Budismo light: uma religião sustentável que nada sustenta

Título original: Religião sustentável

por Luiz Felipe Pondé
para Folha

Nietzsche identificou
 o ressentimento como
marca religiosa
Recebemos, recentemente, a visita do líder religioso budista tibetano Dalai Lama. Os iniciados tiveram surtos místicos? 

Nada contra ele. De fato, o líder budista tem uma imagem positiva no Ocidente, ao contrário do papa Bento 16, que é visto como conservador. 

O Dalai Lama defende tudo que gente legal defende: o verde, a tolerância com o "outro", um capitalismo do bem, enfim, uma religião sustentável nos termos que ocidentais que migram pra religiões orientais costumam gostar, ou seja, de baixo comprometimento religioso. Além de, nela, não ter nenhum parente chato. 

Uma religião sustentável é uma religião na qual ninguém tem de sustentar nada além de uma dieta balanceada, uma bike legal e um pouco de meditação durante a semana. De empresários "do bem" aos falantes da língua tibetana, muita gente correu pra ouvir essa sabedoria "estrangeira". 

Religiões são sistemas de sentido. A vida, aparentemente sem muito sentido, precisa de tais sistemas. A profissão pode ser um. A dedicação aos filhos, outro. A história, a natureza, grana também serve. Enfim, muita coisa pode dar sentido a uma existência precária como a nossa, mas nada se compara a uma religião.
 
Para funcionar, as religiões têm de garantir crenças e constranger comportamentos a partir de liturgias, mitos, exercícios de poder sacerdotais e regras cotidianas munidas de "sentido cósmico". 

Você não "acessa" o sentido oferecido sem "pagar", com a própria adesão, o pacote completo. Isso serve para o catolicismo e para o budismo, ao contrário do que pensa nossa vã filosofia "nova era". No Oriente, o budismo é uma religião como qualquer outra, cheia de vícios e abusos. 

A crítica à religião no Ocidente passou pela mão de grandes pensadores. Freud disse que religiosos são obsessivos que não sobreviveram bem à falta de amor incondicional da mãe e à miserável castração do pai verdadeiro, daí creem num Deus todo-poderoso que os ama. 

Nietzsche identificou o ressentimento como marca dos religiosos que são todos uns covardes. Feuerbach sacou que Jesus é a projeção alienante de nosso próprio potencial. 

Marx acrescentou que essa alienação é concreta e que se ganha dinheiro com isso. 

Enfim: o religioso é um retardado, ressentido, alienado e pobre, porque gasta dinheiro com o que não deve, a saber, os "profissionais de Deus". 

O que eu acho hilário é como muito "inteligentinho" acha que o budismo seja uma religião diferente das "nossas". 

Ela seria sem "vícios" e "imposições". Pensam, em sua visão infantil das religiões orientais, que dramas sexuais só afetam celibatários de Jesus e não os de Buda, e que o budismo, por exemplo, é "legal", porque não tem a noção de pecado. 

O budismo ocidental que cultua o Dalai Lama é o que eu chamo de budismo light. O perfil desse budista light é basicamente o seguinte. 

Vem de classe social elevada, fala línguas estrangeiras, é cosmopolita, se acha melhor do que os outros (apesar de mentir que não se acha melhor, claro), tem formação superior, mora na zona oeste ou na zona de sul de São Paulo, come alimentos orgânicos (caríssimos) e é altamente orientado para assuntos de saúde do corpo (um ganancioso com a vida, claro). 

E, acima de tudo, acha sua religião de origem (judaísmo ou catolicismo, grosso modo) "medieval", dominada pelo interesse econômico, e sempre muito autoritária. 

Na realidade, as causas da migração para o budismo light costumam ser um avô judeu opressivo, uma freira chata e feia na escola e uma revolta básica contra os pais. 

Em extremos, a recusa em arrumar o quarto quando adolescente ou um escândalo de pedofilia na Igreja Católica. Além da preguiça de frequentar cultos e de ter obrigações religiosas. 

Enfim, essas são a bases reais mais comuns da adesão ao budismo light, claro, associadas à dificuldade de ser simplesmente ateu. 

A busca por uma espiritualidade light é como a busca por uma marca de jeans, uma pousadinha numa praia deserta no Nordeste ou um restaurante de comida étnica da moda.
 
A espiritualidade do budismo light é semelhante a uma Louis Vuitton falsa. Brega.





Uso da palavra 'energia' expressa delírios religiosos
maio de 2010

Artigos de Luiz Felipe Pondé.


Comentários

  1. Não sei qual é a tara que essas pessoas, que querem dar uma de inteligente, como o Pondé, tem pela Europa, pela sua cultura e pelos seus costumes. Parece até aquela ideia de brasileiro de querer tirar onda viajando para a Europa.
    Queria saber o que a Europa fez de bom, se a sua cultura mais parece um castigo.
    Prefiro até aos norte-americanos, com sua cultura pós-metafísica, de contação de histórias. Prefiro pensar que tudo não passa de histórias que nos contam a acreditar que há um 'fio condutor' da história.
    Por que será que a cultura e a filosofia europeias parecem tanto com essas torturas religiosas, hein?

