Sempre foi comum na Uganda cortar órgãos e queimar pessoas

Título original: A África de Naipaul

por Luiz Felipe Pondé para Folha

Quer conhecer um pouco sobre a África? Leia V. S. Naipaul. Recomendo. Aliás, o Nobel recomenda. Mas Nobel não basta. Saramago foi Nobel e sempre o achei um chato. Seu livro sobre Caim é um desfile de bobagens e desinformações sobre a Bíblia. Qualquer um que conheça um pouco desse clássico da literatura hebraica antiga perceberá que Saramago não entendia nada sobre o assunto.

Leia "A Máscara da África - Vislumbres das Crenças Africanas", publicado no Brasil pela Companhia das Letras. O livro traz a narrativa da recente visita de Naipaul a alguns países da África. O resultado é um jornalismo sofisticado em detalhes e reflexivo tanto na forma quanto no conteúdo.

O intrigante, hoje em dia, é que muito "inteligentinho" acha que combater o preconceito é inventar mitos de bondade e pureza sobre o "outro". Naipaul é um antídoto contra essa doença infantil.

Aliás, algo que surpreende Naipaul com relação à África é o fato de que muitos povos de lá não tinham alcançado a escrita antes de entrar em contato com muçulmanos e cristãos (ou seja, "ontem"), quase todo seu passado é mito e quase nada é história. É mais ou menos como viver em delírio constante quanto ao seu passado, sem saber o que de fato foi real e o que foi apenas devaneio.

É comum tratar Naipaul como "eurocêntrico", o que, por si só, já é uma boa recomendação, pois significa que a moçada politicamente correta, que exerce essa censura sem caráter, não gosta dele.

Não há nada no livro que nos remeta a "preconceitos", mas há, sim, muita coisa que revela a tristeza que ainda assola a África e que sempre existiu, mesmo antes dos absurdos que os brancos fizeram por lá. A grande mentira sobre a África é que os brancos tornaram-na violenta, pobre e infeliz. Não, ela é assim há muito tempo. Mas os europeus tampouco ajudaram.

Hoje em dia, é comum obrigar alunos a estudar a história da África. Pergunto-me como isso é feito. Temo que a África seja compreendida como um doce de coco que só não é melhor por culpa dos malvados brancos.

Não, todos os homens são maus, pouco importam cor, sexo, raça ou crença. Alguns poucos se destacam pelo bem. É verdade que esgotos, estradas e a recusa embutida nos sacrifícios humanos ajudem um pouco a você deixar de ser um bárbaro.

O livro de Naipaul dá atenção especial às crenças africanas. A catequese cristã e a islâmica destruíram o tecido das crenças ancestrais de muitos africanos, os deixando nem lá nem cá.

Por exemplo, queimar pessoas vivas foi um hábito dos povos africanos até "ontem". Ou melhor dizendo, até "hoje".

Matar, despedaçar, cortar órgãos e queimar pessoas por razões religiosas (e outras) sempre foi uma prática comum entre povos de Uganda, por exemplo. Em grandes quantidades.

Sim, eu sei que europeus também fizeram isso. Lembra o que eu disse acima sobre os homens serem maus? Mas a questão aqui não é essa, mas, sim, combater o "preconceito" de que a miséria material e moral africanas tenham sido criadas pelos europeus.

O encontro de culturas que não conheciam a roda até "ontem" (é isso aí...) com os colonizadores europeus (que nunca tiveram nada de bonzinhos) criou países à deriva.

Exemplos de tragédias cotidianas entre populações pobres numa mesma edição de um jornal ugandense:

1 - "Homem queima dez pessoas numa cabana". Um homem briga com sua mulher, joga gasolina e toca fogo. Entre as dez pessoas, sete eram crianças.

2 - "Meu marido foi cortado em pedaços com um machado na minha frente". Além de matar o marido, o assassino cortou uma mão da mulher; enquanto despedaçava a vítima, acusava-a de poligamia, daí a suspeita de que algo de cristianismo x "paganismo" estava em jogo na "disputa".

3 - "Acusada de queimar filho vivo". Esse parece ser um gosto da "cultura ugandense" mais "primitiva": queimar gente viva; o filho de 18 meses estava num saco com as pernas atadas.

Fora as manchetes, a bruxaria é comum até hoje. Diretores de escolas podem ser mortos por serem acusados de bruxaria e irmãos podem matar sua tia de 42 anos, além de arrancar sua mandíbula e sua língua com o intuito de fazer mágica. Até hoje, a bruxaria é "oficial" em muitos lugares da África.

Puro neolítico?

