Pular para o conteúdo principal

Videogame não transforma usuário em assassino, conclui pesquisa


Jogar videogame não transforma crianças em assassinos perigosos e sangrentos - é o que afirma um novo livro escrito por uma dupla de pesquisadores da universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Lawrence Kutner e Cheryl Olson, casal pesquisador na Harvard Medical School, detalham suas visões sobre a questão no livro Grand Theft Childhood: The Surprising Truth About Violent Video Games and What Parents Can Do ('a surpreendente verdade sobre os games violentos e o que os pais podem fazer'). O livro foi lançado no mês passado nos EUA e promete dar novo contorno ao debate sobre o efeito dos videogames nas crianças.

"O que espero que as pessoas percebam é que não há informações para sustentar os temores simplistas de que videogames causam violência", disse Kutner à Reuters. O casal chegou a essa conclusão depois de conduzir uma pesquisa de dois anos com mais de 1,2 mil estudantes do ensino médio sobre suas atitudes frente aos videogames.

Foi um procedimento diferente da maioria dos estudos, que se concentra em experiências de laboratório que tentam usar atos como emitir um som alto como medida de agressão.

"O que nós fizemos e raramente tem sido feito por outros pesquisadores foi, na verdade, conversar com as crianças. Parece bizarro, mas não havia sido feito", explicou Kutner.

Eles descobriram que jogar videogame é uma atividade quase universal entre as crianças, e freqüentemente um ato social.

Mas os dados mostraram uma ligação entre jogar games com comportamento mais agressivo e recomendado para pessoas mais velhas. Os pesquisadores descobriram que 51% dos garotos que jogaram games recomendados para maiores de 17 anos tiveram uma briga no ano anterior, contra 28% dos que jogaram games sem classificação.

Uma das descobertas mais surpreendentes foi a popularidade dos jogos mais agressivos entre as meninas. De fato, a série de jogos "GTA" (Grand Theft Auto) é a segunda mais popular entre as garotas, atrás apenas de "The Sims", um tipo de simulador da vida real.

Kutner e Olson apontaram que é preciso um estudo mais aprofundado porque os dados mostram apenas uma relação, sem estabelecer as causas. Não está claro se os jogos violentos levam à agressão ou se crianças agressivas são atraídas por jogos mais violentos.

Com informação do G1.

janeiro de 2011

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios