Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Veja as semelhanças entre marido truculento e deus cristão

por Austin Cline para About


Padres, pastores e cristãos em geral pregam que a obediência a Deus é fundamental para um bom relacionamento no casamento. Afinal, Deus é o “homem” da casa, e é a quem a família deve obediência, respeito e honra.

Temer a Deus é, assim, imprescindível para manter acesa a chama do amor no lar. Mas, deixando a pregação de lado, Deus, como ele é descrito nas escrituras cristãs, tem um comportamento semelhante ao marido truculento, que expressa seu “amor” por intermédio da intimidação e da violência. É tipo de homem presente em todas as sociedades, mas principalmente nas de países pobres e nas dos em desenvolvimentos, como o Brasil.

A convivência de um marido truculento com sua mulher é tão abusiva quanto ao relacionamento de Deus com a humanidade. Pelos seguintes pontos:

1 – O marido truculento se impõe a sua mulher por intermédio do medo. O Deus cristão age da mesma forma. O cônjuge violento é imprevisível, dado a mudança drástica de humor. Deus das escrituras também oscila entre amor e raiva ou ódio. A parceira de homem truculento evita abordar certos assuntos por temer irritá-lo. O mesmo ocorre com crente em relação a Deus, cuja ira pode despertar a qualquer momento, seguida de eventual punição.

2 – O homem truculento também usa a violência contra objetos, animais e outras coisas para incutir medo na parceira, de modo que ela não ouse desobedecê-lo. Deus tem um comportamento parecido. Por vezes é contundente ao descarregar sua ira na natureza, promovendo tempestades, terremotos, tsunami. Alem disso, Deus manda os rebeldes para o inferno e pode punir toda uma nação por causa de supostas transgressões de poucas pessoas.

3 – Para exercer mais controle sobre sua vítima, o marido truculento pode aumentar a dependência de sua mulher, monitorando suas compras e cancelando seu cartão de crédito, por exemplo. Deus também impõe seu controle à humanidade, deixando claro que é ele quem manda, escasseando, por exemplo, a chuva que garante boa colheita.

4 – O marido truculento também pode recorrer ao abuso psicológico, fazendo com que a sua mulher se sinta inútil, inadequada para enfrentar problemas, incapaz de fazer qualquer coisa certa. Deus também arrasa a autoconfiança dos crentes, que têm a sensação de que para tudo precisam da ajuda divina, e não apenas de seus próprios esforços.

5 – Sempre que possível, o homem truculento manobra a sua parceira para que acredite que merece ser castigada. Faz parte do processo da destruição de sua autoestima. Em descrições da Bíblia, os castigos divinos são apresentados como justificados, justos, e o crente deve estar consciente disso. Para o Deus cristão, todos já nascem pecadores e, por isso, precisam fazer esforço para se regenerarem. Ou terem a esperança de obter a piedade divina, alcançando a salvação.

6 – Outra coisa em comum é que o homem “machão” não confia em sua mulher, da mesma forma que Deus não confia nos crentes. A mulher não pode tomar decisões próprias, como escolher o que vestir. Frequentemente ela é mantida isolada de modo a não ter ajuda da família e de amigos. Deus também não dá liberdade ao crente de tomar suas próprias decisões, principalmente em questões morais, embora a Bíblia diga que haja o livre árbitro. Nas escrituras, Deus da o seguinte recado: “Você pode fazer o que quiser, desde que siga os meus ensinamentos, porque, caso contrário, irá para o inferno”.

7 – O homem agressor mostra que, na verdade, é ele que tem uma dependência emocional de sua vítima, embora nunca admita. Isso que explica, da parte dele, o ciúme extremo e o comportamento controlador. Deus também é descrito como dependente do culto do humano. Ele precisa de adoração, de reverência e submissão.

8 – A mulher é compelida a se sentir responsável pelos atos de violência contra ela. É comum, assim, ela dizer que a culpa é dela quando o seu companheiro tem raiva ou mesmo quando alguma coisa dá errado no relacionamento entre os dois. Da mesma forma, para o Deus cristão, como é descrito, a culpa por todos os males do mundo e dos transtornos da natureza é inteiramente da humanidade.

9 – Por que a mulher que sofre violência permanece, na maioria dos casos, vivendo com seu algoz? Por que ela simplesmente não o abandona para ter novo relacionamento com quem a respeite e a tenha como um ser humano independente? A resposta é que essa mulher está tão emocional e psicologicamente abatida que não tem força para reagir.

10 – A associação entre o marido truculento e a maioria dos deuses das religiões faz sentido porque os crentes sofrem lavagem cerebral para acharem que, sem o divino, são incapazes de realizar qualquer coisa de valor. Acreditam que sem Deus são inúteis. Eles se acham pecadores por natureza e que, por isso, vão sempre depender de Deus, que é infinitamente amoroso e que ama a todos. E se virarem as costas para Deus, serão punidos por toda a eternidade no inferno.

Esse Deus, se fosse humano, certamente já estaria trancafiado em uma prisão por seu comportamento imoral e violento. E o mesmo deveria ocorrer com todos os homens que tratam sua parceira como de saco de pancada.

Este texto foi adaptado para o português por este site.





Hitchens afirma que Jesus supera Deus em crueldade
dezembro de 2011

Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...