Evangélicos se destacam em site americano de adultério

Cristãos são 70,5%;
agnósticos, 2%; 
e ateus, 1,4%
Os evangélicos compõem a maior parcela entre os cristãos afiliados ao site americano Ashley Madison, que se destina a homens e mulheres que procuram parceiros para ter relacionamento extraconjugal.

Embora afirmem seguir com maior empenho os ensinamentos bíblicos, os evangélicos representam 25,1% dos afiliados do site. Em seguida vêm os católicos (22,75%) e protestante (22,7%).

As informações são de uma pesquisa que o Ashley Madison fez com 63 mil afiliados.

O site, que tem uma versão em português, diz que é “o líder mundial em encontros discretos para pessoas casadas”. Seu slogan é “A vida é curta. Curta um caso”. Afirma ter mais de 26 milhões de afiliados em todo o mundo.

Agnósticos e ateus estão entre os menores grupos de adúlteros, representando em relação ao total do site 2% e 1,4%, respectivamente.

Na sequência dos grupos dos religiosos estão mórmons (1,6%), muçulmanos (1,5%), judeus (1,4%), Testemunhas de Jeová (0,5%) e hindu (0,3%).

De acordo com a pesquisa, 32% das mulheres e 24% dos homens rezam regularmente. Apenas 18% dos homens e 11% das mulheres consideram a traição um pecado.

Na interpretação de Noel Biderman, fundador do site, a religião está se tornando irrelevante quando uma pessoa decide ter um caso extraconjugal.

Com informação do Daily News.





Nos EUA, cristãos conservadores se divorciam mais que ateus
agosto de 2011