Evangelizador admite à Justiça americana que abusou de meninos

Bowen tinha um programa
 evangélico transmitido
 para 150 países

O evangelizador de 39 anos Paul Acton Bowen (foto), do Alabama (EUA), confessou à Justiça que molestou sexualmente crianças e adolescentes, entre 13 e 16 anos, todos meninos. Disse que está arrependido.

A juíza Debra Jones vai divulgar nas próximas semanas a pena da condenação, que poderá ser prisão perpétua.

Por determinação judicial, a polícia mantém Bowen preso desde abril de 2018.

Criador dos Ministérios Acton Bowen Outreach, o evangelizador admitiu ter abusado de pelo menos 6 meninos e que inclusive fez uma viagem para se encontrar com um deles. Houve casos de sodomia.

As acusações partiram de vítimas e de seus pais que moram nos condados de Jefferson e Etowah.

De acordo com elas, o total de crianças abusadas é 28.

A Promotoria pediu à juíza para incluir o nome do evangelizador na lista nacional de predadores sexuais.

Bowen dedicava-se a coordenar um estudo bíblico a estudantes.

Ele foi apresentador de um programa evangélico para jovens e adultos que era transmitido para 170 países.

Com informação do AL.com e de outras fontes, e foto de divulgação.



Justiça do Piauí condena pastor a 20 anos de prisão por abuso de crianças

Pastor engravida menina porque foi 'promessa de Deus’

Fiéis acusam pastor de abuso em sessões de cura

Evangelizador confessa ter cometido estupro de crianças em templo




Comentários

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.