com Maomé, afirma professora

Diretor do 'Charlie Hebdo' afirma que atentado reforçou seu ateísmo




Ateus podem mover mais montanhas que a fé, afirma Charlie Hebdo


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Romualdo Panceiro cria a Igreja das Nações para concorrer com a Universal

Pastor diz que máscara é ‘frescurite’; fiel idosa e marido morrem de Covid-19

Maitê recupera pensão de solteira apesar de união com empresário







EDITOR DESTE SITE
Paulo Lopes é jornalista.Trabalhou
no jornal abolicionista Diario Popular,
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e outras publicações.

Contato