1 bilhão de muçulmanos ignoram a evolução, afirma estudo


Prevalece a crença
 de que Deus fez o
 mundo como é hoje

Quase a totalidade de 1 bilhão de muçulmanos do mundo ignora a teoria da evolução das espécies e acredita que a atual configuração dos continentes é a mesma desde que Deus criou o mundo. 

Essa é a conclusão de um estudo de Salman Hameed, professor paquistanês radicado nos Estados Unidos, onde dá aula no Hampshire College.

Dos muçulmanos da Turquia, 20% afirmam que a teoria desenvolvida por Charles Darwin pode ser verdadeira. Trata-se, em relação a países, do maior índice apresentado pelo estudo. No Paquistão e Indonésia, por exemplo, a taxa de credibilidade da teoria é de 15% dos muçulmanos, caindo para menos de 10% no Egito.


Em países desenvolvidos onde os muçulmanos são minoria, como a França, Dinamarca e Japão, a credibilidade da teoria chega perto de 80%.  No ocidente, o mais baixo índice é apresentado pelos Estados Unidos: 40%.

O Brasil se destaca pela mescla da ciência com a religião:  de acordo com a Datafolha, 60% das pessoas acreditam na evolução, que teria tido uma "mãozinha" de Deus.

Hameed disse que, para a maioria dos islâmicos, a evolução é um conceito relativamente novo. Ele acredita que os muçulmanos com formação cultural mais abrangente possam a se interessar pela evolução, desde que não seja citado o nome do pai da teoria, Darwin, e muito menos que haja uma associação com o ateísmo.

Afirmou que, para a difusão da teoria  entre os muçulmanos, seria ruim se ela se tornasse um símbolo da modernidade.  “Devemos evitar que ela seja ligada a tudo que eles consideram ruim sobre o Ocidente, como uma cultura materialista."

Com informação da Folha de S.Paulo.


Faz 157 anos que Darwin publicou a Teoria da Evolução

Teoria de Darwin pode ajudar a desvendar mistérios dos cosmos




Experimento com bactérias mostra que evolução nunca para

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.



EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional
diplomado. Trabalhou no jornal centenário
Diario Popular, Folha de S.Paulo,
revistas da Editora Abril e em
outras publicações.