Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Vaticano é paraíso fiscal com mais de 300 milhões de euros

por Fiona Ehlers e Fidelius Schmid
Mais de mil clientes usam o banco para
 esconder dinheiro de origem ilícita
para a revista Der Spiegel

Mais de mil clientes que não têm nenhum motivo para ter contas no Banco do Vaticano têm lá depositado mais de 300 milhões de euros, dinheiro que os funcionários da instituição suspeitam ser ilícito. Agora eles estão pedindo para que os fundos sejam retirados.

No final de maio, dois alemães estavam no interior fortemente vigiado do Banco do Vaticano e olharam para fora para a Praça de São Pedro. Ernst von Freyberg, 54 anos, tinha acabado de ser nomeado presidente do banco – e ele acabava de ser entrevistado pelo padre Bernd Hagenkord, o diretor do programa alemão da Rádio Vaticano. Os dois servos da Igreja Católica fizeram um balanço do que havia sido feito até então e concluíram que o chefe do banco havia sobrevivido a seu batismo de fogo.

"Estou convencido de que somos uma instituição financeira limpa e bem gerenciada", disse Freyberg no microfone. Ele também contou sobre as missas da manhã com o Papa na Casa de Santa Marta e encontrou palavras elogiosas para os diretores do banco. "Quando eu cheguei aqui, achei que teria que fazer antes de mais nada o que se conhece como uma limpeza", Freyberg admitiu, "mas ainda não descobri nada de errado".

O aristocrático presidente do banco – que em seu tempo livre organiza peregrinações a Lourdes para pessoas com deficiência física – aparentemente teve que mudar sua opinião de forma rápida e fundamental. De fato, praticamente no mesmo momento em que a entrevista foi ao ar, mais de 20 especialistas da consultoria norte-americana Promontory Financial Group entravam na fortaleza medieval Niccolò V para passar um pente fino em cerca de 30 mil contas que clientes do mundo inteiro mantêm no banco papal. Os auditores externos são especializados na detecção e rastreamento de irregularidades como corrupção e lavagem de dinheiro.

Uma história de escândalos

Os especialistas de fora também foram contratados para determinar quem está realmente por trás dos depósitos noBanco do Vaticano e o que está acontecendo nas contas individuais. De acordo com os estatutos do banco, a instituição financeira do Estado-Igreja é encarregada de abrigar fundos pertencentes a membros do clero e ordens religiosas. À medida que os auditores do Banco do Vaticano investigaram mais a fundo a natureza das contas, no entanto, ficou cada vez mais claro que um grande número de pessoas – que na verdade não deveriam nem ter permissão para ter contas no Banco do Vaticano – apreciam e muita suas discretas práticas de negócio.

O Estado da Igreja procurou a ajuda de uma firma de consultoria como parte de uma mudança de estratégia na qual está deixando o sigilo em direção a mais integridade e transparência. Na verdade, o Vaticano tem sido incomodado por assuntos relativos a seu banco desde que a Comissão de Obras de Caridade foi fundada em 1887. Isso serviu para proteger os ativos da igreja do apetite de desapropriação do Estado italiano. Ao longo das décadas, esta instituição financeira, que mais tarde foi rebatizada como Instituto para Obras Religiosas (IOR), parece ter se envolvido numa série de negócios escusos: houve acusações de lavagem de dinheiro para a máfia siciliana,manipulação da bolsa de valores e transações ilegais no valor de bilhões que passaram pelo banco.

O Banco do Vaticano também desempenhou um papel fundamental no colapso do Banco Ambrosiano de Milão em 1982, a maior quebra de um banco na história italiana. Pouco tempo depois, o presidente do banco foi encontrado pendurado numa ponte de Londres. Porém, assassinado. Na década de 1990, industrialistas italianos usaram o banco da igreja para lavar imensas propinas para políticos.

As reportagens escandalosas sobre a instituição financeira atingiu o seu pico mais recente em maio de 2012, quando funcionários da igreja, de repente derrubou o então chefe do banco Ettore Gotti Tedeschi no meio de uma investigação de lavagem de dinheiro por funcionários da justiça italiana e do escândalo Vatileaks. Agora que a investigação contra Gotti Tedeschi foi fechada sem qualquer acusação, há suspeitas crescentes de que ele teve de sair por outras razões. Em sua luta para implementar padrões internacionais na instituição, o presidente do banco evidentemente se desentendeu com outros funcionários poderosos do Vaticano.

