Vítimas de padres da Austrália serão indenizados em U$ 770 mi


20.000 crianças sofreram abuso

por Cameron Doody
para Religión Digital

Um bilhão de dólares australianos. 660 milhões de euros, ou 770 milhões de dólares americanos. Essa é a quantia de dinheiro que a Igreja australiana prevê que terá que pagar como compensação a milhares de vítimas de abusos sexuais cometidos por sacerdotes e religiosos, segundo divulgou o organismo que coordena a resposta institucional aos escândalos de abusos cometidos em seu seio.

Quando terminar o seu trabalho, neste próximo mês, a Comissão Real Antipedofilia – que investigou o assunto durante mais de quatro anos – entregará suas conclusões finais sobre o sofrimento, frieza e acobertamentos aos quais foram submetidas cerca de oito milhões de vítimas de abusos, em 4.000 instituições religiosas, estatais e beneficentes do país, dos anos 1950 até o dia de hoje. 

Desta soma total, cerca da metade dos crimes ocorreu em instalações católicas. Daí a Igreja australiana se preparar para desembolsar tão grande quantidade de indenizações.

Francis Sullivan, diretor executivo da entidade católica estabelecida para enfrentar o escândalo, o Conselho para a Verdade, a Justiça e a Cura, declarou ao Times que “nossa análise é que o programa nacional de reparações proposto pela Comissão Realpara um período de dez anos custará cerca de 4 bilhões, e entre aqueles bilhões consideramos que nosso desembolso some um”.

Previsivelmente, o restante dos três bilhões de dólares que serão oferecidos a vítimas de abusos em outras instituições será pago pelas próprias instituições responsáveis ou, então, pelo Governo Federal, dentro do programa nacional de reparações, que foi anunciado em novembro de 2016. 

No que se refere à Igreja católica, não se sabe, no momento, se esses 1 bilhão que admite que terá que pagar no futuro, serão somados ou não aos 300 milhões de dólares que já foi pagando às vítimas até agora.

O ministro australiano de Serviços Sociais, Christian Porter, atualizou o Parlamento Nacional sobre os avanços da luta da Comissão Real para a verdade e a justiça sobre as vítimas de abusos. 

O político anunciou que os números com os quais o Governo agora trabalha sugerem que 20.000 crianças foram abusadas em instituições estatais e outras 40.000 em instituições não governamentais - já fora dos rigorosos termos de referência da Comissão Real -, incluindo 2.000 instalações operadas pela Igreja católica.

Com tradução do Cepat para IHU Online.


Igreja Católica do Brasil tem menos pedófilos do que outras?

Bispos não precisam denunciar pedofilia à polícia, diz Vaticano

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.