Mariana Rocha de Souza, vítima do atirador do Realengo

Mariana Rocha de Souza (foto), 12,  tinha na escola um irmão de 9 anos. O menino disse que de sua classe, no terceiro andar, ouviu tiros que vinham de onde a irmã estava. Uma colega de Mariana disse que ela era vaidosa, adorava ser fotografada e que pretendia ser modelo. Nadia Ribeiro, sua madrinha, acrescentou que a adolescente era também muito estudiosa.

O sepultamento do corpo ocorreu por volta das 12h de sexta-feira (8) no cemitério do Murundu, onde houve o enterro de outras vítimas do atirador Wellington Menezes de Oliveira. Um helicóptero da Polícia Civil sobrevoou o local jogando pétalas de rosas em homenagem às vítimas.

PROCESSO - atualização em 14 de abril de 2011

A dona de casa Noeli da Silva Rocha (foto), 38, mãe da Mariana, disse que pretende processar a escola Tasso da Silveira por ter deixado uma pessoa armada ir até as salas de aulas. Ela não se conforma porque, mesmo sendo mãe de aluna, foi barrada na escola, quando tentou entregar um lanche a Eduardo, 11, seu filho. "Eu não tive acesso nem na secretaria da escola, tive que entregar [o lanche] do portão. (...) Como que deixam um bandido que fez isso subir e matar um monte de criança? Isso foi erro de quem? Não foi da escola? Então eles vão ter que me pagar.”

> Perfil no Orkut de Mariana.

Vítimas do atirador da escola do Realengo.

Caso do atirador do Realengo.