Pesquisa em 14 países mostra que brasileiros têm fascínio pela ciência


Pesquisa foi feita
em países desenvolvidos
e emergentes

Os brasileiros têm fascínio pela ciência, tanto que 49% deles gostariam de conhecer pessoalmente Marcos Pontes, o único astronauta do país que foi a espaço.

Na preferência de personalidades, só ganha do astronauta o jogador Neymar, com pequena diferença, de dois pontos percentuais (51%).

Essas informações são da primeira edição do Índice Anual da Situação da Ciência, organizado pelo Instituto 3M em países desenvolvidos e emergentes, no total de 14.

A pesquisa foi feita entre junho e agosto de 2017. No Brasil, foram ouvidas 1.000 pessoas.

Apesar do gosto dos brasileiros pela ciência e, por exemplo, de não se desgrudarem de um celular, dois em cada três deles não conseguem perceber o impacto do conhecimento científico em seu dia a dia.

Ainda assim, população de outros países, na média, tem uma percepção ainda menor sobre as aplicações da ciência.

Do total dos brasileiros pesquisados, 52% se arrependem por não terem seguido uma carreira científica.



Maior desafio da ciência é decifrar o cérebro, diz Varella

Não há ligação entre ciência e religião, afirma Neil Tyson




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

  1. Essa pesquisa contraria o resultado do Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), no ranking de 70 países participantes, o Brasil ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática (as três áreas avaliadas). Dados de 2015.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Busca neste site