Morre aos 98 anos o crítico literário Antonio Candido



O crítico literário Antonio Candido (foto abaixo) morreu aos 98 anos na madrugada de 12 de maio de 2017.

Ele foi casado com a ensaísta Gilda de Mello e Souza (1919-2005), com quem teve as filhas Ana Luísa, Laura e Marina.

Entre outros livros, ele escreveu “A formação da literatura brasileira” (publicado em 1959), onde fixa conceitos fundamentais não só da literatura do país, mas da própria sociedade.

Trata-se de um clássico da crítica literária do país.

O carioca Antonio Candido de Mello e Souza dizia ter influência marxista, mas ressaltava não ser seguidor de Marx.

Afirmava, contudo, ser “totalmente socialista”.

Foi um dos fundadores do PT e se distanciou do partido logo que surgiram os primeiros escândalos envolvendo os líderes da agremiação.

Erudito, ele escrevia de maneira clara e objetiva.

Ateu assumido, ele escreveu vários textos abordando a diversidade da religiosidade brasileira, que, inclusive, aflora na literatura do país.

Uma vez ele disse que era ateu porque tinha lido muitos livros sobre Cristo.

O interlocutor duvidou.

Candido, então, rindo, apontou esses livros em sua biblioteca.


Com informação das agências e de outras fontes.

Envio de correção



Ferreira Gullar, ateu famoso