Pular para o conteúdo principal

Nos EUA, evangélicos rejeitam rótulo de ‘evangélicos’


Rejeição aos conservadorismo

A Sociedade Evangélica da Universidade de Princton, nos EUA, passou a se chamar Sociedade Cristã de Princeton.

Ela mudou o seu nome para se dissociar das conotações negativas da palavra “evangélica”, que remete à ideia do conservadorismo da extrema-direita religiosa.

Outras entidades e religiosos estão fazendo a mesma coisa.

Tony Campolo, pastor e fundador do movimento Red Letter Christians, adotou a tendência.

Conselheiro espiritual do ex-presidente Bill Clinton, ele disse que passou a se sentir "desconfortável" em se apresentar como “evangélico” porque as pessoas supõem coisas sobre ele “que não são verdadeiras”.


“Nós [fiéis da igreja dele] não somos favoráveis à pena de morte nem à guerra. Não odiamos gays e não somos antifeministas.”

O pastor Boz Tchividjian, neto do reverendo Billy Graham, também rejeita o rótulo.

“’Evangélico’ não é como ‘batista’ e ‘episcopal’, que podem ser claramente definidos.”

“Quando você usa esse termo para uma pessoa, você é definido pela forma que ela interpreta.”

No Brasil, seguidores de religiões centenárias, como a luterana e a metodista, também não gostam de ser identificados como os neopentecostais, genericamente chamados de “evangélicos” e que têm sido massa de manobra de pastores fundamentalistas e intolerantes.

Com informação de sites internacionais, o Globo e de outras fontes.




Discurso de Trump é similar ao dos evangélicos, diz antropóloga

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Posts + acessados nos 30 dias mais recentes

Morre de Covid-19 pastor bolsonarista que defendia uso da cloroquina

Angolanos expulsam os pastores brasileiros de 30 templos da Universal

Edir Macedo amaldiçoa angolanos que expulsaram pastores brasileiros de templos

Hackers invadem conta de Malafaia e doam R$ 10 mil à Cruz Vermelha

Bispo Edir Macedo é internado com suspeita de estar com Covid-19