Ateus da Califórnia rasgam trechos imorais da Bíblia

Gleason: "Não é ofensa aos cristãos"
Deuteronômio 22, nos versículos 23 e 24, diz: “Quando houver moça virgem, desposada, e um homem a achar na cidade, e se deitar com ela, então trareis ambos à porta daquela cidade, e os apedrejareis, até que morram [...]”

Em Tiago 4:14 "Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; [...]”

Em uma praia de Orange County, na Califórnia (EUA), um de grupo de ateus rasgou na tarde de ontem (sábado, 11) fotocópias de trechos da Bíblia imorais ou obscurantistas, como esses acima.

Bruce Gleason (foto), o líder do grupo Os Céticos, disse que o objetivo do protesto não foi ofender os cristãos, mas fazer “um mundo melhor”. “A razão, a ciência e o pensamento crítico são muito mais benéficos para as pessoas do que a fé e a oração”, disse.

Não foi assim que entendeu a imprensa cristã, como o site Christian Post, que disse ter sido “uma oposição pública contra o cristianismo”.

O site informou que o protesto atraiu cerca de 100 pessoas, entre eles o cristão Greg Allen, que disse que os ateus pinçam trechos da Bíblia para desmoralizar todo o texto sagrado. “É deturpação.”

Já o pastor Ray Comfort, conforme noticiou o site, admitiu que, de fato, alguns trechos bíblicos não fazem sentido hoje em dia, mas os ateus não deveriam responsabilizar os cristãos por aspectos da cultura judaica de 3.000 anos atrás.

"Muitos ateus não percebem que nós os amamos", disse o pastor. "Nós estamos preocupados com eles e queremos que se aproximem de Deus e peçam perdão."

Com informação do Christian Post.

Estudantes ateus americanos dão revista pornô em troca de Bíblia
fevereiro de 2011

Ateísmo.      Sobre a Bíblia

Comentários

Eduardo R. V. disse…
É uma forma de protesto. Uma perigosa e desnecessária forma de protesto. No mesmo nível do cara que queria queimar o Corão...

--
Eduardo da Rocha Vieira
http://leio.me
Beatriz Disney disse…
Concordo, e uma perigosa forma de protesto...Não podemos nos igualar a eles!
Anônimo disse…
Eu só fico me perguntando;se os cristãos acreditam mesmo em Jesus Cristo,porque eles leêm o antigo testamento?
Cognite Tute disse…
Sim, em alguma medida é um protesto perigoso. Mas também em alguma medida, necessário.

Além disso, é preciso clareza para analisar de onde vem o perigo, e a quem deve ser creditada a responsabilidade, se esse perigo se concretizar, se a violência se concretizar.

É comum, por exemplo, se tentar culpar a mulher, se esta usa uma roupa provocante, em caso de estupro ou de assedio. Mas é injusto e desonesto essa posição.

Uma mulher tem o direito de se vestir como desejar, sem ser agredida, ofendida, ou julgada por isso.

Da mesma forma a crítica a trechos realmente violentos, daninhos, supersticiosos, de um livro a idade do bronze é justa e um direito de toda sociedade, sem que a violência que essa crítica possa causar seja responsabilidade de que a apresenta.

É como culpar o cartunista que desenha maomé por seu próprio assassinato, cometido por um fanático muçulmano: ah, mas ele também pediu por isso.

Muitas das grandes mudanças sociais precisam, em seu início, vencer a inércia social, o status quo, a posição majoritária.

Por exemplo, o incio dos movimentos contra a segregação racial nos USA, e os movimentos feministas em todo mundo, necessitaram de atos de impacto, de grande exposição e efeito, atos que, também como este dos ateus, foram chamados de "perigosos", de confronto, exagerados, etc.

Queimar sutians em praça pública pode nos parecer exagero à distância, uma forma de provocação desnecessária, e até um ato desnecessário, já que, sabemos hoje, sutians são úteis as mulheres e a sua saúde..:-)

Mas, naquele momento, foi necessário, ou ninguém ouviria a voz das mulheres. Ou dos negros. Ou dos gays.

