MP move ação contra uso de estádio por evento religioso

promotor Mauricio Antonio Ribeiro Lopes
Lopes pediu indenização
de R$ 50 milhões
O promotor Mauricio Antonio Ribeiro Lopes (foto), do Ministério Público de São Paulo, encaminhou ontem (3) à Justiça ação civil pública pedindo a condenação do município de São Paulo por ter permitido que o estádio do Pacaembu fosse utilizado para a comemoração do centenário da Assembleia de Deus.

Lopes argumentou que, além de o prefeito Gilberto Kassab estar impedido de ceder o local a uma agremiação religiosa por força da laicidade do Estado, havendo inclusive decisões judiciárias nesse sentido, o evento produziu excesso de ruído, incomodando a vizinhança.

Na ação, o promotor acusou Kassab e o pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da denominação religiosa, de improbidade administrativa e pediu o ressarcimento ao erário público de R$ 50 milhões.

A comemoração ocorreu no dia 15 de novembro de 2011. Teve a participação de 30 mil pessoas, incluindo autoridades como o governador Geraldo Alkmin e o ministro Gilberto Carvalho representando a presidente Dilma, além de Kassab. O tucano José Serra também esteve presente.

Com informação das agências.





Governantes prestam reverência ao centenário da Assembleia de Deus
novembro de 2011

Religião no Estado laico.