Pessoas sendo queimadas em vídeo não são cristãs, dizem salesianos.
abril de 2011

Artigos de Luiz Felipe Pondé.

Comentários

  1. O que será que é pior? Brasil, EUA, Suécia, Canadá, China, Índia ou Uganda? Sei lá, cada um sabe o que é ou poderia ser pior ou melhor para si próprio. Eu , por exempo, acho que seria mais feliz vivendo numa Social Democracia de Bem Estar Social, como a dos países Nórdicos. Detesto a cultura capitalista segregacionista brasileira (país onde nasci e vivo, infelizmente. Pior: acostumei-me a ele e agora, pra sair dele, é muito difícil). Mas há suecos e noruegueses que são muito mais felizes, saindo do Wellfare State onde nasceram, para passarem a viver aqui, neste capitalismo selvagem, cruel e profundamente desigual que vigora no Brasil. Esse caos cultural, social e econômico do país dos espertinhos que levam vantagem em tudo e tal. Gosto cada um tem o seu. É algo bem relativo. Há quem goste do ateísmo, quem goste das tradições judaico-cristãs e quem goste de bruxaria (macumba, magia etc...).Cada um na sua né? Vai fazer o que? Afinal, quem é o dono da verdade hum???.....HAHAHAHAHAHAHAH (PUNK!!!)

    ResponderExcluir
  2. Quem é pondé pra falar de saramago........?

    acho que o POndé recebe ´´um por fora´´ da ICAR.....pra combater o ateismo...

    ResponderExcluir
  3. Pondé é a reencarnação de Schopenhauer, nota -se perfeitamente a semelhança!

    ResponderExcluir
  4. Pondé é a reencarnação de Schopenhauer, nota-se perfeitamente a semelhança!

    ResponderExcluir
  5. Pondé está ficando sem graça

    ResponderExcluir
  6. Ora, Pondé fala assim por que ainda não viu o que acontece nas periferias Brasil afora... E ele não quer ver. Afinal, na igrejas dos pobres, só o que tem são carrões do lado de fora e mendigo não entra.

    ResponderExcluir
  7. Muitos países africanos, não só a Uganda, ainda vivem em disputas tribais e mantem sim suas culturas, nem precisa ler nenhum Nobel prá saber.
    Usando a metáfora do futebol, Pondé parece aquele zagueiro que perde o tempo da bola e acaba atingindo o adversário, ou chutando a canela 'prá não perder a viagem', não entendi o que Saramago tem a ver com isso...

    ResponderExcluir
  8. O argumento central do Pondé é como uma cortina de fumaça impedindo uma discussão séria: "Não fale dos europeus saqueadores e sequestradores de negros, pois esta gentalha também não é flor-que-se-cheire." Oras, cada coisa no seu lugar, existe uma dívida para com aquele povo sim e aquele povo tem que rever seus valores sim.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Sempre existiu pobreza, sempre existiu racismo, sempre existiu tal coisa e tal coisa. Mas será que a vida é isto: apenas "saber que" e nunca "saber como" e tentar reduzir os problemas?

    ResponderExcluir
  11. Não temos dívida com ninguém. É totalmente ridícula essa ideia de que uma geração tem de pagar pelos atos da outra. Ninguém aqui era sequer nascido na época da escravatura.
    Aliás, tem um ranço de cristianismo nessa ideia de que há um "pecado original" cometido gerações atrás e do qual já nascemos culpados.

    ResponderExcluir
  12. O texto do Pondé vem atacando uma certa tradição metafísica que diz que somos naturalmente iguais. Ora, ninguém é igual, e na história há coisas mais escandalosas que a escravidão.
    Isso é bem dito pela poesia, se se forem bem lidos os chamados clássicos, que os teóricos vivem criando mil teorias para dizer porque aquilo deve ser lido, e ignorando o que está no livro de fato: que a vida nunca foi, e nunca será, fácil. Sempre a vida nos colocará pedras e pedras em nosso caminho.
    No entanto, Pondé assume uma posição deveras superficial e conservadora, e, pelo que me dizem algumas boas línguas, até financiada pela Opus Dei.
    Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  13. Pondé é a reencarnação de Schopenhauer, nota-se perfeitamente a semelhança!

    ResponderExcluir
  14. O Pondé falando mal do Saramago, um filosofo de meia tijela criticando o Saramago. Essa foi boa! Um filosofo com um blá blá blá em cima do politicamente correto, cheio de analogias grotescas e chamejante. Valeu Pondé por me provar a tua ignorancia critica.

    ResponderExcluir
  15. 750 mil pessoas morrerão de fome na Somália dentro de 30 dias. 12 milhões passam fome. Culpa principalmente dos próprios africanos. Não é necessário se aprofundar muito em estudos para perceber que a cultura tribal determina o modus vivendi. Não adianta botar a culpa nos outros (europeus, americanos, nós). Poderiam/podemos ajudar? Sim, mas não o fazemos. Muito fácil falar que os europeus sugaram as riquezas africanas...e por aí vai. Verdade, isso é fato. Mas alguém levanta o traseiro da sua poltrona pra fazer algo além de criticar? É situação semelhante a dar esmola no semáforo. Vem um abelhudo te criticar, dizer que o cara tomará pinga, crack, fazer o diabo. Eu digo: dane-se, dei a grana e disse para comprar comida. Se vai fazer outra coisa, problema dele. Melhor que só criticar (como o abelhudo) e não fazer piciroca nenhuma. Concluindo, não acho que o mundo rico seja culpado da miséria africana, mas é óbvio, deveria ajudar, isso sim. Mas a culpa, essa é da África mesmo.

    ResponderExcluir
  16. Se existe preconceito contra negros saibam que negros tb tem preconceitos contra brancos, se a igreja é hipócrita saibam que os ateus tb são,se o papado mandava trucidar saibam que Stalin tb fazia o mesmo, Essa é toda filosofia e sabedoria do teólogo Pondé! É o cara mais cansativo e sem graça que a grande mídia arrumou nos últimos anos, um picolé de chuchu versão teologia da irritação!

    ResponderExcluir
  17. Alguns textos do Pondé, este por exemplo, são curiosos porque uma leitura inicial passa a impressão de que ele está CERTO! Isso acontece porque o autor acaricia cuidadosamente nossos preconceitos, medos e lugares-comuns. Trata-se de um texto persuasivo, não argumentativo. É preciso ter um certo desprendimento, uma certa dose de autocrítica, para evitar cair na armadilha e perceber que:

    a) ele comete a falácia do apelo irrelevante à autoridade ao citar V. S. Naipaul para embasar sua crítica fétida à África (esse lugar de onde vêm os demônios que os cristãos tanto combatem).

    b) o texto não tem uma tese clara, parece apenas destinado a aplaudir Naipaul devido ao fato de o escritor estar afagando os preconceitos do articulista.

    Digo, afirmo e desafio quem queira discutir, que o apelo de Pondé a Naipaul é uma falácia de APELO IRRELEVANTE À AUTORIDADE. É uma falácia bem chulé, diga-se de passagem, uma do tipo que revolta a inteligência.

    V. S. Naipaul é um prêmio Nobel de LITERATURA. Isso pode fazer dele um grande ficcionista, mas não lhe dá uma capacidade extraordinária para entender e explicar a cultura africana. Aliás, conhecendo o pouco que conheço do autor, duvido que nesse livro ele faça isso. A obra que Pondé comenta é apenas literatura de viagem, com o olhar exótico do estrangeiro que passa uns tempos por um lugar. Somente mentalidades colonizadas conseguem valorizar de uma maneira tão forte o olhar do estrangeiro, do brazilianist, do antropólogo europeu em férias.

    Mas tanto o brazilianist quanto o antropólogo tem o mérito de serem especialistas. Naipaul não é. Por isso sua obra tem o mesmo valor, literário, de qualquer outra literatura de viagem. Não é um ensaio autoritativo sobre a África, tanto quanto "Caim" (um romance) não é um ensaio autoritativo sobre crítica bíblica.

    É nisso que consiste o APELO IRRELEVANTE À AUTORIDADE: evocar o nome de alguém famoso para validar sua posição, não sendo a pessoa evocada especialista no assunto:

    - esse remédio deve ser bom porque a Regina Duarte recomenda.
    - vou comprar esse carro porque a Hortência disse que tem um e gosta.
    - a África é assim ou assado porque o V. S. Naipaul escreveu isso.

    Tenho dito.

    ResponderExcluir
  18. Óbvio que os tarados por apontar falácias,não iriam perder essa oportunidade e iriam listar:falácia de apelo a autoridade.E lógico,após listada a falácia,um longo texto cansativo explicando a mesma,como se ninguém conhecesse ou pudesse perceber por si mesmo.

    Aliás,essa falácia é o que menos importa no texto,já que o estilo do autor é mais informal, e é algo que ele faz quando fala de Dostoievsky.Óbvio,que num texto mais rigoroso,acadêmico e/ou não polemista isso não seria verdade,e a falácia deveria ser condenada.

    Mas enfim,discutindo o texto em si e tendo aceitado o seu "espirito" estilístico,penso que:

    1)Realmente os homens são maus em sua maioria e não,os africanos não são santos.E não,dizer isso não significa que ser preconceituoso.E os africanos praticavam atos hediondos muito antes do homem branco chegar.Há gente boa lá,mas também há gente muito ruim.Realmente é muito ridículo quem acha que a àfrica é composta apenas de gente legal vitimizada pelo capitalismo(ou-sei-lá-o que) opressor.

    2)No entanto discordo do Pondé,ou melhor da aparente tentativa do Pondé,de chamar apenas a atenção para "o homem negro também é mau".Pq sim,isso é verdade como eu disse em 1),mas isso não isenta o homem branco europeu das suas atrocidades cometidas na África,do horror da escravidão e do descaso atual com o continente africano.Clichê ou não isso é também verdade,e não pode deixar de ser lembrado.Os crimes dos homens negros devem ser apontados mas os crimes dos homens brancos não podem ser esquecidos.

    ResponderExcluir
  19. "(...) todos os homens são maus, pouco importam cor, sexo, raça ou crença."

    Realmente, Pondé é um fenômeno. Um cérebro descomunal. Nota-se pela afirmação.

    Só um gênio, o maior de todos, poderia falar em nome de 6 bilhões de pessoas com toda essa propriedade.

    Deveriam nomeá-lo para um prêmio intergaláctico dos séculos ad infinitum. Ele já definiu e classificou a natureza humana.

    Realmente um fenômeno!!!

    ResponderExcluir
  20. "(...) todos os homens são maus, pouco importam cor, sexo, raça ou crença."

    Concordaria apenas que grande parte da humanidade tem uma natureza fortemente inclinada à violência (má), pouco importam sexo, raça ou crença.

    Dizer que todos são assim , parece-me um tanto exagerado. Mas, ainda admito, possível.

    Sempre encontro mais razões para concordar com o Pondé, do que para criticá-lo. Não o considero (e tampouco a mim mesmo ou quem gosta do pensamento pondeniano), conservador. Considero fanáticos e paranóicos os que enxergam tanto conservadorismo no Pondé.

    Ele apenas tenta inventigar, filosofica e imparcialmente, a essência da natureza humana.(dentro , evidentemente, daquilo que é possível fazer, nos limites de um coluna de jornal) e procurando não se situar em nenhum pólo ou extremidade do debate (que quase sempre tendem a ter leituras mais infantis e superficiais - não dialéticas - das coisas). Ele apenas procura ser um pensador centrado e com isso, é suficiente, para provocar a ira dos extremistas radicias. Incrível.O que é a paixão fanática, não é?

    ResponderExcluir
  21. Você é assim mesmo ou faz tipo...

    ResponderExcluir
  22. Adoro a mentalidade que o Pondé segue, suas tendencias, realmente a historiografia segue uma determinada corrente de esquerda, no qual os pobres sempre são bons, ou a idade média foi um tremendo caos, ou ser de direita ou de extrema direita é ruim, sou professor de Geografia, área infelizmente afetada por esse tipo de interpretação, e me lembro sempre de uma frase que ouvi certa vez em um conselho de classes, assim, "o verdadeiro professor livra os alunos de sua influencia" Obrigado pelo espaço. (Thiago).

    ResponderExcluir
  23. Algumas pessoas não lembram (deve ser porque faz muito tempo) mas os negros não foram os únicos povos a serem escravizados. Talvez alguns dos cavalheiros também não saibam mas os negros também escravizavam.
    Quem escravizou no passado e quem foi escravizado(negros e brancos) estão mortos e enterrados.Faria um bem enorme a toda a humanidade usar os malfeitos antigos como aprendizado e não esse eterno apontar de dedos que não acaba nunca e cujos grandes vilões são sempre os malvados brancos europeus!
    Por acaso alguém já se deu conta de que esses vilões horrendos já fizeram (e fazem) grandes contribuições à humanidade? Claro que não ,só conseguem se lembrar que os europeus(assim como africanos) também achavam normal escravizar seus semelhantes.
    Cadê a novidade? Gente é assim...

    ResponderExcluir
  24. o texto traz um grande lepra de maniqueismo ao contrapor o selvagem bonzinho e o europeu malvado, o interessante é que a escravidão sempre ocorreu na africa entre castas rivais( leia-se negros x negros) que escravizavam os vencidos e os vendiam aos europeus, interessante tambem que o cristianismo ao catequisar esses povos conseguiu suprimir muitas praticas desumanas (sacrificios humanos, supersticoes)embora se admita que houve tbem excessos de alguns cristaos e não do cristianismo como um todo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, todo mundo é malvado, menos o cristianismo que é perfeito e so faz o bem, né?

      Excluir

Postar um comentário