Para nos livrarmos do jogo de religiões daninhas, da pressão de superstições da idade do bronze, do influência dessas crenças na sociedade, etc, precisamos em alguns momentos, em especial nos iniciais, de atos de impacto, de exposição, de mídia.

Esse do post, me parece, é um deles. Até mesmo a falta de consequências, como raios vindo dos céus para matar os hereges, ajuda a demonstrar que é lícito, e razoável, criticar aspectos da livros sagrados.

Cognite Tute

PS: Sobre o assunto, uma poesia de Mayakovski.

Na primeira noite, eles aproximaram-se
e colheram uma flor do nosso jardim.
E não dissemos nada.
Na segunda noite, já não se esconderam,
pisaram as flores, mataram o nosso cão.
E não dissemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles,
entrou sozinho em nossa casa,
roubou-nos a luz,
e, conhecendo o nosso medo,
arrancou-nos a voz da garganta.
E porque não dissemos nada, já não podemos dizer nada.
Vladimir Mayakovski (1893-1930)


E uma variação interessante:

Primeiro, eles vieram atrás dos comunistas.

E eu não protestei, porque não era comunista.

Depois, eles vieram pelos socialistas

e eu não disse nada, porque não era socialista.

Mais tarde, eles vieram atrás dos líderes sindicais.

E eu calei, porque não era líder sindical.

Então, foi a vez dos judeus.

E eu permaneci em silêncio porque não era judeu.

Finalmente, vieram me buscar.

E já não havia ninguém para protestar.


Martin Niemoller, pastor protestante alemão, sobre os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.
Anônimo disse…
Pra variar minorias querendo o respeito, sem fazer-se respeitar!

Oras, mas que tolice protestar sobre algo (a bíblia) o qual este grupo não acredita, não tem o menor sentido!

Só resta ao governo americano punir estes meliantes perturbadores da ordem pública...
Israel Chaves disse…
Acho a finalidade do protesto completamente necessária e louvável, mas os meios poderiam ser melhores. Nós sabemos que isso é algo simbólico e não agressivo, mas os outros 99% da população, não (e são esses a quem o protesto que atingir, não quem já entende que a Bíblia é perigosa). Portanto, poderiam ter feito o mesmo protesto por outros meios, assim eles ficaram parecendo os vilões da história.
Poderiam, por exemplo ter feito uma encenação no qual "pregariam" a Bíblia como fazem os pastores, mas usando os trechos alvos do protesto. Ninguém poderia reclamar, afinal estariam só citando trechos da Bíblia. E se alguém os acusasse de incitação ao ódio ou preconceito, melhor ainda; o protesto teria sido um sucesso completo em demonstrar como a Bíblia é ruim.
Eu os apóio pois o que fizeram deve ser feito, mas acho que poderiam fazer de uma forma melhor.
Caruê disse…
Queimar livros e bandeiras são uma forma de protesto, eu não posso saquear uma biblioteca ou a bandeira da embaixada de algum país e botar fogo. No entanto tenho direito de queimar o livro ou a bandeira que quiser desde que ela seja minha.
A única coisa perigosa é a reação de pessoas desequilibradas que não admitem criticas, foi assim no caso o cartunista que desenhou Mohamed. Sinto te informar que o seu livro sagrado aquele que determina o apedrejamento de pessoas ate a morte por razões triviais como trabalhar aos sábados, só serve como peso de porta.
J.M. disse…
"Anônimo disse...
Só resta ao governo americano punir estes meliantes perturbadores da ordem pública..."


---> Senta lá, religioso fanático!

---> Perturbação da ordem pública são pregações em ônibus lotados, perturbação da ordem pública é proselitismo cristão cada vez mais intenso nas emissoras de tv, perturbação da ordem pública é perseguição a todas as "minorias inimigas" como fundamentalistas religiosos fazem etc. etc. etc.
Anônimo disse…
Se Deus é atemporal ? e a gibiblia é a palavra de Deus , aqueles trechos da biblia tem de ser seguidos a risca como nao comer camarão por exemplo ??

CADE O ZÉ RUELA do cristão que nao vem aqui se defender ?????

crentes ? gibiblia ? aff
Anônimo disse…
Eu acho isso bulshit!
LEGIÃO disse…
Um protesto inútil!

O Grupo age como fundamentalistas que cultuam uma trindade identificada como razão, ciência e pensamento crítico.

Não tem ninguém sendo apedrejado por dormir com mulher casada e virgem na Califórnia (EUA). E, nos states, a medicina é de ponta e, normalmente, usada junto com as práticas religiosas - com exceção de TJ e outros poucos grupos tribais.

Foi um ato bem informativo, mas pouco efetivo.
Avelino Bego disse…
Sou ateu e acho isso desnecessário, é uma forma de Argumentum ad hominem.
Marcos disse…
Como pode ser ad hominem se eles estão protestando contra trechos do TEXTO? Ad hominem seria se eles estivessem falando mal dos autores...
Cognite Tute disse…
Legião: "Foi um ato bem informativo, mas pouco efetivo."

Acho que a ideia é essa. Primeiro, mostrar que se a biblia está incorreta, ou contém absurdos morais e éticos, em seu textos, então outros trechos também devem ser tomado com cautela (no mínimo), como a proibição de sexo ou relacionamento gay.

Segundo, lembrar que se ninguém está sendo apedrejada por ser adultera, aqui no ocidente (porque em países muçulmanos ainda estão), isso se deve a uma visão mais humanista, secular, flexível, do livro sagrado.

Alguém disse em outro post, nos comentários, aparentemente os seguidores da biblia evitam ler a biblia, em sua totalidade, para não lidar com os aspectos mais aninhos, absurdos, cruéis, desse livro de "regras".

Não foram poucas as vezes em que, ao contar sobre o trecho das ursas enviadas por deus que despedaçam 42 crianças, por terem chamado o profeta de "careca", eu ouvi em resposta que eu estava "inventando" aquilo, e um "desafio" para dizer exatamente onde estaria tal absurdo na biblia.

O trecho, que não inventei claro, está em "2 REIS 2:23-24"

Nunca é demais informação, para melhor avaliar uma questão.

O aspecto de "rasgar" está mais para um ato de mídia, para chamar a atenção, para que prestem atenção.

Algo como:

Crente: "rasgou o livro sagrado!"

Ateu: "Sim, mas apenas esta parte em que deus manda apedrejar filhos desobedientes até a morte, você acha certo isso, quer mesmo isso em seu conjunto de regras morais?"

Crente: "Bem, não, não é bem assim, essa parte não é para levar à sério, veja bem, então, pode ser que, mas..."

Ateu: "Precisa decidir, se quer isso em seu livro, então eu não devo rasgar, ou se acha incorreto, absurdo, e pode ser retirado de um livro que deve ser um guia, perfeito, de conduta."

Crente: "Não, sim, não é bem assim, é desrespeito, mas não é para apedrejar filhos, mas, então, é que, bem..."


E por ai vai.

Temos de começar de alguma forma, e devido a "blindagem" que as religiões tem, é preciso algum "impacto" para começar a debater.

Cognite Tute
Charles disse…
"...um de grupo de ateus rasgou na tarde de ontem (sábado, 11) fotocópias de trechos da Bíblia imorais ou obscurantistas..."

O que tem demais queimar cópias xerox de trechos de um livro?
Charles disse…
ops...não queimaram, rasgaram!
LEGIÃO disse…
Cognite Tute: "...lembrar que se ninguém está sendo apedrejada por ser adultera, aqui no ocidente (porque em países muçulmanos ainda estão)...".

Seria mais efetivo, então, se eles fossem até o Oriente Médio e praticassem o ato em praça pública.
Cognite Tute disse…
Legião: "Seria mais efetivo, então, se eles fossem até o Oriente Médio e praticassem o ato em praça pública."

Sim, com certeza. Mas há vários problemas nessa ação, em especial ir ao país dos outros para dizer como eles devem viver.

Não me entenda mal, eu acho que devemos protestar, e criar campanhas para impedir que mulheres sejam apedrejadas nessas regiões, mas ir a estes países, para provocar em praça pública é um pouco diferente.

Mas os ateus que protestam neste caso, neste post, estão tentando influir na própria sociedade, e tem todo direito disso.

E não acho que eles estejam defendendo que cristãos apedrejam mulheres, ou que defendam o apedrejamento, porque a biblia defende. Eles estão, como tentei dizer na mensagem anterior, tentando mostrar que existem trechos na biblia que mesmo cristãos considerariam errados (cristãos de boa índole e de bom caráter, claro), e que se estes trechos podem ser "rasgados", talvez se possa pensar sobre outros, como as proibições a relações gays, aborto, pesquisar científicas, origem da vida, origem do universo, etc, etc.

Eles estão tentando ser efetivos onde podem ser efetivos, na sociedade em que vivem. Chamando atenção na sociedade em que vivem para problemas causados pela leitura acrítica da biblia.

Cognite Tute
LEGIÃO disse…
Cognite Tute,

Concordo que não se deve exagerar na provocação.

Mas, se querem protestar, tem de ser de forma a:

a) Fazer com que os próprios Crentes pressionem suas lideranças para mudar/suprimir os textos;
b) Provocar a formação de um concílio (ou seja lá o que for) para rever esses trechos;
c) Forçar o reconhecimento público, do PAPA e das lideranças protestantes, quanto à inadequação desses trechos da Bíblia.

Só quero dizer que tais protestos devem ser melhor planejados e com objetivos bem definidos.

Isso não deveria ser mera diversão de domingo!
Anônimo disse…
Eu continuo achando isso desnecessário e um tanto perigoso até, visto que fundamentalistas da religião são radicais.O tiro pode sair pela culatra.
Anônimo disse…
Legião,o que você propõe em alíneas(a,b e c)já é feito ,mas os religiosos são irredutíveis e inflexíveis(redundância propositada) no tocante a suprimir ou invalidar trechos absurdos da bíblia.
A prova de que a essência do fundamentalismo é o ódio, espertamente manipulado pelos beneficiários da farsa religiosa, em todas as dimensões dessa consciência primitiva, que CONFUNDE O SIMBÓLICO COM O REAL; vemos nas explosões sazonais do ódio político, esportivo e, nas supostas vertentes éticas e espiritualistas da religião. Na hipótese de que o fundamentalismo religioso fosse uma expressão do AMOR, quem se importaria com um papel rasgado, uma bandeira queimada, uma camisa de um time de cores diferentes? Entretanto, é a consciência primitiva, regressiva, que reage com raiva e dor quando frustrada, QUE A RELIGIÃO pressupõe como fera a ser domesticada; uma forma de sempre regredir a um passado remoto, em que a consciência humana era adestrada por castigos sociais violentos e crudelíssimos, de modo a produzir "exemplares" restrições a comportamentos futuros semelhantes. Ora, justamente este é o erro da violência fundamental, da admissão da culpa, do remorso, do medo da penalidade e da vergonha, como "virtudes" pedagógicas da consciência coletiva. Reproduz-se assim o círculo-vicioso eterno da retaliação e da auto-punição; este é o sinal de que a imensa maioria da humanidade, justamente a que é dominada pela tirania religiosa; não avançou nada em termos morais, no que refere à consciência da própria liberdade; não evitam danos a si mesmos e ao semelhantes, nem são capazes de buscar o prório bem e o da sociedade; senão por MEDO DO CASTIGO E ESPERANÇA DE UMA RECOMPENSA DE ETERNIDADE OU IMORTALIDADE. A religião,embora liderada por intelectuais, erra quando define ao nível mais primário, da interpretação infantil, verdades cujo sentido é transcendente a nível simbólico, não existencial. Quando se diz que "Deus existe", por exemplo, sabem os teólogos qual O SENTIDO do que estão dizendo e crêem de forma simbólica, não real. Ao sustentarem porém, - porque direcionados ao vulgo, à plebe (hipnotizada pela mídia e sempre infantil!) - ; como verdadeiras existencialmente, as metáforas e as figuras de linguagem, cujo SENTIDO É metalinguístico; acabam por distorcer a finalidade "religiosa" em si mesma...Pois esta deveria ser RELIGAR o homem com a cultura, com a família e a sociedade. Tal entretanto não é possível, conservando-se a fábula religiosa do “céu” ou do “reino da divindade”; afirmando-se como se fora uma realidade ontológica, ou como uma determinada existência espacial e cronológica. Principalmente num mundo multiculturalista, de pluralismo ético e relativismo moral; cuja unidade exige que se ultrapassem exatamente estas fronteiras restritivas de concepções limitadas e arcaicas DE MUNDO. Uma parte da consciência religiosa das pessoas que professam a religião, mas são cultas e ilustradas, já assimilou essa universalidade, que em tese, seria a proposta de uma verdadeira consciência religiosa; imensa maioria infelizmente, restringe tal consciência apenas ao que há de mais anacrônico e obsoleto em matéria de consciência: o fundamentalismo territorialista, apolítico, obscurantista, supersticioso e de controle ideológico e repressivo moral, sexual e social. Nesse sentido, muito ainda se há de queimar, de rasgar e protestar, não há como evitar isso sob o pretexto de PAZ. A religião precisa desses ALERTAS, para que possa, como expressão pública de uma consciência coletiva, ARREPENDER-SE E MORRER para o pecado do seu ódio fundamentalista, NASCER DE NOVO e verdadeiramente aprender a ter HUMILDADE E AMAR.
Anônimo disse…
Um símbolo sozinho pode não representar nada, mas se todos se juntam, um símbolo pode significar muito, pode significar a mudança de um país.
Anônimo disse…
Como poderia eu contribuir para que isso acontecesse com mais frequência? Se o povo tivesse como canalizar sua revolta de forma eficaz a situação atual seria diferente.

Eu, por exemplo, quero muito, mas não sei como agir de forma eficaz e não arriscada contra a ignorância da sociedade atual. Se soubesse como fazer já teria feito.
Partita disse…
Esse protesto foi meramente simbólico. Se tivessem levado a sério, cada um teria gasto metade do salário só com impressão. Seria cômico se não fosse trágico.
Partita disse…
A religião vêm desrespeitando a inteligência e a liberdade humana desde sua existência, portanto não vejo problema nenhum nesse evento, que não apresenta nada demais e que não é desrespeito nenhum à ninguém.

Deveriam ter feito algo ainda mais polêmico. Isso é quase o mesmo que uma criança dizer à outra que o pai de uma é melhor que o da outra, e ainda sim a igreja católica teve a capacidade de responder com tamanha infantilidade. Lamentável.

O pior é que esses doentes mentais tem uma quantia absurda de dinheiro e influência. Graças à religião o mundo se encontra nessa situação vergonhosa, sem contar que a igreja incentiva o crescimento populacional, independentemente da superpopulação, desigualdade social, miséria, escassez de recursos(muitos desses e outros problemas ela que ela originou e/ou agravou), etc.
Valdo disse…
Os ateus estariam gastando melhor suas energias se estivessem se dedicando ao ensino da ciência. A ciência e não o ateísmo vai tirar a humanidade das trevas.
VOZ DO BRASIL disse…
Corão e Velho testamento são os dois lados do mesmo papel higiênico que não serve nem pra limpar a b...
VOZ DO BRASIL disse…
pois é amigo anônimo... essa questão também me intriga... Se são cristãos e se Ieshua Ben Iosef (Jesus) veio aqui para abolir a velha lei, o que esses cristãos fazem então com os discursos do velho testiculamento???
VOZ DO BRASIL disse…
seu "anonimo"

- a grande questão não é a crença num texto da idade do bronze, mas sim as referências que esse maldito texto dá ás leis criadas hoje em pleno seculo 21 baseadas nele.

- Se há algo que pode prejudicar a liberdade, o indivíduo ou a sociedade como um todo, isto precisa ser destruido sim como exemplo e também como incentivo a luta por uma modernização do pensamento humano.
VOZ DO BRASIL disse…
gostei... inteligente...
VOZ DO BRASIL disse…
é isso aí, J.M.
VOZ DO BRASIL disse…
Valdo, o ateismo, o secularismo e o ceticismo É A BASE DA CIÊNCIA - quer que eu desenhe pra entender melhor?
VOZ DO BRASIL disse…
se acham ruim rasgar xerox de um texto arcáico, fantasioso, dogmático e incoerente com os dias atuais, imagine o que é então queimar pessoas vivas em praça pública como os sacerdotes cristãos fizeram no passado apenas por desconfiar que a vítima pensava diferente dos interesses de sua religião.

e a coisa não vai muito longe no passado não, ainda hoje a religião se mete em coisas absurdas que impedem o desenvolvimento científico e social de muitos povos e os que contrariam esses "princípios" da igreja também são muito penalizados por alguns governos que dão orelhas a religiosos...
Sin Sun disse…
"Já o pastor Ray Comfort, conforme noticiou o site, admitiu que, de fato, alguns trechos bíblicos não fazem sentido hoje em dia, mas os ateus não deveriam responsabilizar os cristãos por aspectos da cultura judaica de 3.000 anos atrás."

É mas o pastor esqueceu de dizer que tem gente fanática religiosa que faz isso até hoje, e julga totalmente qualquer pessoa que não seja de sua religião.

Anônimo disse…
Acho normal e justo esse protesto, cada um faz aquilo que acredita ser certo. Não vejo mal algum em questionar sobre algo que para muitos não faz nenhum sentido.
A igreja se preocupa demais com coisas muito 'banais' se comparado com tudo que ela ja fez e ainda faz com pessoas que pensam e agem diferente do que ela determina.
Se nós ateus somos obrigados desde criança a sermos tolerantes com a religião forçada em nossas vidas por todos que nos cercam ate nos dias de hoje, nada mais justo que podermos expressar nossas idéias também.
Se não gostam, apenas ignorem e continuem com suas mentes vazias e manipuladas.

Acho o cúmulo dizerem: "Nós estamos preocupados com eles e queremos que se aproximem de Deus e peçam perdão."

É por isso que o mundo esta assim, a Religão acaba com as pessoas. Você faz algo de errado e é perdoado, as pessoas não se procupam mais nas consequências de seus atos e com essa mentalidade estão convictos que independente do que fizerem ja terão seu lugar no céu.
Todos nós temos conciência do certo e do errado, em vez de algo imaginário deveríamos ter mais fé em nós mesmos.

Marcele.
Anônimo disse…
A questão do protesto acho que esta mais do que claro que obviamente não é essa. É claro que não há ninguém sendo apedrejado e outras coisas, mas acho que o fato de em pleno século XXI as pessoas ainda se "guiarem" por um livro com trechos tão absurdos é de se pensar não?
A mesma coisa digo quando proíbem um jogo de video-game por ser violento demais, mas e a Bíblia? Por que ninguém é capaz de questiona-la?
Trechos que dizem que a mulher tem que ser submissa, apedrejar o filho que não obedecer aos pais e entre outras coisas absurdas, ao meu ver esta influenciando as pessoas de uma forma negativa. Mas o fato é que ninguém se opõe a isso e quem realmente tem a coragem mostrar que pensa por si só devemos dar crédito.