Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

......................................................................................

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Holandês muçulmano quer que cães sejam banidos de Haia

Para muçulmanos,
 cães são animais
 'impuros'
O político holandês Hasan Küçük, representante da comunidade muçulmana de Haia, defendeu a proibição de cães na cidade, a terceira maior do país, porque, pela tradição islâmica, esses animais são “impuros”.

Küçük falou sobre a criminalização dos donos de cães para rebater a proposta do Partido para os Animais de tornar a cidade mais amigável para os cães, informou a edição do último dia 28 do The Telegraaf.

A reação ao muçulmano tem sido de repúdio e gozação. Paul Linden, do Partido da Liberdade, por exemplo, levou Küçük a sério. Ele disse que ter cães não é ilegal no país e “quem não concorda com isso deve ir embora”.

Comentaristas políticos acreditam que Küçük fez as declarações apenas para firmar a sua liderança na comunidade islâmica, que representa 12% da população de cerca de 500.000 pessoas de Haia.

Küçük é do ID (Democratas Islâmicos). Em seu site, o partido diz ter sido fundado “sobre os princípios islâmicos da justiça, igualdade e solidariedade”. “O ID é uma resposta ao grande fosso que existe entre as comunidades islâmicas e os políticos.”

Küçük não esperava que a sua declaração fosse ter tanta repercussão e, provavelmente por causa disso, tentou recuar. Disse que as suas palavras foram interpretadas “fora do seu contexto”. Alegou que defendeu a proibição dos cães na cidade para poupá-los do sofrimento de ficarem presos dentro dos apartamentos.

A justificativa de Küçük foi ironizada em sites holandeses com o argumento de que é estranho um muçulmano defender um “animal impuro” da prisão domiciliar e o mesmo não ocorra em relação às mulheres dos seguidores do Islã -- elas pouco saem de casa.

Soeren Kem, do Stonegate Institute, uma entidade apartidária que faz pesquisas sobre os direitos humanos no mundo, escreveu que tem havido em países europeus casos como o protagonizado por Küçük, envolvendo cães, que advêm do aumento da imigração de muçulmanos na região.

Ele informou que na Grã-Bretanha motoristas muçulmanos de táxi se recusam a transportar cegos acompanhados de cão guia. Em Nottingham, um deles chegou a ser multado em US$ 470 (R$ 802). Em Londres, um motorista de ônibus impediu que uma mulher embarcasse com seu cachorro porque uma passageira muçulmana poderia se sentir ofendida.

Também na Grã-Bretanha, policiais que conduzem cães farejadores são orientados a não colocarem os animais em contato direto com muçulmanos, restringindo a vistoria nos aeroportos e estações ferroviárias somente às bagagens deles.

Quando investigam mesquitas e casas de muçulmanos, esses policiais têm de cobrir as patas dos cães com chinelos de couro para manter a "pureza" do ambiente.

Na Escócia, a polícia da cidade de Tayside teve de pedir desculpas à comunidade de 3.000 muçulmanos por ter usada a foto de um filhote de pastor alemão em uma campanha de divulgação do novo número de telefone para casos de emergência.

Na cidade espanhola de Lérida (região da Catalunha), onde os muçulmanos representam 20% da população, líderes islâmicos reivindicaram a restrição do uso do espaço público por cães. Eles estavam querendo banir os “animais impuros” dos locais frequentados por muçulmanos, incluindo o transporte público.

Depois que as autoridades negaram o pedido, em setembro de 2011, dezenas de cães foram mortos por envenenamento nos bairros onde se concentram os muçulmanos.





Com informação do site do Stonegate Institute, entre outros.

Grã-Bretanha condena muçulmanos que pregam a morte de gays
janeiro de 2012
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...