Pular para o conteúdo principal

Silas Malafaia associa-se a empresário suspeito de golpe com criptomoedas

O pastor e empresário Silas Malafaia associou-se a Francisley Valdevino da Silva, dono da Intergalaxy e suspeito de ter envolvimento em um esquema de pirâmides com o uso de criptomoedas.

O objetivo da sociedade é a adoção de tecnologia para ajudar a salvar a Central Gospel, editora de livros de Malafaia que se encontra em recuperação judicial.

De acordo com o site Metrópole, a Intergalaxy e a Central Gospel vão se unir, formando outra empresa, a AlvoX Negócios.

Francis, como Francisley é chamado, responde à acusação de 20 investidores que teriam sido vítimas de golpe financeiro.

Os investidores afirmam que compraram um volume de determinada criptomoeda da Forcount, empresa de Francis, e, quando fizeram o resgate, receberam outra moeda virtual, sem valor, falsa, em um suposto esquema de pirâmide.

O processo corre em segredo de Justiça. O advogado de Francis nega as acusações e diz não haver contratos entre a Forcount e Intergalaxy.

Malafaia defende o seu sócio.  “Se tiver algum problema na empresa desse cara (Francis), eu tiro amanhã. Nem sabia como está essa engrenagem, deixo com o meu advogado. Não tenho rabo preso com ninguém”.

Além de livros evangélicos, a AlvoX oferecerá produtos seculares, como perfumes, camisetas e vitaminas.  “O catálogo vai ser gigante e não só de produtos evangélicos”, disse o pastor.

> Com informação do Metrópoles e de outras fontes.

Mesmo vendendo Bíblia a evangélicos,empresa de Malafaia tem prejuízo







Comentários

  1. Claro que não tem rabo preso com ninguém. Maria pureza com certeza. Brasil, país de tolos. Não todos mas a grande maioria acredita em papai noel nesse deus caduco cristão nesse jesus fraco tolo e esse deus nazista que adora sangue. Acorda povo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Religião não é importante para a maioria dos alemães, apura pesquisa