    ResponderExcluir
  2. Pondé é a reencarnação de Luis Felipe Scolari nota -se perfeitamente a semelhança!

    ResponderExcluir
  3. "Vem de classe social elevada, fala línguas estrangeiras, é cosmopolita, se acha melhor do que os outros (apesar de mentir que não se acha melhor, claro), tem formação superior, mora na zona oeste ou na zona de sul de São Paulo, come alimentos orgânicos (caríssimos) e é altamente orientado para assuntos de saúde do corpo (um ganancioso com a vida, claro)."
    Sem evidência alguma para suportar o que diz.

    "E, acima de tudo, acha sua religião de origem (judaísmo ou catolicismo, grosso modo) "medieval", dominada pelo interesse econômico, e sempre muito autoritária."
    Novamente sem evidência.

    "Na realidade, as causas da migração para o budismo light costumam ser um avô judeu opressivo, uma freira chata e feia na escola e uma revolta básica contra os pais."
    Mais uma vez.

    "Enfim, essas são a bases reais mais comuns da adesão ao budismo light, claro, associadas à dificuldade de ser simplesmente ateu."
    Bases reais? E as evidências, Pondé?

    Resumindo o texto: "Eu não gosto do budismo; budistas são burgueses safados e revoltados que fingem se preocupar com os outros; o cristianismo é a melhor religião."

    Como esse cara consegue uma coluna na Folha? Só fala M.

    ResponderExcluir
  4. Mais uma provocação do Pondé. Tem gente que ainda cai nessa. Deve ser divertida a vida dele, provocando irritadinhos e contando o dinheiro que ganha da folha de SP. A coluna dele tem um objetivo óbvio, que é incomodar. Superficialidades à parte, quando visto de maneira "light", o texto é divertido. Para quem olha com radar filosófico, obviamente fica a desejar.

    ResponderExcluir
  5. Primeiro artigo dele que gostei. Religião light não existe.

    ResponderExcluir
  6. Como usual, para Pondé, muito bom texto. Ele sempre coloca o dedo nas muitas feridas, para não dizer cânceres fétidos, desses bacaninhas anticristãos ou ateuzinhos convencidos, geralmente, esquerdistas ou simpatizantes (esses dinossauros!), que se acham o máximo. E depois ficam eles todos incomodadinhos e agitadinhos.

    ResponderExcluir
  7. Concordo com o Luciano. Ele escreve umas bobagens com algum fundamento real, mas colocando também muuuito de seus próprios preconceitos. Aí embolsa o dinheiro da Folha e fica assistindo de camarote enquanto a galera desce o malho nele. Malandro, esse Pondé!

    ResponderExcluir
  8. Pondé está preso a seu estilo "filha da puta" para se manter polêmico. Adota a postura "vou adotar o contrassenso comum, para provocar". O problema é que isso acaba limitando a sua liberdade de escrita. Ele não pode agora mudar seu estilo, precisa manter o mesmo tom em todos os seus artigos.
    Isso não funciona muito bem algumas vezes, outras sim, porque os argumentos são escolhidos exclusivamente pelo seu poder de choque, o léxico pelo impacto grosseiro. Por exemplo, o texto dele "Vai encarar" sobre o aborto não funcionou, não se sustenta.
    Mas esse texto aqui, esse sim, esse ficou muito bom, porque o estilo agressivo casa bem para polemizar a religiosidade. É seu contraponto natural.
    Gostei desse.

    ResponderExcluir
  9. Sou de uma religião oriental e não tive nenhuma freira feia e chata a me incomodar na infância, não sou de são paulo e não tenho grana para gastar com alimentos orgânicos xD sou fora do padrão dele

    Voltando ao assunto sério, gostaria de saber de onde ele tira esse tipo de informação.

    ResponderExcluir
  10. Pelo que li super superficialmente este textículo foi/é dirigido aos agnósticos, um tipo de quase ateu, mas sem convicção alguma...nem ao menos vou comentar. Gostei do comentário do anônimo das 10:33 (tirando o último parágrafo).

    ResponderExcluir
  11. Aleatório,
    Ele foi bem grosso e superficial.Mas esse perfil de budista existe SIM em S.Paulo.Mais ou menos como ele citou.Minha irmã de sangue, por exemplo, é uma.

    ResponderExcluir
  12. O tal caminho do meio Budista não tem nada a ver com agnosticismo, se é o que você pensou, Charles. Esse conceito é fixo, tão fixo como a simples crença ou descrença.

    Se fosse possível medir crença, poderia-se dizer que o Agnóstico transita entre um valor maior que 0% e um valor menor que 100%. Assim, considerando somente números inteiros, há noventa e nove tipos de Agnósticos. E nessa faixa de crença/descrença, muitos fazem, sim experiências. Mas é tudo em prol de adquirir conhecimento.

    ResponderExcluir
  13. Acho estranho o pessoal aqui ficar não parar de reclamar que fica tentando encontrar algum grão de teor filosófico nos textos do Pondé, quando sabe que ele claramente se atem aos limites e objetivos de uma coluna de jornal, que é completamente diferente das aulas que ele ministra em universidades, ou nos escritos propositadamente filosóficos que seu pós-doutorado em fislosofia e teologia lhe permite consistencia acadêmica de elaborar.

    ResponderExcluir
  14. Primeiro, eu acho que todas as críticas ao Pondé feitas aqui estão corretas, ele realmente procura a polêmica, escreve de forma a causar o máximo de impacto (ofensivo) e reação, e usa de agressividade sempre que possível.

    Entretanto, em algumas de suas colocações, ele acaba acertando (metralhadoras giratórias acabam acertando algo, embora desperdicem muita munição..:-).

    Como notou o Rodrigo, não existem religiões "light", ou no mínimo, são incoerentes com a base de uma religião, a origem de suas verdades e certezas.

    Eu, pessoalmente, me simpatizo bastante com o Budismo, como filosofia de vida. Entretanto, formas extremas de budismo também existem, inclusive a adoração do "Buda Amida", que envolve assassinatos rituais e violentos.

    No fundo, todo abrandamento das religiões se deve ao mesmo fator que Pondè critica no texto, a compreensão das sociedades, dos indivíduos, de que as alegações religiosas não fazem sentido, não se justificam, não se sustentam, frente aos novos conhecimentos, posturas, regras, morais, éticas, etc.

    A fé religiosa exige, em algum momento, em alguma medida, uma crença em algo improvável, sem evidências, ou base. E exige que se façam escolhas, adotem diretrizes, comportamentos, a partir dessa crença.

    Se em alguns casos essas escolhas assim determinadas parecem "boas", decentes, justas, razoáveis, etc, é acidental e acessório. O que importa é que sua origem é sobrenatural, divina, sagrada, não passível de argumentação ou reflexão contestatória.

    Esse é o aspecto daninho de religiões, não os desdobramentos da mesma.

    Pensemos no objetivo máximo do budismo, a total ausência do desejo, do querer, da expectativa, das emoções. O Nirvana sem identidade.

    Isso envolve, por exemplo, não sentir mais nenhuma emoção, o que inclui tanto o ódio, o que é bom, quanto o amor, o que não é tão bom assim.

    Idealmente, deveríamos nem mesmo sentir a dor da perda de um ente querido, para atingir o Nirvana.

    Não vejo como isso seja algo "desejável" ou virtuoso. Eu não gostaria de atingir esse nível de "iluminação", em que eu nada sentiria por minha filha, família, amigos, etc.

    E Pondé acerta também sobre o sentido que damos a vida, que escolhemos dar a uma vida que não tem um sentido absoluto ou cósmico. Pode ser o trabalho de uma vida a ajudar a melhorar nossa sociedade, pode ser a dedicação e o amor a filhos e familiares, e pode ser a dedicação a um ente imaginário que nos conforta.

    Cada um escolhe qual o sentido que deseja dar a sua vida.

    Cognite Tute

    ResponderExcluir
  15. Anônimo das 12:44, então deixe assim...leitores reclamando, fãs do Pondé o louvando...ninguém aqui procura verdades , apenas opinamos.

    ResponderExcluir
  16. Ouvi de uns "místicos" hardcore que as religiões orientais que chegam no ocidente seriam a versão equivalente das igrejas neopentecostais do cristianismo.

    ResponderExcluir
  17. o texto é uma porcaria, o que eu achei bom, foi só a verdade que ele disse sobre o budismo.
    hahahaha engraçado, lendo um livro do Nietsche, ele tece elogios ao budismo só pra atacar o cristianismo, e Freud, Freud era um fafaram malandro, pensar como ele pensava , ate um porco pensa.

    izaque

    ResponderExcluir
  18. Atenção: não alimentem os trolls!

    ResponderExcluir
  19. Esse texto tem o mesmo nivel intelectual de um texto que considera ateismo fruto de uma revolta adolescente.

    O autor claramente não conhece as várias vertentes do budismo. Parece desconhecer, por exemplo, o budismo theravada, cuja unicas afirmações misticas são as crenças na roda de reencarnações, e no karma.

    Sem nenhuma divindade, sem nenhuma entidade mistica superior ou inferior, este budismo joga no próprio individuo todos os méritos e desmeritos morais.

    E o autor procura ridicularizar usando argumentos estúpidos e genericos( "mora na zona nao sei o q de são paulo").

    E não o budismo não tem como objetivo maximo exterminar todos os sentimentos humanos. Apenas exterminar os desejos, principalmente os irreais. Não prega que não devemos gostar de nossos parentes, mas devemos sempre lembrar que eles irão morrer, irão envelhecer, mudar para longe, e desejar que nada mude é o caminho para o sofrimento.

    Se o autor do texto, como disseram acima, é um filósofo, ele realmente demonstra ser idiota ou possuir um péssimo carater.

    ResponderExcluir
  20. Atenção: não alimentem os trolls! (2)

    Cognite Tute

    ResponderExcluir
  21. Anonimo: "E não o budismo não tem como objetivo maximo exterminar todos os sentimentos humanos. Apenas exterminar os desejos, principalmente os irreais. Não prega que não devemos gostar de nossos parentes, mas devemos sempre lembrar que eles irão morrer, irão envelhecer, mudar para longe, e desejar que nada mude é o caminho para o sofrimento. "

    Tem razão sobre o budismo não pregar a eliminação dos sentimentos, mas se eliminamos os desejos, expectativas incluídas, os sentimentos vão junto.