Isso, em todo caso, é sugerido por um memorando que Gotti Tedeschi entregou a sua secretária dois meses antes de ser demitido. Altos funcionários do banco tinham dito que ele iria "entrar para a história como o homem que destruiu o IOR", ele escreveu.

Absoluta discrição e proteção contra processos criminais por autoridades seculares são há muito tempo as marcas registradas do Banco do Vaticano. Só em 2010 que a Igreja-Estado cedeu a uma pressão considerável da União Europeia e passou a proibir a lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo em seu território.

Gotti Tedeschi compilou um dossiê no qual descreveu o problema que os auditores do Promontório descobriram: clientes que, de acordo com os estatutos do banco, não têm permissão para ter contas no Banco do Vaticano, que "podem ser uma das razões para as dificuldades que estamos enfrentando" , escreveu o ex-presidente do banco.

Agora está claro que à sombra da Basílica de São Pedro, mais de mil pessoas realizam atividades bancárias que não podem ser atribuídos à Santa Sé, ou a uma organização de igreja ou uma fundação de caridade. Elas se beneficiam do fato de que não há impostos no Vaticano – e de o Vaticano ser extremamente lacônico em suas comunicações com o Ministério Público. Durante décadas, foram feitas transferências perto do Palácio Apostólico que praticamente não diferem dos negócios nas Ilhas Cayman. Em essência, o Banco do Vaticano se tornou um paraíso às margens do rio Tibre.

Novo diretor do banco do Vaticano
quer acabar com o dinheiro sujo
Pessoas de dentro do Vaticano disseram à Spiegel que mais de 300 milhões de euros (US$ 407 milhões) ainda estavam nessas contas no verão passado. "A grande maioria disso" é aparentemente de ganhos ilícitos, dizem as fontes.

Como parte de seus esforços de limpeza, o novo chefe do banco, Freyberg, enviou uma carta aos proprietários dessas contas. A mensagem triste é que o IOR tem a intenção de acabar com o a relação de negócios. Os clientes terão que transferir seu dinheiro para outro lugar.

Um choque cultural

Ao que tudo indica, no entanto, estes não eram os únicos clientes problemáticos do banco. Transações surpreendentes também acontecem nas contas de dignitários da igreja. As irregularidades de Monsenhor Nunzio Scarano – até recentemente um auditor da Administração para o Patrimônio da Sé Apostólica – são tão óbvias que o clérigo foi levado em custódia pela polícia. De acordo com investigações de funcionários da justiça italiana, Scaranotentou enviar 20 milhões de euros a partir da Suíça com a ajuda de um agente de inteligência. "Don 500", como ele é conhecido no Vaticano devido à sua preferência por grandes notas de dinheiro, teve inúmeras contas no Banco do Vaticano.

O clérigo, que nega qualquer irregularidade, usou essas contas para transferir mais de 5 milhões de euros dentro de poucos anos. Em várias ocasiões, ele transferiu o dinheiro de um paraíso fiscal para o Banco do Vaticano, e depois rapidamente o enviou para outro paraíso financeiro. O relatório de investigação dos auditores financeiros lista meticulosamente todas as transações – e critica duramente os gerentes do banco. Os funcionários do banco aparentemente não percebiam quando tinham que informar suas suspeitas de transações ilegais. Os auditores disseram que os executivos do banco tinham de mudar o tom.

Freyberg reagiu e obrigou o diretor-geral do banco e seu vice a renunciar: "está claro que precisamos de uma nova gerência para acelerar o processo de reforma", disse ele.

Até o final do ano, Freyberg – que na semana passada publicou o primeiro relatório anual da história do Banco do Vaticano – espera ter concluído seu trabalho de limpeza. Então, o papa Francisco também terá que decidir sobre o futuro do banco. "Alguns dizem que é melhor ter um banco, outros dizem que deve ser um fundo de ajuda, outros recomendam que ele seja fechado", disse o pontífice ao descrever suas opções em julho. "Mas, se é um banco, ou um fundo, ou o que quer que seja, deve ser baseado na transparência e honestidade", concluiu.

Transparência e honestidade – isso parece estar bem alinhado com a abordagem de Freyberg. Mas para o banco e seus clientes, trata-se de um choque cultural.





Ex-presidente do Banco do Vaticano teme ser morto
junho de 2012


Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...