Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Vaticano protege arcebispo de acusações de ser pedófilo

por Ferruccio Sansa e Carlo Tecce
do jornal IlFatto Quotidiano

Josef Wesolowski  é acusado de ter
envolvimento com rede de pedofilia
Removido, sim. Mas repatriado a Roma e removido das autoridades judiciárias estrangeiras. A história do arcebispo polonês Josef Wesolowski (foto), que representava a Igreja na República Dominicana, mas também em Porto Rico e no Haiti, corre o risco de levantar novas polêmicas sobre a atitude com a qual o Vaticano enfrenta os escândalos sexuais. De um lado, a mão forte, de outro, uma espécie de proteção.

Uma história longa, complexa. O último capítulo chegou quando as câmeras de uma televisão dominicana registraram o prelado passeando em um bairro onde se exerce a prostituição masculina, e então, além de uma nota enviada à Secretaria de Estado e os relatos insistentes de uma vida não exatamente casta e sóbria (às vezes, ele se excederia no álcool), Wesolowski foi chamado de novo urgentemente para Roma. E o Papa Francisco lhe removeu, imediatamente, os graus de núncio apostólico, para depois ordenar um processo canônico e uma investigação por abuso sexual e dano a menores.

A Santa Sé confirmou a punição papal decretada na quarta-feira à noite, embora o prelado se encontrasse em Romahá já alguns dias. Em paralelo, com extrema cautela, a magistratura dominicana iniciou uma investigação para apurar as acusações feitas contra o polonês que a rede contra a pedofilia de Francesco Zanardi quantifica em dezenas de episódios.

A consequência dessa intervenção papal, no entanto, evita o julgamento por parte da magistratura dominicana ao ex-núncio, porque entre os dois Estados não há acordos ou tratados internacionais, e agora a magistratura vaticano se pôs a trabalhar: no caso de ser julgado culpado no Caribe, ele nunca seria extraditado para cumprir a pena na prisão.

Entre República Dominicana, Porto Rico e Haiti, o escândalo chegou a proporções enormes, e a Igreja, mais uma vez, teve uma queda de popularidade e credibilidade. Mas há um pano de fundo que deve ser ilustrado para evidenciar a lentidão burocrática que impede que o pontífice, não pela sua própria vontade, puna esses comportamentos desprezíveis.

Há já três meses, em julho, o arcebispo de Santo Domingo (além de cardeal), Nicolás de Jesús López Rodríguez, tinha enviado à Cúria uma série de documentos, muito detalhados, que, segundo rumores, teriam colocado o polonês em apuros.

A Secretaria de Estado, depois de examinar os papéis, se dirigiu diretamente a Bergoglio (que, em visita a Santa Maria Maior, fez com que o cardeal Law fosse "expulso"). A resposta vaticana não foi imediata, e nem a remoção foi difundida para além da colunata de São Pedro. Até que as imagens de televisão deram uma sacudida no procedimento e se soube da punição de Francisco.

A "demissão" do Caribe tinha sido antecipada aos bispos no dia 21 de agosto com uma breve carta oficial. Anunciava-se a transferência, mas não os motivos. Durante algumas semanas, os monsenhores locais acreditaram que o problema fosse a péssima relação entre Wesolowski e o arcebispo de San Juan de Porto Rico, Roberto González Nieves.

Ignorava-se que o polonês tinha sido acusado de pedofilia. Uma chaga que o papa Francisco, desde os primeiros discursos públicos, prometeu curar, sanar e talvez remover definitivamente.

As associações contra os sacerdotes pedófilos, como a de Zanardi, que há anos desmascara quem se esconde sob a batina, pedem que a justiça (terrena) se cumpra e que as eventuais condenações sejam aplicadas. Mas há o temor de que uma rápida convocação ao Vaticano sirva para cobrir e evitar as consequências legais.

Agora, o próximo passo cabe a Francisco.

Com tradução de Moisés Sbardelotto para IHU On-line.





Padre é acusado de seduzir menino com doces e terços
abril de 2013

Casos de padre pedófilo

Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...