Pular para o conteúdo principal

Pós-cristãos fazem secularismo avançar nos Estados Unidos


Cai cada vez mais 
frequência às igrejas

por Cathy Lynn Grossman
para Religion News Service

Se você ficaria desanimado em saber que um em cada cinco norte-americanos (20%) "não tem religião" - pessoas que se dizem sem identidade religiosa específica - prepare-se.

Como soariam 38%?

Isso é o que o pesquisador de religião David Kinnaman calcula quando ele acrescenta "os sem-igreja, os que nunca pertenceram a uma Igreja e os céticos" aos "sem afiliação religiosa".


Ele chama a sua nova categoria de "sem Igreja", o mesmo título que Kinnaman deu ao seu novo livro. Por sua contagem, cerca de quatro em cada 10 pessoas que vivem no território continental dos Estados Unidos são, na verdade, "pós-cristãs" e "essencialmente seculares na crença e na prática".

Se forem perguntados, os "sem igreja" provavelmente marcariam a opção "cristão" em uma pesquisa, mesmo que eles não não tenham chegado perto de uma porta de igreja em anos.

Kinnaman, presidente do Barna Group com sede na Califórnia, agora coloca-os nessa nova categoria com base em 15 categorias de identidade, crença e prática em mais de 23 mil entrevistas realizadas em 20 pesquisas.

O estudo analisou o atendimento e a participação em serviços religiosos, pontos de vista sobre a Bíblia, Deus e Jesus, entre outros, a fim de ver se as pessoas estavam realmente ligadas à vida cristã de uma maneira significativa ou mais por hábito ou história pessoal.

Ed Stetzer, presidente da LifeWay Research, uma vez chamava de "nominais" as pessoas unidas apenas pelo nome - "cristãos de estatísticas". Eles não queriam cortar os laços com os seus pais ou percorrer todo o caminho em direção ao ateísmo, Stetzer disse, "então eles apenas se diziam 'cristãos', pois era a categoria padrão de sua herança".

Kinnaman agora tem os números para comprovar isso.

"Estamos longe de nos tornarmos uma nação ateia", disse ele. "Há dezenas de milhões de crentes ativos nos Estados Unidos atualmente. Mas o muro entre os que vão à Igreja e os sem Igreja está crescendo mais e mais impenetrável à medida que mais pessoas não têm memória muscular do que significa ser um frequentador regular de uma casa de culto".

Como essas pessoas pensam, rezam e usam seu tempo está deslocando-se de uma perspectiva baseada na fé. Como resultado, uma visão de mundo sem igreja ou secular "está se tornando sua própria força social".

Quando os cientistas políticos analisam os resultados das eleições, eles verificam que a frequência à Igreja é cada vez menos útil para prever ou avaliar as atitudes sociais, culturais e políticas. Se você não estiver lidando com pessoas de convicção forte, não há muito impacto.

Stephen Mockabee, professor associado de ciência política na Universidade de Cincinnati, comparou a frequência à Igreja com medicação: "Não é só a droga, mas também a dose que importa".

O sem Igreja podem ser classificados em diversas tribos, de acordo com Kinnaman.

Cerca de um terço (32%) ainda se identificam como cristãos. Eles dizem acreditar em Deus, mas eles não têm certeza quanto às suas conexões religiosas. Kinnaman chama-os de "cristianizados, mas não muito ativos".

Isso pode incluir Katie West de Mount Sterling, Kentucky, ou Mike Wilson, de Webster City, Iowa.

West mantém o rótulo de cristã, porque, disse ela, "Eu sigo ou pelo menos tento seguir os ensinamentos de Cristo". Ela evita os serviços religiosos "a menos que eles sejam parte de um casamento ou funeral", mas se considera "uma pessoa espiritual, sem olhar para a Bíblia".

Wilson trabalha como webmaster para uma Igreja Luterana, mas ele não consegue se lembrar da última vez que participou de um culto de adoração ou de quando foi que leu a Bíblia. Ele marca a opção de "cristão" se é perguntado em uma pesquisa, mesmo que ele se identifique mais com os budistas e com outras filosofias orientais.

"A religião é o ponto de partida para a iluminação, mas em algum ponto você tem que dar aquele salto de fé e fazer o seu relacionamento pessoal com Deus exatamente isso - pessoal", disse Wilson. "Então, se você consegue encontrar uma religião que engloba isso melhor do que o cristianismo, vou chamar-me isso".


Outras "tribos" entre os sem igreja incluem:

• 25% são ateus ou agnósticos. Kinnaman os chama de "céticos". E suas fileiras têm mudado nas últimas duas décadas. O percentual de mulheres é de até 43%, comparados com 16% em 1993. Altamente educadas e mais mainstream do que antes: "este grupo está aqui para ficar", disse ele.

• 27% pertencem a outros grupos religiosos, como judeus ou muçulmanos, ou consideram-se espirituais, mas não religiosos.

• 16% são cristãos - pessoas com uma relação comprometida com Cristo, disse Kinnaman - mas que não vão mais à Igreja.

Kinnaman não prevê nenhuma mudança de rumo. Ele concluiu: "quanto mais nova a geração, mais pós-cristã ela é":

• Geração Y e Z - milenares - (nascidos entre 1984 e 2002): 48%
• Geração X (nascidos entre 1965 e 1983): 40%
• Geração Baby Boomers (nascidos entre 1946 e 1964): 35%
• Mais velhos ou geração silenciosa (nascidos antes de 1946): 28%

Karen King, 52 anos, programadora de horários para uma agência de trânsito local em Mount Vernon, Washington, sabe que seu Estado está entre os menos religiosos da nação. No entanto, entre as multidões seculares, há uma abundância de fieis.

"Eu sei porque eu programo as pessoas para chegar às Igrejas através do sistema Dial-A-Ride [disque uma viagem]. Deve haver 40 ou 50 Igrejas na região de Mount Vernon e proximidades".

E King não vai a nenhuma delas.

Neta de um pastor presbiteriano, King diz que faz mais de 30 anos que ela não vai à Igreja para um culto de adoração. Sua filha, uma milenar e pagã, não vai também.

Embora King ainda pense em si mesma como uma cristã, ela fica com um pé atrás quando se trata de marcas denominacionais. Em vez disso, ela afirma que apenas tenta mostrar o amor.

"Eu faço atos aleatórios de bondade. Eu falo com Deus, quando eu acho que preciso. Eu acho que tenho uma boa conexão com o Deus Mãe e Deus Pai."






Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

MPF recorre no Rio à Justiça para permitir a ‘cura’ de homossexuais

O MPF (Ministério Público Federal) no Rio deu entrada na Justiça a uma ação civil pública para anular a resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) que proíbe os profissionais de prometer “cura” da homossexualidade porque se trata de uma orientação sexual, e não de um transtorno. A iniciativa do MPF coincide com o esforço que lideranças evangélicas, incluindo seus representantes na Câmara dos Deputados, estão fazendo para derrubar essa resolução do conselho. Fábio Aragão, um dos três procuradores que assinam a ação, é evangélico. Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), isso demonstra que o Ministério Público está sendo instrumentalizado pela crença pessoal de um de seus integrantes. “Isso é um erro grave, porque a Justiça deve ser laica”, disse o deputado. “Retomar a discussão sobre a homossexualidade ser ou não uma doença é um absurdo do mesmo tipo que seria retomar a discussão sobre se o sol gira em torno da terra.” Carlos Tufvesson, estilista engajado no movimento de

Prefeito de São Paulo veta a lei que criou o Dia do Orgulho Heterossexual

Kassab inicialmente disse que lei não era homofóbica O prefeito Gilberto Kassab (PSD), na foto,  disse que vai vetar o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo que aprovou o Dia do Orgulho Heterossexual. Trata-se de um recuo porque, na época da aprovação do projeto, ele disse que a nova data não tinha caráter homofóbico. Agora, Kassab disse que se trata de uma medida “despropositada”, conforme entrevista que deu ao jornal Agora São Paulo. "O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar", disse. O prefeito falou haver somente sentido em datas que estimulem “a tolerância e a paz” em relação, por exemplo, a mulheres e negros e minorias que são vítimas de ofensas e brutalidades. Na campanha de 2008 da eleição municipal, a propaganda na TV de Marta Suplicy (PT) chegou a insinuar que o então seu adversário Kassab era gay, embora ela ti

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça

Russas podem pegar até 7 anos de prisão por protesto em catedral

Protesto das roqueiras Y ekaterina Samutsevich, Nadezhda  Tolokonnikova  e Maria Alyokhina durou apenas 1m52 por Juliana Sayuri para Estadão Um protesto de 1 minuto e 52 segundos no dia 21 de fevereiro [vídeo abaixo]. Por esse fato três roqueiras russas podem pagar até 7 anos de prisão. Isso porque o palco escolhido para a performance foi a Catedral de Cristo Salvador de Moscou. No altar, as garotas da banda Pussy Riot tocaram a prece punk Holy Shit , que intercala hinos religiosos com versos diabólicos como Virgin Mary, hash Putin away . Enquanto umas arranhavam nervosos riffs de guitarra, outras saltitavam, faziam o sinal da cruz e dançavam cancã como possuídas. As freiras ficaram escandalizadas. Os guardas, perdidos. Agora as rebeldes Yekaterina Samutsevich  (foto), Nadezhda Tolokonnikova (foto) e  Maria Alyokhina (foto) e  ocupam o banco dos réus no tribunal Khamovnichesky de Moscou, acusadas de vandalismo e ódio religioso. Na catedral, assim como noutras manifes