Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

......................................................................................

segunda-feira, 10 de março de 2014

Brasileiros doam mais às igrejas do que para ongs sociais

Igrejas recebem
tanto  quanto os 
pedintes de rua
Estudo revelou que, do total das pessoas entrevistas, 30% fazem doação em dinheiro para igrejas e apenas 14% ajudam organizações não governamentais que mantêm projetos sociais. Somente os pedintes de rua merecem tanta atenção quanto as igrejas. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Os dados foram colhidos em três etapas em 70 cidades (incluindo nove regiões metropolitanas) em 2013 pelo IDIS (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social) e Ipsos Public Affairs. Mil pessoas foram entrevistadas em cada etapa.

De acordo com o estudo “Retrato da Doação no Brasil”, os mais pobres (classes C, D e E) doam proporcionalmente mais dinheiro para igrejas e pedintes de rua. As classes A e B, com maior poder aquisitivo, preferem as organizações.

O Norte e Centro-Oeste doam mais para igrejas e sociedade civil. Em comparação, a região Nordeste atende mais os pedintes de rua.

Gráficos mostram
 o perfil dos
 doadores
O estudo confirmou que os brasileiros não possuem cultura da doação nem à do voluntariado, em referência a países europeus, por exemplo. Do total das pessoas entrevistadas, 73% disseram que não são estimuladas pela família, escola, trabalho e comunidade a fazer doações.

Paula Jancso Fabiani, diretora do Idis, afirmou que o aumento da renda média no país não se refletiu no volume das doações. Disse que a percepção dos brasileiros é de que a transferência de renda cabe somente ao governo, por intermédio de programas como o “Bolsa Família”.

Mesmo assim, de acordo com a Receita Federal, as igrejas obtiveram R$ 14,2 bilhões em 2011 em doações e dízimo, com crescimento superior a 10% em relação ao ano anterior.

Na avaliação de Fabiani, é grande o potencial de expansão das doações, a partir de um “trabalho de captação [de dinheiro] estruturado e persistente”.

Do total das pessoas entrevistadas, 18% afirmaram que não deram dinheiro a nenhuma entidade porque ninguém pediu.

Com informação e arte do IDIS.





Igrejas arrecadaram em 2012 a média de R$ 60 milhões por dia
fevereiro de 2014

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...