Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

domingo, 3 de novembro de 2013

Padre afirma que ateu que se preza não fala sobre Deus

padre Paulo José Ferreira Visintainer
Visintainer diz como o ateu militante
 deve se comportar com coerência
Em um comentário no qual me acusa nas redes sociais de difundir “notícias erradas” sobre o sorteio de um iPad mini pela capela do cemitério Gethsêmani, em São Paulo, no Dia de Finados, o padre Paulo José Ferreira Visintainer (foto), da Diocese de Campo Limpo, acabou se atendo mais as suas críticas ao que entende ser “ateu militante”, embora um assunto não tenha nada a ver com outro. O padre demonstrou, assim, despropósito e gratuidade. 

Transcrevo abaixo o trecho em que Visintainer dita regras sobre como um “ateu militante coerente” deve agir. As minhas respostas ao padre estão em azul.

“Ateus não deixam Deus em paz”

"[...] Além do mais reitero minha palavras "Ser um ateu militante é uma contradição. Interessante como os ateus não deixam Deus em paz, estão sempre falando Daquele que para eles não existe!"

Todos podem falar sobre tudo, o que inclui os deuses, e isso independe de se ter ou não religião e de ser ou não ateu. Trata-se do direito à liberdade de expressão, que está previsto na Constituição.  

"O ateu não acredita em Deus. Ponto final."

Parece que o padre descobriu que a roda é redonda.

"O ateu que se preze não perde tempo falando de algo que não existe para ele. Assim deve ser um ateu coerente."

O padre confirma sua vocação autoritária ao querer determinar como deve ser um “ateu coerente”. Ainda bem que, para os ímpios, passou o tempo da Inquisição. O raciocínio do padre é simplista, talvez por conveniência, porque duvido que ele seja tão inepto. Deus obviamente não existe, mas os males causados em nome de crenças e deuses são bem reais. O que os ateus têm feito é denunciar esses males.

"Já o sacerdote fala do ateísmo como fenômeno social daqueles que não professando uma fé e uma religião fazem da negação de Deus a sua fé e a sua religião."

O padre continua fazendo papel de inepto, como se a religião não pudesse ser abordada também como um “fenômeno social” por quem quer que seja. No mais, é curioso que o padre tenha associado a religião a algo que, para ele, é negativo  o ateísmo.

"Eu acredito que, a não ser que os católicos sejam provocados, difamados e caluniados, sequer devem dar atenção aos que se chamam de ateus. Temos mais o que fazer, o seja, falar da nossa fé para quem esteja interessado."

Ele sugere que eu caluniei os católicos, mas não aponta a calúnia. Foi leviano, cometeu pecado. Diz ter mais o que fazer, falar sobre o catolicismo aos “interessados”. O padre só não admite, como deixou claro, que ateus falem sobre ateísmo a quem quiser ouvir. 

"Portanto o meu comentário [sobre a suposta contradição dos ateus militantes] não foi gratuito, mas uma defesa da minha instituição e de meu bispo. Não foi despropositado, ao contrário motivado e com a única intenção de ironizar a contradição de um ateu militante que não publicou uma informação verdadeira, repito, seja por ingenuidade ou por má fé."

Sobre o sorteio de um iPad pela capela do Gethsêmani, publiquei duas notas [links abaixo], e, numa delas, transcrevi a íntegra de um esclarecimento do cemitério, para que o leitor fizesse o seu próprio juízo. Apesar disso, o padre diz que não publiquei “uma informação verdadeira”, como se a nota oficial do cemitério não fosse “informação” . O fato é que, ao tentar me desmentir, o padre apenas confirmou que haveria, sim, o sorteio do iPad mini. 





Sorteio do iPad mini será depois da missa, afirma padre
1º de novembro de 2013

Bispo sorteará iPad mini em missa de capela de cemitério
30 de outubro de 2013

Casos de fanatismo religioso     Ateísmo


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...