Estado brasileiro desperdiça recursos com a adoção do 'remédio' homeopático

por Natalia Pasternak e Edzard Ernst
para Folha de S.Paulo

A homeopatia foi criada pelo médico alemão Samuel Hahnemann (1755-1843). Na época, o conhecimento disponível sobre a natureza era muito menor do que é hoje, e as ideias de Hahnemann soavam até razoáveis. Os tratamentos convencionais de então eram, muitas vezes, mais perigosos do que as doenças que pretendiam curar, e os remédios da homeopatia, mais suaves, fizeram grande sucesso em todo o mundo.

Essa "suavidade", porém, era — e é — causada pelo fato de remédios homeopáticos quase sempre não conterem nada além de água, álcool ou açúcar. Preparados homeopáticos costumam ser tão diluídos que não contêm nem uma única molécula da substância anunciada no rótulo.

Uma diluição homeopática muito comum é a "C30", o que significa uma sequência de 30 diluições consecutivas, à taxa de uma parte de princípio ativo para 100 partes de solvente. Isso significa que uma gota do material original é dissolvida em 1 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 gotas de diluente (água, por exemplo). Isso equivale a menos de uma molécula da substância original em meio a todas as moléculas do Universo.

Estudos mostram
 que a homeopatia
é ineficaz

Esse fato, por si só, demonstra que é muito pouco razoável esperar que medicamentos homeopáticos tenham algum efeito concreto. Mas isso não faria diferença, se a homeopatia trouxesse benefícios reais para a saúde. A evidência, no entanto, mostra o oposto: consistentemente, os melhores estudos a respeito demonstram a ineficácia dessas intervenções.

Comprovar que um medicamento é eficaz não é fácil. Constatar que uma pessoa teve melhora depois de engolir A ou B não basta; é preciso demonstrar que a melhora representa um efeito específico de A ou de B, em uma população suficientemente grande, e que não há algum outro fator em ação, como o efeito placebo (decorrente da mera crença do paciente de estar sendo tratado) ou uma regressão natural da doença. Esse tipo de prova requer estudos.

Como toda atividade humana, pesquisas médicas podem ser feitas de modo errado ou gerar equívocos por acidente. Por isso, as melhores conclusões são as tiradas do agregado de diversos trabalhos. Esses agregados são chamados de revisões sistemáticas.

Existem diversas revisões sobre homeopatia, com resultados que se tornam cada vez mais negativos à medida que a qualidade dos estudos agregados aumenta. Um de nós, Edzard Ernst, conduziu um dos mais completos trabalhos a respeito, publicado em 2010 no Medical Journal of Australia, mostrando que os efeitos da homeopatia não superam os dos placebos.

Mesmo as revisões compiladas em dossiê publicado em 2017 na revista brasileira Homeopatia, que traz o que os homeopatas nacionais consideram seu melhor argumento científico, estão repletas de ressalvas. Uma delas diz, na conclusão, que "a evidência [a favor da homeopatia] não é convincente".

Com base nesses fatos, países como Austrália, Inglaterra e Espanha removeram ou preparam-se para remover a homeopatia de suas redes públicas de saúde. O Brasil deveria segui-los.

Cada pessoa é livre para pagar pelo tratamento que preferir, claro. Mas o Estado tem o dever ético de garantir que os recursos da coletividade serão investidos naquilo que vai gerar o máximo de benefícios, e não diluídos até que qualquer benefício mensurável desapareça — como num remédio homeopático.

Natalia Pasternak é doutora em microbiologia pela USP e presidente do Instituto Questão de Ciência, Edzard Ernst é médico e ex-homeopata, professor emérito da Universidade de Exeter (Reino Unido) e autor, entre outros livros, de “Truque ou Tratamento” (Record). O título do texto é deste site.



Aviso de novo post por e-mail

Faculdade de medicina da França acaba com curso de homeopatia

'Homeopatia não é ciência, não cura', diz ministra da Espanha

CNPq gasta R$ 400 mil com a pseudociência da homeopatia




Médicos católicos alemães dizem curar gay com homeopatia


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site