Indonésio preso por ser ateu agradece apoio internacional

Alexander Aan
Alexander Aan disse que, se não fosse a
solidariedade, se sentiria muito sozinho
O indonésio Alexander Aan (foto), 31, agradeceu o apoio que tem recebido de livres pensadores de vários países, entre os quais o Brasil, Estados Unidos, Colômbia, Rússia, Alemanha, Japão, Dinamarca, Suécia e Canadá.

No começo do mês passado, um amigo que o visitou na prisão lhe falou sobre as manifestações internacionais de solidariedade. “Agradeço o apoio e o amor”, disse Ann. “Sem isso eu me sentiria muito só.”

Em janeiro, após sofre ameaça de linchamento, Aan foi preso por ter escrito no Facebook que “Deus não existe” e ter publicado artigos e desenhos animados sobre Maomé.

Em junho, com base na lei da blasfêmia, ele foi condenado a cumprir pena de 2,5 anos de prisão e a pagar multa equivalente a R$ 22 mil. Ele teve de ser transferido de prisão porque apanhou de detentos por não acreditar em Deus.

Carlos A. Diaz, presidente da AAI (Atheist Alliance International), disse que Aan perdeu o emprego e foi condenado simplesmente por expressar a sua descrença. O indonésio era funcionário público.

A AAI está recebendo doações para pagar os advogados de defesa de Aan, que vão tentar tirá-lo da prisão antes do término da pena. Eles estão pedindo clemência, que é um recurso previsto na lei da Indonésia.

A entidade também está ajudando a manter a família do rapaz e pretende lhe dar uma bolsa de estudos quando sair da prisão.

O link para doações é http://www.atheistalliance.org/support-aai/donate.

Com informação da Atheist Alliance International

Muçulmanos pedem decapitação do indonésio que disse ser ateu.
fevereiro de 2012

Alexander Aan.   Ateísmo.

Comentários

  1. Incrivel que em pleno seculo 21 ainda existam paises que proibem a liberdade intelectual !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. só é incrível pra quem vive no mundo cor de rosa. isso acontece em todos os países, de uma forma ou de outra.

      Excluir
  2. É proibido colar texto do site a voz da Rússia aqui?

    ResponderExcluir
  3. Este homem foi injustamente preso, apenas por expôr seus pensamentos. Essa prisão é o reflexo de uma sociedade acorrentada a costumes medievais, advindas de uma religião fanática e assassina. É isso que é uma teocracia. É uma ditadura, e das piores. É a ditadura do pensamento. Você está proibido de pensar. E se pensar, fique calado, ou aguente as consequências.

    Será que os religiosos, e isso inclui cristãos também, estão dando apoio à ele ou estão compactuando com esse absurdo? Estão fazendo alguma coisa para acabar com essa vergonha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os cristãos estão adorando isso! A icar já até ta pedindo lei da blasfemia no mundo todo! Eles querem acabar(de novo) com esses blasfemadores de cristo. Logo sai outra bula papal ensinando métodos de tortuta.

      Excluir
    2. Ta esperando muito da escoria religiosa ele querem a cabeça dele em uma bandeja de prata os homens sensatos estao sozinhos

      Excluir
    3. volui dicere religio est diabolus, sicut in Deo non bibliis, religiones vel similia evertit religionis valde bene scriptum Biblia ideo fiunt mala fide ad alios decipiendos nomine deus, Deus est, Deus est me, est te, est, religio est fictus, bibliba etiam magis..

      Excluir
  4. Injustamente não foi, ele era ciente das leis do país dele. As pessoas tem que entender que no mundo real, quem faz a lei é a sociedade. Se a sociedade acha que é crime, é crime, ponto final e quem se sentir incomodado, tem todo o direito de pegar em armas e fazer algo real ao invés de defender utopia na internet.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então é crime pensar no país deles?

      Excluir
    2. E você acha justo isso? Quer dizer que por ser lei os ateus devem ficar de quatro para o Estado e serem impedidos de pensar?

      Isso tem nome, se chama "tirania".

      Excluir
    3. Ah, mas e se ele fosse cristão? Aí ele se tornaria um mártir, um símbolo da "cruel e injusta" perseguição aos cristãos no mundo inteiro!

      Hipocrisia é pouco!

      Excluir
    4. tem certeza que ele "tem todo o direito de pegar em armas e fazer algo real"?

      bem massa essas leis que proíbem expressar ateísmo mas permitem revolta armada contra o governo... ¬¬

      Excluir
  5. Tão adoráveis os detentos que, com deus no coração, agrediram o rapaz, não é mesmo, Datena?

    ResponderExcluir
  6. "Deus" sem dúvida deve ter admirado e apoiado a ideia desses animais, bater, decaptar, prender e matar, sem dúvida muito divino ! Religião = Hipocrisia, triste ver uma coisa RIDÍCULA dessas ocorrer. Todos sabemos que isso ocorre em todas sociedade, mas de forma oculta e sem punições (O que já é ruim), mas isso é inexplicavelmente ridículo.

    ResponderExcluir
  7. É um idiota, encantado e embriagado com a descoberta da inexistência de Deus! Um irresponsável que troxe a desgraça sobre si e sobre sua família. Um homem com 31 anos de idade deveria saber sobre as leis de sua comunidade.
    Agora ele deve ter aprendido que grandes mudanças, principalmente no campo religioso, não se fazem com um único idivíduo e sim com uma coletividade.
    Quando sair da cadeia será um pária em sua própria terra, mas terá a chance de unir a grupos que pensam igual a ele e agir de forma impessoal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não xingue ele sem motivo, ele apenas expressou a opinião dele, que nem você fez agora, gostaria de ser preso pelo o que falou agora?

      Excluir
    2. Grandes mudanças começam com atitudes individuais devemos torcer por ele

      Excluir
    3. A Conclusão Pessoal inicial sobre a inexistência de Deus não vem por um processo indutivo, normalmente. O indivíduo começa a observar o descumprimento de algumas promessas da Divindade. Exemplo: "Bata e a porta se abrirá." Mas aí ele observa que há muitos que questionam e não obtém respostas e há muitos que buscam e não obtém resultados (Ex.: Por que tantas mortes estúpidas?).

      Depois o indivíduo olha para o mundo à sua volta e vê que a religião tem funcionado como um obstáculo à erradicação de mazelas como a AIDS.

      Por final ele olha a conduta dos sacerdotes que, apesar de mergulhados profissionalmente na doutrina religiosa, praticam reiteradas transgressões a ela e às leis do Estado.

      Desta forma, a conclusão sobre a inexistência de Deus é, normalmente, um processo dedudivo. Ou seja, parte de uma série de problemas ou questões sugestivas e converge para esta constatação específica. Assim, se a Divindade não cumpre suas promessas, não permite que a humanidade se livre do mal e é incapaz de inspirar disciplina em seus defensores mais devotos, então ela não existe.

      Mas essa conclusão pode ser trabalhada, também, por um processo indutivo. Isso, normalmente, é feito por quem já o fez antes por dedução. É assim: se Deus existisse, ele cumpriria suas promessas, não permitiria que o Mal se instalasse no Mundo e os Sacerdotes não praticariam delitos. Como nada disso acontece, então Deus não existe.

      Excluir
  8. O ideal é conseguirem para ele asilo político em outro país.

    ResponderExcluir
  9. Acredito que ele resolveu arriscar. Como indonésio, ele devia saber sobre as leis de seu país e os riscos de seus atos.

    O mais importante é o exemplo dado. Leis estúpidas continuam estúpidas quando são infringidas.

    ResponderExcluir
  10. Para os religiosos, Deus existe.

    ResponderExcluir
  11. que deus cruel esse nosso...

    ResponderExcluir
  12. Bom, tudo começa com o primeiro passo, tem gente q até xingou o cara, caramba...se fosse assim o Apartheid estaria aí ainda por exempro

    ResponderExcluir
  13. É verdade que a nível das ídeias e das palavras procuramos levar o evangelho á todos e com veemencia lutamos pela verdade. Mas a vingança concernente aos pecados cometidos contra Deus, pertence somente à Deus. E não aos homens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas como o mito é somente isso: "um mito", os homens seguidores de mito se encarregam de tomar para si essa propriedade de vingança. Acho que no fundo sabem que só assim seu mito se manifesta.

      Excluir

Postar um comentário