Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Sínodo rejeita possibilidade de Igreja Anglicana ter bispas

por Eric Albert para Le Monde

Rowan Williams
Rowan Williams, líder da Igreja,
disse ter ficado decepcionado
Surpresa na Igreja da Inglaterra. Depois de 12 anos de procedimentos, de votações intermináveis, de discussões ferozes, o Sínodo rejeitou ontem (20), a possibilidade de nomear bispas mulheres. A decisão provocou uma grande surpresa e consternação entre os próprios anglicanos. Após o resultado, obtido com apenas seis votos de diferença, grupos de mulheres desoladas e com lágrimas nos olhos se consolavam no anfiteatro da Church House, em Londres, onde se realizou a votação.

A decisão final surpreendeu porque a grande maioria da Igreja da Inglaterra é favorável a essa medida. Votaram a favor quase três quartos dos membros do Sínodo. Mas as regras muito democráticas dessa Igreja exigiam uma maioria de dois terços em três Câmaras: a dos bispos, a do clero e a dos leigos. As duas primeiras se pronunciaram amplamente a favor da medida. Mas a terceira não, em que foram contados 132 votos a favor e 74 contra. Uma mudança de seis votos ou uma abstenção de nove contrários teria permitido que a medida fosse aprovada.

"Estou decepcionado", admitia logo após a votação Rowan Williams (foto), arcebispo de Canterbury, chefe da Igreja, que tenta há uma década encontrar um compromisso entre os dois lados. "É uma decisão que será difícil que o restante da sociedade compreenda. É uma péssima notícia para a Igreja da Inglaterra", acrescentou Stephen Cottrell, bispo de Chelmsford.

A rejeição é ainda mais surpreendente porque as mulheres podem se tornar sacerdotisas desde 1992. À época, a decisão havia provocado fortes tensões, e muitos anglicanos haviam realizado a secessão, unindo-se à Igreja Católica. Hoje, as mulheres representam quase metade das novas ordenações. Permitir que elas se tornassem bispas parecia lógico. Parecia até inevitável, dado que 42 das 44 dioceses haviam votado a favor da medida.

Quase a metade das "províncias" anglicanas do mundo (a Igreja da Inglaterra representa apenas duas) já aceitam o princípio das bispos mulheres. Por uma coincidência de calendário, a África do Sul escolheu no dia 20 de novembro a sua primeira bispa mulher, que assumiu na Suazilândia. "Talvez seja a hora de que a Inglaterra tenha aulas com a mama África", dizia um membro do Sínodo, antes do resultado da votação.

Quem se opôs a essa mudança, por razões teológicas diversas, foram duas correntes: os anglocatólicos, ou seja, o ramo tradicionalista, e os evangélicos anglicanos. Mas o resto da Inglaterra há muito tempo não tenta mais convencê-los. O objetivo das discussões é apenas o de encontrar para eles um espaço à parte, respeitando as suas crenças.

Por exemplo, foi introduzida uma disposição que prevê que uma bispa mulher possa delegar os seus poderes a um homem nas paróquias tradicionalistas. Intermináveis debates nasceram a propósito dos detalhes concretos dessa disposição. Na verdade, os contrários a julgavam vaga demais e temiam se tornar anglicanos de "segunda classe".

A votação da terça-feira pôs fim a esse conflito, mas Stephen Cottrell, bispo de Chelmsford, advertiu: "A questão das bispas mulheres certamente será reproposta em alguns anos".

Com tradução de Moisés Sbardelotto.

Mulher é inferior em todas as religiões, diz feminista egípcia
março de 2011

Novo líder da Igreja Anglicana foi executivo da indústria de petróleo
novembro de 2012

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...