    Desejar a felicidade de minha filha, por exemplo. É um desejo, que se não cumprido, me fará sofrer.

    Entendo a questão da mudança, mas mudar para longe, e sofrer um derrame e ficar paralisado são coisas distintas. Posso superar a primeira, sem muita dor, em especial se penso em como ela será feliz nessa nova etapa, mas não posso superar, deixar de sentir dor, e desejar que melhore, no caso da segunda.

    Em termos da crença budista, todo sofrimento deriva de desejos. Todo. O que inclui o sofrer por outros, não?

    Mesmo a alegação de que apenas os desejos "irreais" devem ser eliminados tem problemas. Como determinar quais seriam irreais, e quais não? Qual o parâmetro?

    Toda e qualquer crença religiosa pode alegar que está fazendo, se propondo a fazer, exatamente isso. Católicos podem alegar (e alegam) que o único desejo "real" é ser salvo e ir para o céu, todos os outros são "irreais", mundanos, passageiros.

    Como filosofia de vida, ou mesmo filosofia apenas, o budismo é muito interessante, e enriquecedor. Como religião, e muitos o seguem como religião, tem os mesmos problemas de toda religião, pelo menos parte deles.

    Foi por isso que considerei que, embora Pondè seja um polemizador profissional, um encrenqueiro nato, e seu texto esteja cheio de bobagens (como quem nasceu onde e coisas do tipo), ele acerta nesse ponto, se tomado como religião, mesmo o budismo apresenta os problemas de uma religião.

    Por exemplo, não há evidências de uma roda de reencarnações, ou de outra vida além dessa. Eu poderia escolher viver "como se houvessem", tentando fazer desta vida algo melhor, uma vida mais correta, dentro do que meus princípios e razão humanos determinarem.

    Mas se eu acreditar nisso, no sentido de ter fé religiosa nessa existências inverificáveis, trarei de volta os problemas que a crença religiosa causa.

    Por exemplo, se alguém que eu amo decidir viver de forma que eu pense ser incorreta, e com isso se colocando em posição em que reencarnará em outra vida com mais dor e sofrimento, isso me fara sofrer. E me fará tentar "trazer" essa pessoa para minha crença.

    A intensidade com que farei isso, ou coo que sofrerei por isso, determinará o dano ou mal que poderei causar como decorrência.

    Eu nunca entendi como pessoas religiosas, por exemplo católicas, vivem sabendo/acreditando que a maioria das pessoas que conhece e ama, mas não são católicas, irão para uma eternidade de dor e sofrimento, sem se posicionarem criticamente com o causador dessa dor.

    Cognite Tute

    ResponderExcluir
  22. Pondé fazendo a polêmica "da night", sempre!

    ResponderExcluir
  23. Na minha modesta opinião, o Pondé colunista já deu o que tinha que dar, pode parar por aqui e continuar dando suas aulas, escrevendo seus ensaios, dando suas palestras etc., que vai ser melhor pra todo mundo. Na Folha ele já está chato de doer.

    ResponderExcluir
  24. Tadinho do Pondé, ficou tão afetado com a visita do Dalai Lama. Conhece tão pouco do Budismo e dos budistas e acha que já pode descascar um fundamentalismo tão rasteiro. Brega é a intolerância. É chato não ter o que falar, mas se ele quisesse criticar poderia ter feito algo melhor. No entanto, a preguiça de pesquisar com mais profundidade não deixou. Poderia aqui dizer que isso é típico dos jornalistas da Folha que querem transformar uma simples crônica numa epifania. Porém, sei que isso é generalização. Existem bons jornalistas na Folha. Infelizmente, existe esse exemplo típico da velha imprensa, que gosta de aparentar saber aquilo que não sabe.

    ResponderExcluir
  25. O Dalai Lama (que já se disse meio marxista, meio budista) não prega um capitalismo light, assim como jamais pregaria um budismo light.
    Não dá para praticar o budismo "só um pouquinho", ou "só quando convêm", a mesma coisa é válida para qualquer religião. O que não quer dizer que devemos ser extremistas, mas que devemos entender o sentido radical de cada religião.
    Eu acho que o budismo no ocidente é envolvido pela mentalidade ocidental, a lógica do "ou é ou não é" e um pouco de moda. Porém, cabe à cada budista e cada comunidade encontrarem o seu caminho sem jamais deixar sua religião ser cooptada pelo o que há de pior na nossa cultural global, como o capitalismo.
    Esse artigo do Pondé é superficial por fazer uma observação de um problema e não discutir suas causas.

    ResponderExcluir
  26. o que ele aponta aqui é a não profundidade dessa nossa classe média medrosa, sem identidade, perdida na pós modernidade aderindo a tudo que aparece em "slogans e mershans"...
    independente de olhar essa coluna num olhar clínico filosófico ou sob uma ótica comum, há a evidência de que nosso desepero humano nunca muda... somos miseráveis... e o light é o miserável que tenta mentir sua própria condição na idéia pop art de aparecer bonitinho ganhando notoriedade sem o mínimo de esforço possível...

    bebezinhos que não olharam pra si ainda, não discerniram seus próprios demônios iludidos com o mundo simbólico que estamos inseridos...

    vamos lá gente... vamos ler um pouco mais...

    ResponderExcluir
  27. É por aí mesmo, pessoal. Coluna de jornal é curta, o sujeito não pode aprofundar. Quem iria ler um texto com complexidade filosófica em jornal? Meia dúzia. Nada contra a meia dúzia, mas esse pessoal tem os livros pra se informar e a academia pra se manifestar e se matar, se for o caso. O Pondé cutuca, cai na dele quem quer. Não li seus livros, ainda pretendo. Pelo que escreveram acima as aulas dele são boas...quer dizer, isso depende da orientação de cada um, mas ao que parece é filosofia. Achei interessante a discussão hoje, o pessoal que se manifestou é menos radical que de costume, quando se comenta Pondé.

    ResponderExcluir
  28. Esse cara é uma espécie de Diogo Mainardi dos ignorantes,pensa que é intelectual, nem sabe que não sabe do que está falando

    ResponderExcluir
  29. o grande problema é essa postura de alguns leitores de "rebatedor"... uma espécie de pensamento que não consegue utilizar de alteridade frente a certas questões levantadas por quem realmente se propõe a questionar paradigmas (mesmo que sarcasticamente).
    Quantos leem o Pondé e vão atrás de pelo menos decifrar um pouco das referências que ele deixa pelos textos?
    O problema da crença é essa absolutez rancorosa que se fantasia de virtude... que medita a crédito suas vidas vazias imaginando um céu que não existe...

    E sabe qual a pior das crenças? é a de se sentir "sabido" no meio dos "ignorantes" sem refletir sobre a sua própria insignificância... formigas que leem Mainardi, assinam época, veja e blablabla e quando colocam a cabeça no travesseiro pela noite vivenciam as mesmas angústias de qualquer ser mortal na face da terra. A angústia de ser um escravo da própria dor camuflada de "bem estar" que necessita de muletas e totens o tempo todo para se manter em pé enquanto as coisas que realmente nos circunscrevem vão ditando as regras... mas isso talvez deva ser meio abstrato para sedentos por mundos imaginários e pragmáticos em suas ausências...

    ResponderExcluir
  30. Todos esses comentarios me deixaram ainda mais confusa ...procurando uma igreja, um lugar de paz , e só ouço falar mal de todas!!!! Acho que ficarei com minha fé em Deus em casa mesmo rsrs O que voces acham???

    ResponderExcluir
  31. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  32. Calma budistas sérios, autênticos e verdadeiros. O Pondé não escreveu sobre o Budismo, como religião, mas sobre um certo budismo ocidentalizado e reciclado (que ele chama de light), recauchutado mesmo, brega mesmo e que, de modo geral, está bem descrito e caracterizado, se considerarmos o tipo médio que aderiu a ele em São Paulo. Faz tempo que o Pondé critica esse tipo de budismo light , mas dessa vez ele caprichou na descrição dele, como nunca antes havia feito. Legal e interessante. Acho ótima essa associação entre esse budismo light brega e o cristianismo neopentecostal (ambos em relação, respectivamente, ao budismo oriental de raiz e o cristianismo clássico - católico ou protestante).

    ResponderExcluir
  33. Adoro o estilo GRUNGE de escrever do Pondé. PÚNK!!!

    ResponderExcluir
  34. Fernando Ribeiro, você deveria subir o cume mais alto do planeta e ficar lá sentado, isolado dos demais mortais, admirando sua inteligência. Aliás, seu texto é muito pedante.

    ResponderExcluir
  35. esse texto carrega um alto teor de intolerância... que pena, gostei muito das outra publicações.
    Motivos não faltam para que as pessoas se revoltem contra o cristianismo e escolham outra religião a seguir

    ResponderExcluir
  36. Não gosta dos textos do Pondé?
    Vá ler o tripitaka.
    Deixe o cara fazer o trabalho dele, que aliás adoro e sigo religiosamente!

    ResponderExcluir
  37. Juracir


    essa é uma grande característica da crendice infantil... apontar o dedo para os vícios dos outros sem se perceber viciado na mesma teia pragmática dos sentidos... podemos cunhar de "intelectual do bem" conforme o próprio pondé...

    não se constrói com senso crítico aquele preso no senso comum de conduta com pensamento afiliado ao conceito de bondadesinha comunitária...

    olha, "isolado do mortais", não... mas sim combatendo crinçolas que ramificam esperanças na terrinha do nunca...

    o pedantismo muitas vezes pode significar um método, mas isso Alê e Cognitute se mostram em melhores condições de análise.

    ResponderExcluir
  38. O ressentimento é contra os religiosos, ou contra os cidadãos nascidos na classe à qual todos gostariam de pertencer, mesmo não tendo nela nascido? A crítica, para ser pertinente e radical, seria dirigida aos cidadãos cosmopolitas, poliglotas, gananciosos pela vida, que optaram pelo budismo, ou pelo catolicismo? Não há cidadãos gananciosos pela vida, lights, fluentes em vários idiomas, ricos, no catolicismo? O papa também não é um ícone do consenso ético universal, que finge ignorar o poder acadêmico singular que possui a Igreja?
    Esse Pondé é realmente um retrato fiel, uma cópia sépia, da intelectualidade acadêmica brasileira! Que sujeito mais colonizado, com pregão anticolonialista! Dize-me o que apregoas, e eu dir-te-ei o que te falta!
    Para ficar um texto acadêmico, bem na base da citação e compilação...Eu vou parafrasear: Muito inteligentinho acha que A ACADEMIA SEJA DIFERENTE das outras religiões...kkkkk, ora, ora, cardeal Pondé, desde quando eras aspirante, dpois postulante, noviço, e passaste por todas aquelas inciações...eu te conheço!
    Teu sonho era o cardinalato, como todo pobre arrivista, carreirista e oportunista!
    Faze o favor! Assume teu catolicismo de PhD. e continua sonhando com o papado da livre docência universal...Por "in pectoris", obviamente, porque enquanto na Folha és um trator...no lattes tás magrinho , magrinho, como um arado nacional.

    ResponderExcluir
  39. Serio, tem umas comentarios aqui que sao extremamente chatos. O individuo quer que o autor escreva um texto de meia pagina, sobre sua opiniao sobre um tema controverso, em linguagem informal, sem buracos filosoficos e teologicos ou sem expressar os seus proprios preconceitos. Ah, fala serio.
    - Existe um budismo na guine que nao tem nada de new wave.
    - Minha tia-avo eh budista radical da seita esquecida do japao e faz tudo como manda o figurino e ela tem amiga freira.
    - Eu era judeu, mas hoje vou todo dia a templo budista e vejo energia e eh serio.
    Muito chato.

    ResponderExcluir
  40. Eu particularmente não vejo nenhum problema em assumir posturas conservadoras, aliás nossos escritores, que mantém certa posição são deixados de lado. Exemplo, muitos nunca estudaram os pensamentos de Plinio Salgado, Gustavo Barroso, Plinio Correia etc... apenas aprendemos a mesma baboseira de sempre, as mesmas opiniões... somos vitimas de uma retórica constante.

    ResponderExcluir
  41. Pondé poderia escrever um texto sobre a covardia dos religiosos em se assumir, como esse covardes que põem anonimo em sua identificação.
    Isso é realmente brega, afinal o homem de Deus não deve nega-lo.

    ResponderExcluir
  42. Pondé sempre acerta "na veia". Prova disso são os vários ressentidos que o atacam. Parabéns.

    ResponderExcluir
  43. É interessante como algumas pessoas ainda se incomodam e até se ofendem com quem emite o seu ponto de vista. Vivemos em um Estado laico, muito embora necessitemos sempre lembrar este aspecto.Pondé está, bem ou mal, expondo o seu pensamento. Apenas isso. Felizmente não é unanimidade. Eu acho muito interessante seus questionamentos principalmente quando critica os chamados "politicamente corretos". O Brasil está cheio destes idiotas metidos a intelectuais.

    ResponderExcluir
  44. REVELAÇÃO/EXORTAÇÃO
    Urge propagarmos a certeza de que Jesus Cristo já vive espiritualmente na terra pelejando por nós, espargindo a luz do saber em sí, criando Irmãos Espirituais, e a nova era Cristã. Eu não minto, e a Espiritualidade que esperava pela sua volta, pode comprovar que digo a verdade original da eternidade:. E por princípio da nossa sublimação, basta recompormos as 77 letras e os 5 sinais que compõe o título do 1º. livro bíblico, assim: O PRIMEIRO LIVRO DE MOISÉS CHAMADO GÊNESIS: A CRIAÇÃO DOS CÉUS E DA TERRA E DE TUDO O QUE NÊLES HÁ: Agora, pois, todos já podem ver que: HÁ UM HOMEM LENDO AS VERDADES DO SEU ESPÍRITO: ÊLE É O GÊNIO CRIADOR QUE ESSA AÇÃO DE CRISTO: (LC.4.21) – Então passou Jesus a dizer-lhes: Hoje se cumpriu a escritura que acabais de ouvir: (JB.14.17) – O Espírito da verdade que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem conhece, vós o conheceis; porque Ele habita convosco e estará em vós.(MT.14.27) – Tende ânimo! Sou Eu: Não temais: (JB.2.5) – Fazei tudo o que Ele vos disser, (JB.5.27) – porque é o Filho do Homem: (JÓ.9.19) – Se se trata da força do poderoso Ele dirá: Eis-me aqui: (JÓ.33.2) – Passo agora a falar, em minha boca fala a língua:Regozijai-vos e fazei jus ao poder que o Nosso Espírito traz às Almas Justas, para a formação da verdadeira Cristandade.

    (MT.26.24) – O FILHO DO HOMEM VAI, COMO ESTÁ ESCRITO A SEU RESPEITO, MAS AI DAQUELE POR INTERMÉDIO DE QUEM O FILHO DO HOMEM ESTÁ SENDO TRAIDO! MELHOR LHE FÔRA NÃO HAVER NASCIDO:

    E, ao recompormos as 130 letras e os 7 sinais que compõem esse texto, todos já podem ler, saber, e entender quem é o Filho do Homem:

    E O FILHO DO HOMEM É O ESPÍRITO QUE TESTA AS ALMAS DO HOMEM E DA MULHER, NA VERDADE DO SENHOR, COMO CRISTO: E EIS A PROVA QUE O FILHO DO HOMEM FOI TREINADO NA LEI CRISTÃ:

    DESPERTAI-VOS, FUTUROS CRISTÃOS: : (MC.14.41) – Ainda dormis e repousais! Basta! Chegou a hora, o Filho do Homem está sendo entregue nas mãos dos pecadores: E à partir desse Santo Dia, toda Criatura racional que desejar interagir conosco na obra comum da nossa criação, precisa fundamentar-se n`A Bibliogênese de Israel; que já está disponível na internet, no portal Amazon, e em todas as boas livrarias: E quem não quiser, pode continuar vivendo de esperança vã, assistindo passivamente a agonia da vida terrena, à par da auto-destruição do nosso planeta...

    ResponderExcluir
  45. Convivi muito de perto com bujus e new budistas paulistas. São exatamente como o texto do Pondé.

    ResponderExcluir
  46. Com a desculpa de espalhar o budismo pelo mundo, os japoneses invadiram todo o oriente durante a segunda guerra mundial, cometendo atrocidades terríveis - Saqueando, estuprando, exterminando populações inteiras dos países invadidos. Em nome da fé induísta, os indianos cometem até hoje o crime hediondo de separar as pessoas em castas, proibindo a mobilidade social e forçando crianças recém-nascidas à escravidão. Religião é tudo igual; só muda o endereço.

    Concordo plenamente com Christopher Hitchens quando ele diz em seu livro "deus Não É Grande" que não existe o "caminho oriental". A seguir, um relato de uma turista de como era a teocracia budista do Tibet em 1959, sob o governo do jovem Dalai Lama Tenzin Gyatso (este mesmo que hoje escreve livros de auto-ajuda e posa de iluminado):

    "Alguns monastérios tinham suas próprias prisões, reporta Anna Louise Strong. Em 1959 ela visitou uma exposição de instrumentos de tortura usados pelos líderes tibetanos. Havia algemas de todos os tamanhos, incluindo pequenas para crianças, instrumentos para cortar narizes e orelhas, e para amputar mãos. Para vazar olhos havia um capuz de pedra com dois buracos, que era prensado sobre a cabeça de modo que os olhos saltassem para fora pelos buracos e pudessem ser facilmente arrancados. Havia instrumentos para arrancar rótulas de joelhos e calcanhares e para cortar tendões de pernas, aleijando o prisioneiro. Havia ferros quentes de marcar, chicotes e instrumentos desenhados para estripar." http://www.swans.com/library/art9/mparen01.html

    ResponderExcluir
  47. Eu sou "budista-light".
    Vou muito bem,obrigada.
    Não fui bruxa na outra vida.
    Nunca precisei "querer ter sido outra pessoa" para saber o que significa passar por alguns apuros.

    Todos já tiveram na entresafra das vidas,dias de glória,e dias ruins,mas os dias de glória são os mais lembrados,porque a vida do momento presente,já nos parece meio dura,para ainda precisarmos "lembrar" do que não prestou.
    Se para morrer basta estar vivo,para sofrer,também basta estar vivo.
    Isso não é nenhum privilégio.

    Encontrei esses artigos(sobre as bruxas também) por acidente,e os li.
    Não me lembro de já ter falado para algum religioso cristão o que fazer.
    Mas,vez por outra,encontro tipos querendo dizer o que eu "podia ou não podia fazer" e querendo determinar até em que devo pensar.
    Como devo me sentir,quais devem ser minhas prioridades, o que posso desejar ou não.

    Eu poderia contar boas histórias sobre meu "budismo light",do qual fiquei afastada por muito tempo e com o qual me reabilitei recentemente.
    Isso devido a influência de um(a) católico(a) do tipo do Pondé.
    Que veio tentar me dizer o que eu deveria fazer da minha vida.
    Tentou me "dar um nó" no meu cérebro,comentando questões que todas as pessoas,consideram de "foro íntimo".
    Eu mereci isso,pois ninguém me mandou ir na palestra dessa pessoa.

    Dricada de verdade, rumei de novo,para minha "casa antiga".
    Onde ao menos,tenho uma certa promessa de liberdade de consciência.
    O Budismo é que nem toda religião,e sua homenagem à pobreza econômica,por ex,é um erro.
    Mas,ao menos lá, eu tenho a promessa de manter minha autointegridade.
    Sabem,nunca fui elogiada por minhas atitudes "ecológicas".
    Mas,não páram,hoje em dia,de me aborrecerem com a história das sacolinhas plásticas,haja paciência.

    Normalmente,sou calminha para falar,que nem toda budista.
    Decidi "me exaltar" agora,porque considero meu dever fazer um senhor desses,e fazer tantos outros semelhantes(eu conheço alguns assim) entenderem como as pessoas se sentem.
    Quero poder pensar,querer,desejar,acreditar,no que eu desejar-assim como defendo para todo mundo,a mesma liberdade.
    Não estou me expondo a julgamentos.

    É de pouco interesse saber o que nos levou a nos tornarmos budistas.
    O direito de religião,está assegurado pelas leis.
    O direito à "própria alma" está assegurado por todas as versões de Deus que existem.
    Eu já disse ao sr.Pondé,quase um ano atrás,que ele é um esotérico,tipo,
    ...o frei Leonardo Boff.
    Ao menos, o frei Leonardo,é um "quase santo"- o sr.Pondé pretende ser filósofo(não sei do que,mas pretende)

    Como a perfeição não me está acessível,
    me despeço não com uma deferência,mas com um "estou indo embora agora mesmo".
    Fiquem na boa companhia agradável do ..."amigo de vocês".

    °°°°°°°°°°°°°°°°

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade,não sou uma "budista light" e meu apelido,foi provocação.
      Sou mesmo uma religiosa tradicional,e "árida".
      E nem aceito o uso que alguns fazem das assertivas do meu mestre(sri Buda).

      Mas, escrevo o adendo para comentar a redudância cometida por mim,no final do texto,
      "fiquem na boa companhia agradável..."

      Desculpem,nunca gostei de rebuscamentos,e o pleonasmo acima,foi sem querer.
      Agora sim, serei abduzida pelo Nirvana.

      °°°°°°°

      Excluir
  48. (AP.12.10) – Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: (TB.7.7) – Abençoado sejas, filho meu, porque és filho de um Homem de bem e virtuosíssimo; (1SM.9.20) – e para quem está reservado tudo o que é precioso em Israel: (GN.27.43) – Agora, pois, meu filho, ouve o que te digo: (DT.6.6) – Estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; (EZ.28.6) pois que estimas o teu coração, como se fora o coração de Deus: (IS.22.4) – Portanto digo: (SL.20.4) – Conceda-te segundo o teu coração, e realize todos os teus desígnios; (LS.15.3) – porque conhecer-te é a consumada justiça, e o saber a tua justiça e o teu poder, é a raiz da imortalidade. (SL.119.130) – A revelação das tuas palavras esclarece, e dá entendimento aos simples: (GN.28.15) Eis que Eu estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores...
    (LC.20.9) – A seguir passou Jesus a proferir ao povo esta parábola:

    (GN.1.5) – CHAMOU DEUS A LUZ DIA, E AS TREVAS NOITE: HOUVE TARDE E MANHÃ, O PRIMEIRO DIA: (AR.59.5)

    (GN.43.23) – Ele disse:(2TS.1.3) – Irmãos, cumpre-nos dar sempre graças a Deus, no tocante a vós outros, como é justo, pois a vossa fé cresce sobremaneira e o vosso mutuo amor de uns para com os outros vai aumentando: (JB.6.27) – Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo: (GL.1.9) E assim como já dissemos, agora repito: (JB.14.6) – Eu sou o caminho a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim: (JS.23.14) – Eis que, hoje, já sigo pelo caminho de todos os da terra; (1CO.15.45) – pois assim está escrito, segundo a recomposição das 59 letras e dos 5 sinais que compõem a parábola acima, a saber:

    DEUS ESPIRITUALIZOU O HOMEM: ENTÃO, HA UM CRISTO NA ERA, HA A VERDADE E VIDA: (IL.59.5)

    (MT.21.33) – Atentai noutra parábola: (EZ.) – EZEQUIEL: A VISÃO DOS QUATRO QUERUBINS: (ES.5.2) – É AZUL: (AR.37.5) (HB.13.22) – Rogo-vos, ainda, irmãos, que suporteis a presente exortação, que vos escrevi resumidamente; (1TS.2.3) – pois a nossa exortação não procede de engano, nem de impureza, nem se baseia em dolo; (2CO.2.17) – porque nós não estamos como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus: (JB.8.12) – Eu sou a luz do mundo: Quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida: (1SM.12.3) – Eis-me aqui, testemunhai recompondo as 37 letras e 5 sinais da parábola acima, gerando o testemunho do Verbo Divino, que diz:

    O QUE NÃO QUIS TER BOA VIDA QUIS SER LUZ: E É A LUZ: (IL.37.5)U

    ResponderExcluir
  49. Pondé só diz chavões. Nesse caso do Budismo, mostra que não conhece o próprio, mas não gosta dele. Não existe Budismo light. O Budismo é heavy. É muito mais confortável, inclusive fisicamente, ir à missa aos domingos, do que enfrentar mesmo apenas 20 minutos de meditação. Quanto mais 60 minutos, como costumam durar as meditações de fim de semana, para iniciantes, em algum centro budista.
    Se existe algum budismo light, como descreve Pondé, não é budismo. É qualquer outra coisa. E, para quem gosta de conversa de conservadores, melhor ler o Pereira Coutinho, bem mais consistente e menos chato do que o nosso Schopenhaeur de banânia, o sr. Pondé!

    ResponderExcluir

Postar um comentário