CNBB repudia fotomontagem que mostra Neymar crucificado

Leonardo Steiner
Dom Steiner disse que liberdade
de expressão tem limites
A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) emitiu nota ontem (28) repudiando o uso pela revista Placar de uma fotomontagem em que o jogador Neymar, do Santos, aparece crucificado, como Jesus.

“A ridicularização da fé e o desdém pelo sentimento religioso do povo por meio do uso desrespeitoso da imagem da pessoa de Jesus Cristo sugerem a manipulação e instrumentalização de um recurso editorial com mera finalidade comercial”, diz a nota.

Estados e igrejas não têm poder para impedir a liberdade de opinião.
por Carlos Eduardo Lins da Silva em setembro de 2012

Para dom Leonardo Steiner (foto), secretário geral da entidade, a capa da revista “é uma agressão à liberdade da torcida”.

Ele informou que a CNBB não vai acionar nenhuma medida judicial contra a Placar, mas que, mesmo assim, não pode deixar o “desrespeito” passar “em branco”.

A CNBB acentuou na nota que a revista “extrapolou os limites da liberdade de expressão”. “Reconhecemos a liberdade de expressão como princípio fundamental do Estado e da convivência democrática, entretanto, que há limites objetivos no seu exercício.”

Placar disse não haver
conotação religiosa
A reportagem da capa se refere às acusações injustas, segundo a revista, ao Neymar de que ele tem abusado do “cai-cai”, sendo que no futebol brasileiro tem sido comum o “jogo sujo” por parte de todos.

Antes da divulgação da nota da CNBB, a direção da revista já tinha se desculpado em seu site com quem se sentiu ofendido com a capa e explicou que a fotomontagem não tem conotação religiosa. Argumentou que a "crucificação" de uma pessoa é uma simbologia histórica.

Com informação das agências.

Religiosos criticam revista que mostra Neymar em uma cruz.
setembro de 2012

 Religião contra liberdade de expressão.