Pular para o conteúdo principal

Universidade americana cria cátedra para estudo do ateísmo

A Universidade de Miami anunciou a criação de uma cadeira para o estudo do ateísmo. É a primeira cadeira dos Estados Unidos com foco no ateísmo, humanismo e ética secular.

Empresário Appignani
doou US$ 2,2 milhões
para a nova cadeira
Para tanto, a universidade tem o apoio do empresário aposentado Louis J. Appignani (foto), 83, que doou US$ 2,2 milhões para o empreendimento.

Ele já era um incentivador de causas humanistas e seculares, mas essa iniciativa é a sua maior.

"Eu estou tentando eliminar a discriminação contra ateus", disse Appignani, que vive na Flórida.

"Portanto, este é um passo nessa direção, para fazer o ateísmo legítimo."

O biólogo evolucionista Richard Dawkins disse que a nova cátedra poderá “sacudir as amarras da religião” a partir do estudo da moralidade.

A universidade resistiu em adotar o nome de “ateísmo” à nova cátedra, porque a direção da escola temia a acusação de estar se posicionando contra as religiões.

A sugestão da escola era de que a cátedra se chamasse “naturalismo filosófico”.

Appignani, contudo, se manteve firme. Há pelo menos 15 anos ele tinha a intenção de que o ateísmo merecesse uma cátedra, de acordo com um seu amigo, o professor de filosofia Harvey Siegel.

O empresário foi criado no Bronx por seus pais — italianos católicos.

Ele se tornou descrente quando leu obras do filósofo britânico Bertrand Russel.

Nos Estados Unidos, tem aumento rapidamente o número de pessoas que deixam de ter filiação religiosa, sobretudo entre os mais jovens.

Com informação do New York Times e foto de divulgação.






Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios