quinta-feira, 17 de abril de 2014

Deputado propõe distribuição de kit bíblico evangélico e católico

Kennedy Nunes
Para Kennedy Nunes, falta de religião
transforma ser humano em androide
O deputado estadual do PSD Kennedy Nunes (foto), de Santa Catarina, apresentou projeto de lei para que o Estado financie e distribua um kit bíblico às escolas da rede estadual, abrangendo alunos de 6 a 12 anos.

Pela proposta, o kit vai contemplar “todas as religiões”, mas curiosamente se apresentará em apenas duas versões, uma com a Bíblia evangélica e outra com a católica. Não haverá livros sagrados de outras religiões, como Corão e Torá.

Filho de missionários da Assembleia de Deus, Nunes há mais de 30 anos é harpista do grupo “Dedos de David”, de acordo com a Wikipédia.

O projeto de lei é inconstitucional porque a laicidade do Estado impede que qualquer instância de governo se envolva direta ou indiretamente com crenças religiosas.

Apesar disso, o deputado não vê qualquer “problema” em se falar de religião nas escolas. “Querem falar de religiosidade e até de gêneros, e por que a religião não?”

No Twitter ele escreveu: “Falta de religião faz do ser humano um androide”.

Cássia Ferri, especialista em educação, disse que o projeto de lei pode causar desconforto nos alunos se não contemplar todas as religiões.

“As escolas públicas precisam aceitar toda a diversidade religiosa, e a leitura dos textos bíblicos é válida, mas não pode ser a única opção aos alunos”, disse ela, sem mencionar que a descrença é também um direito assegurado pela Constituição.

O projeto de lei tem repercutido nas redes sociais, com mais críticas do que elogios.

Na página do Facebook de Nunes, por exemplo, Ricardo Gama escreveu: “Deputado, androide é um ser automatizado que imita a figura humana. Sou ateu e digo-lhe que essa carapuça não serve para mim, e sim para esse monte de religiosos que acredita num suposto deus como se fossem robots, obedecendo a regras arcaicas de um livro primitivo escrito por pessoas primitivas e delirantes”.

O projeto de lei ainda precisa passar por comissões da Assembleia Legislativa, para, se aprovado, ser votado em plenário.

Com informação do Clic RBS e do Facebook do deputado, entre outras fontes.





Ateu sofre preconceito igual ao gay dos anos 50, afirma filósofo
maio de 2010


Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...