Pular para o conteúdo principal

Igreja que limpa bolso de fiéis é 'covil de ladrões', diz frei Beto



Em um artigo no qual a maior referência são as igrejas neopentecostais, mas sem citá-las nominalmente, Frei Beto, da ala progressista da Igreja Católica, criticou o “flagrante estelionato” praticado por determinadas religiões.

Templo dessas religiões, escreveu, não passa de um “covil de ladrões”.

Essas religiões cristãs, afirmou, “prometem livrar os fiéis de males através da vulgarização de exorcismos, curas milagrosas e outras panaceias para enganar os incautos”.

Escreveu também que “convencer fiéis a abdicarem de recursos científicos, como a medicina, e de boa parte da renda familiar para sustentar supostos arautos do divino é explorar os efeitos sem alertar para as causas”.

“Já que, no Brasil, milagre é o povão ter acesso ao serviço de saúde de qualidade, haja engodo religioso travestido de milagre.”

Frei Beto acrescentou que essas religiões “reforçam o fundamentalismo, desde o bélico, que considera inimigo todo aquele que não reza pelo seu livro sagrado, até o sutil, como o que discrimina os adeptos de outras tradições religiosas e sataniza os homossexuais e os ateus”.

Católico faz referências aos neopentecostais,
mas sem citá-los nominalmente

Com informação de “O Globo”.



Pastor que se veste de mendigo em culto tem Porsche e Ferrari

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

13 teorias da conspiração sobre o coronavírus. Ou: a bolsa ou a vida?

Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos