A graça é generosa e a natureza torna todos escravos de sua fisiologia

Título original: Natureza e graça

Cena do filme Árvore da Vida 
por Luiz Felipe Pondé para Folha

A vida é feita de escolhas. Uma das escolhas mais sérias na vida é o modo como vivemos a vida, se como graça ou como natureza. Essa questão é uma alternativa clássica na filosofia cristã, mais especificamente de Santo de Agostinho, morto no ano 430 d.C. Duas de suas obras, "Natureza e Graça" e "Confissões", são essenciais para entendermos este problema.

O novo filme do misterioso cineasta americano Terrence Malick (que despreza o glamour da indústria do cinema e das festas da mídia) se abre com esta questão. "Árvore da Vida" foi o vencedor da palma de ouro de Cannes deste ano.

Malick é um cineasta que faz da espiritualidade a matéria-prima de seu cinema, como, por exemplo, o russo Tarkovski fazia.

Já em "Além da Linha Vermelha", de 1998, com a espiritualidade na guerra, e "O Novo Mundo", de 2005, com a espiritualidade do encontro com o "outro", Malick faz da voz em "off" de seus personagens um apelo desesperado da espécie humana em busca do sentido de nossa aventura na Terra. Em Malick, cada agonia do indivíduo (cada "voz") é arquetípica do humano.

Por favor, não entenda "espiritualidade" aqui como essas bobagens de sofás que você muda de lugar para melhorar a energia da sua casa ou uma palavra para você falar de suas manias com cristais ou expectativas reencarnacionistas.

"Espiritualidade" aqui significa a indagação essencial se a vida é fruto de uma força cega ou fruto de uma intenção bela, confrontada cotidianamente com o sofrimento inquestionável da vida.

Segundo a personagem feminina principal, a mãe dos três filhos (um deles, quando adulto, será Sean Penn) e esposa de Brad Pitt no filme, interpretada pela belíssima ruiva Jessica Chastain, há duas formas de viver: "The way of grace or the way of nature" (segundo a graça ou segundo a natureza). Podemos também traduzir "way" aqui por caminho, modo, forma ou maneira.

Esta é a chave para o entendimento mais profundo deste filme. Sem ela, você poderá ficar rodando em círculos ao redor do encontro, no enredo, entre a origem do universo e da vida na Terra (narrada em maravilhosas imagens cósmicas e paleontológicas) e a história da família que tem essa "mística" como mãe e que nos primeiros minutos recebe a notícia da morte de um de seus filhos na guerra do Vietnã (o "filho mais doce e generoso" dos três).

Eu, que sou uma pessoa essencialmente atormentada pela melancolia (como dizia semana passada ao comentar outra recente pérola do cinema, o filme "Melancolia" de Lars von Trier), considero esse conceito de "graça" do cristianismo uma das maiores criações da filosofia ocidental, além do conceito de Deus, claro.

A graça sempre me encanta e, no cristianismo, ela é o "modo" de Deus criar as coisas.

Toda vez que o mundo (e nós nele) surpreende, saindo de sua constante miséria interesseira, vaidosa, traiçoeira, monotonamente previsível, eu sinto o cheiro da graça.

Tivesse eu que definir o modo como vivo, diria, entre a melancolia e a graça. Para mim, não há nada entre elas, só abismo.

Peço aos inteligentinhos que me poupem o blá-blá-blá do jardim da infância sobre as críticas ao cristianismo ou ao conceito de Deus. Proponho que hoje vão brincar no parque.

A graça é generosa, não pensa em si mesma, pode ser humilhada, ignorada, desprezada, mas ainda assim ela dá vida. A natureza só pensa em si mesma, submete todos a ela, é escrava de sua fisiologia, ao fim, vira pedra.

Do filme
É mais ou menos assim que a mãe "mística" define a diferença entre viver segundo a graça ou segundo a natureza.

Se a vida é fruto da graça, ela é dádiva de beleza e de bondade, se ela é apenas natureza, ela é cega e sem sentido.

O adulto Sean Penn será o herdeiro agoniado desta questão: a vida é graça ou mera natureza? "Devo ser competitivo", como o pai o ensinou a ser (a natureza), ou "generoso", como a mãe lhe dizia (a graça)? A morte prematura do irmão será intransponível? Como amar a vida diante da morte? Seria ela a derrota da graça? A vitória da natureza cega?

Cada morte é como se fosse a primeira morte no mundo.

"Existem dois caminhos na vida"


Se os melancólicos tiverem razão, não há esperanças para nós.
agosto de 2011

Artigos de Luiz Felipe Pondé.

Comentários

  1. atraz das linhas vermelhas eu assisti, fantastico, mundo novo, nunca assiti, porque toda vez que chegava na locadora, tinha lançamento, e acabava deixando pra depois, mais quero assisti ainda.
    esse novo deve ser fantastico tambem,pena que nem todos cinemas exibem.

    ResponderExcluir
  2. e nem confundir com igreja internacional da graça, que de graça só tem o nome, rsrsr brincadeira.

    ResponderExcluir
  3. Pondé é a reencarnação de Schopenhauer, nota -se perfeitamente a semelhança !

    ResponderExcluir
  4. Eu não sei oq é pior, o Pondé ou o Internet explorer!

    ResponderExcluir
  5. pondé nos manda ir brincar no jardim de infancia?

    melhor mandar nóis do q os padres, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  6. "Toda vez que o mundo (e nós nele) surpreende, saindo de sua constante miséria interesseira, vaidosa, traiçoeira, monotonamente previsível, eu sinto o cheiro da graça."

    Parece-me que Monsieur Pondé se contradiz com coisas dele mesmo já transportas nesse blog, ou estarei enganado?

    ResponderExcluir
  7. Até mesmo a noção de "espiritualidade" do Pondé é mais elevada, mais chique, ao contrário desse povinho diferenciado e brega que acredita em feng-shui e reencarnação. E a coluna de hoje tinha começado tão bem...

    ResponderExcluir
  8. Quero muito ver esse filme, mas acho que não vai passar nos cinemas daqui. T.T

    ResponderExcluir
  9. Acho que filme deveria dizer que existe 2 caminhos, o do bêbado que vê a vida toda colorida, e o do sóbrio que vê a natureza como ela é, implacavelmente indiferente.

    Um pensa que a natureza e o universo vai se curvar aos desejos humanos, o outro a aceita como ela é.

    O mais trágico é um "filosofo" espantar uma discussão.

    Rodrigo*

    ResponderExcluir
  10. É, Charles, parece mesmo que o Pondé se contradiz com coisas dele mesmo. No entanto, como a natureza dele o permite, ele assim o faz propositalmente, só para ter a sensação de que tem o poder de desestabilizar os leitores...

    ResponderExcluir
  11. Nem o filme nem o texto acima trazem qualquer novidade. Trata-se do velho maniqueísmo do bem contra o mal, yin yang, capitalistmo e comunismo, caminho estreito e caminho largo.

    ResponderExcluir
  12. Charles, já dizia Paulo Francis: "Só os idiotas não se contradizem"!

    Rayssa, não escreva "nós" com um "i" no meio da palavra, você parece bobinha!

    Abraços

    ResponderExcluir
  13. "Acho que filme deveria dizer que existe 2 caminhos, o do bêbado que vê a vida toda colorida, e o do sóbrio que vê a natureza como ela é, implacavelmente indiferente"

    Sim,existe o caminho do bêbado.Ainda bem.Sem a bebida e música,é insuportável viver.Eu prefiro os que colocam cores no mundo.E não conheço sóbrios,conheço gente que pinta o mundo de cinza e acha que está enxergando a coisa em si.Mas na verdade esta colorindo também.Todo mundo vê o mundo bêbado de certa forma.

    ResponderExcluir
  14. Mas Mateus, PF era exemplo de quê mesmo?

    Charles

    ResponderExcluir
  15. Primeiro nada contra bêbados em si, acho que vc não entendeu minha comparação. Se o cara quiser sacrificar sua percepção, por alguns momentos prazer problema dele, nada contra. Mas depois que arque com as consequências.

    Sim pode se ver o mundo belo, bêbado ou não, mas não foi isso que quis dizer hehe. O meu argumento foi baseado na cosmovisão.
    Rodrigo*

    ResponderExcluir
  16. Como eu queria que fosse expandidas as universidades públicas, para que as pessoas vissem o que é mesmo filosofia.

    Na Baixa Idade Média, havia as vendas de indulgências e a burguesia, na época uma classe não tão perigosa assim, estimulava a reprodução de obras de arte e outros artefatos raros para 'se sentir' como uma classe, digamos assim, 'de valor'.

    Contemporaneamente, temos os Readers Digests da vida, as Ilustradas, as Bravos da vida, para que qualquer um, com pouco mais de cinco reais, se imagine um intelectual em altas discussões, como se fosse chegar em um Centro Acadêmico e dizer as maiores novidades, as coisas mais relevantes já pensadas pelo homem.

    ResponderExcluir
  17. "Anônimo disse...

    Nem o filme nem o texto acima trazem qualquer novidade. Trata-se do velho maniqueísmo do bem contra o mal, yin yang, capitalistmo e comunismo, caminho estreito e caminho largo."

    Você esqueceu do "Firefox e Internet Explorer".

    Era só isso que eu queria falar.

    ResponderExcluir
  18. O Pondé sabe interpretar, alguns queixosos são apenas papagaios imitando perseguidores de cristãos, a todos esses vtnc

    ResponderExcluir
  19. Cristão versão windows seven 32 bits ou cristão antigo versão xp?

    ResponderExcluir
  20. Vtnc?Isso não deveria ser apagado?

    ResponderExcluir
  21. Algumas pessoas não estão sabendo respeitar esse espaço nem os outros frequentadores, e aí Paulo Lopes, vai ficar assim?

    Wander

    ResponderExcluir
  22. Wander ,concordo contigo.Tem um tal de Yasni,por exemplo, que fica falando impropérios de botequim contra outros leitores.Como,por exemplo,¨receber coisas por via oblíqua nas tripas¨.Esse tipo de leitor deveria ser defenestrado!Geralmente não acrescentam nada e provocam réplicas e tréplicas pouco civilizadas da parte dos outros!

    ResponderExcluir
  23. "Na Baixa Idade Média, havia as vendas de indulgências e a burguesia, na época uma classe não tão perigosa assim, estimulava a reprodução de obras de arte e outros artefatos raros para 'se sentir' como uma classe, digamos assim, 'de valor'."

    Mas isso foi necessário para que muitos gênios da arte de outras áreas,fossem reconhecidos,não??

    Engraçado vc criticar a burguesia,porque parece esconder um sentimento bem elitista,pois diz:"...para que qualquer um, com pouco mais de cinco reais, se imagine um intelectual"

    Posto isso,duvido um pouco de sua sinceridade ao dizer que deseja que as universidades públicas fossem expandidas.Ora.se isso acontecesse,quem seria chamado de pseudo-intelectual???

    ResponderExcluir
  24. Anônimo das 14:01

    Esse seu "vtnc" é novo pra mim. Mas viu só como os queixosos daqui também sabem interpretar?

    ResponderExcluir
  25. É um saco esse pessoalzinho que não aceita a opinião alheia. Ficam com essa coisa de desqualificar o outro, ao invés de rebater com argumentos sólidos. Vão se catar.

    ResponderExcluir
  26. Ao Anônimo das 22:36.

    Eu disse isso da tal da 'burguesia' simplesmente para que as pessoas em geral não se iludam com reproduções de obras de arte.

    E as universidades públicas deveriam ser expandidas sim, até para diminuir o número de palpiteiros e pseudo-intelectuais. Os textos do Pondé, grosso modo, são uma reação a isso. Por isso que ele é 'Contra Um Mundo Melhor'.

    ResponderExcluir
  27. Pondé, simplesmente brilhante. Ao andar na rua olhemos os rostos das pessoas como se fosse o de Jesus, não olhando para o mau oculto em cada um que se aflora em acidente de automóvel, digo isto para exemplificar. Olhemos para a pessoa e não para o mau existente nelas (ou em nós) , olhemos para a pessoa e não para "cachaça". E dizemos para o "bebum" em meio as suas palavras desconectas: "Amigo em que posso te ajudar? Este é o principio da graça.-------------------------------------------------------------------------"Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, Tito 2:11"

    ResponderExcluir
  28. Rodrigo. Somos a coroa da criação. E quanto ao universo se curvar..."Porque em verdade vos digo que qualquer que disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhe será feito. Marcos 11:23"

    ResponderExcluir
  29. Eu não acredito em papai noel nem em coelhinho da páscoa. Acredito que quem ainda não percebeu que o Pondé não é esse arauto do conservadorismo de direita, mas um pensador dialético, que propõem contrapontos, buscando sínteses mais profundas e necessárias, não conseguiu ainda captar a essência da filosofia pondeniana. E haja paulada na cabeça dele hein? Não precisa disso não gente. Mas que a polêmica é divertida isso é, né?....kkkkkk

    ResponderExcluir
  30. talves a maior graça seja a natureza

    ResponderExcluir
  31. Lars von Trier ... não foi esse que teceu loas a Hitler em uma coletiva em Cannes e depois foi expulso do festival???

    Pondé o acha o máximo!!! Engraçado, não?

    ResponderExcluir

Postar um comentário