Pular para o conteúdo principal

7% dos padres da Austrália são acusados de abusar de crianças

Igreja Católica acobertou os ataques de padres

por Fabrizio Mastrofini
para o site Settimana News

Os números são impressionantes para a Igreja na Austrália. Desde 1950, 572 padres, dos quais 384 são diocesanos, teriam sido responsáveis por abusos contra menores. Dados que forçaram a Igreja australiana a intervir, demonstrando consciência sobre a extensão e a gravidade do fenômeno.

“Profundamente consciente do mal e da dor causados pelo abuso, mais uma vez, ofereço os meus pedidos de desculpa em nome da Igreja Católica. Sinto muito pelo dano que foi feito à vida das vítimas de abusos sexuais. Como disse o papa Francisco recentemente, ‘é um pecado que nos envergonha’.”

Assim declarou Dom Denis J. Hart, arcebispo de Melbourne e presidente da Conferência Episcopal Australiana, em uma mensagem dirigida aos católicos do país, no dia em que, depois de quatro anos de trabalho, a Comissão de Inquérito sobre as Respostas das Instituições aos Abusos Sexuais de Menores, a mais alta autoridade de investigação sobre o fenômeno da pedofilia na história da Austrália, tornou públicos os resultados do inquérito que, desde 2013, foi feito sobre paróquias, escolas, instituições de caridade, organizações comunitárias, grupos de escoteiros e clubes esportivos, mas também governos locais e polícia.

A investigação mostra que 7% dos padres da Austrália são acusados de cometer abuso de crianças a partir de 1950. 
A idade média das vítimas era de 10 anos e meio para as meninas e de pouco mais de 11 anos e meio para os meninos. Ao todo, entre 1980 e 2015, foram apresentadas 4.444 denúncias de casos de pedofilia ocorridos em mais de 1.000 estruturas de propriedade da Igreja Católica.

Os dados foram apresentadas no dia 6 de fevereiro pelo advogado que assiste a Comissão, Gail Furness, que revelou que a Santa Sé negou a possibilidade de entregar os documentos relativos aos sacerdotes australianos acusados de abuso. 

“A Comissão – disse – esperava tomar conhecimento da ação tomada em cada caso, mas a Santa Sé respondeu que ‘não era possível nem apropriado fornecer as informações pedidas’.

Em todo o caso, para o advogado Furness, resta a pergunta sobre por que e como, durante tantas décadas, não foi rasgada essa cortina de silêncio. 

“As vítimas foram ignoradas ou, pior, punidas. As denúncias não foram examinadas. Padres e religiosos foram transferidos, e as paróquias ou comunidades aonde eles foram transferidos não sabiam nada sobre o seu passado. Os documentos não foram conservados ou foram destruídos. Prevaleceram o sigilo e os acobertamentos.”

Até 15% dos sacerdotes em algumas dioceses foram acusados de abusos entre 1950 e 2015. Entre as congregações religiosas, destaca-se a Ordem de São João de Deus, na qual se acredita que quase 40% dos pertencentes se mancharam com abusos. Uma proporção que chegou a 32% dos Irmãos Cristãos e 20% dos Irmãos Maristas.

Esse texto é uma síntese do original, cuja integra se encontra aqui, em tradução para o português de Moisés Sbardelotto feita para o IHU Online. O título acima é de autoria de Paulopes.

Envio de correção.

Grupo de discussão no WhatsApp.




TJs da Austrália acobertaram mais de mil casos de pedofilia


Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Angola vai julgar bispo da Universal por lavagem de dinheiro e associação criminosa

Vaticano investiu por mais de 20 anos em indústria de contraceptivo, diz TV