Clarence Darrow, agnóstico famoso

Clarence Seward Darrow
Darrow expôs no tribunal
as contradições da Bíblia
Clarence Seward Darrow (foto) foi o advogado de defesa do professor de biologia John Scopes no “Julgamento do Macaco”, durante 11 dias de intenso calor de julho de 1925, em Dayton, Tennessee (EUA).

Scopes foi acusado de estar ensinando em uma escola pública a teoria da evolução das espécies de Charles Darwin (1809-1882)  — o que era proibido naquele Estado desde março daquele ano. Foi o primeiro julgamento do país transmitido pelo rádio.

Desde Darwin, religiosos atribuem erroneamente e com má-fé à teoria a ideia de que o homem descende do macaco, derivando daí o nome que a imprensa atribuiu na época ao julgamento de Scopes.

Darrow era um advogado brilhante, de oratória perspicaz, e militante da União Americana pelas Liberdades. Já era famoso antes de defender Scopes.

Ele nasceu no dia 18 de abril de 1857 em Kinsman, Ohio, e morreu no dia 13 de março de 1938 em Chicago, Illinois.

Durante o “Julgamento do Macaco”, Darrow se identificou como agnóstico (o que já se sabia). Disse que não considerava insulto ser chamado como tal, “mas sim um elogio” por não ter a pretensão de ser sábio onde muitos ignorantes manifestavam certezas absolutas.

Seu agnosticismo era do tipo forte, como demonstram os títulos de dois de seus ensaios: "Absurdos da Bíblia" e "O Mito da Alma".

No julgamento, Darrow enfrentou o advogado da acusação William Jennings Bryan, um famoso cristão fundamentalista que temia que as ideias evolucionistas conquistassem a sociedade americana. A proibição do ensino da teoria de Darwin no Estado de Tennessee se inspirou em suas pregações. Bryan concorreu três vezes pelo Partido Democrata à Presidência do país.

O juiz John Raulston impediu  a apresentação de cientistas como testemunhas em favor das ideias evolucionistas, e Darrow acabou perdendo a causa, não conseguindo derrubar a proibição. Scopes se declarou culpado e foi condenado a pagar multa de US$ 100.

Mas Darrow não pode ser considerado derrotado porque conseguiu expor com brilhantismo no Tribunal, com audiência nacional, algumas das contradições da Bíblia, colocando em xeque um cristão fervoroso, o Bryan.

Trinta anos depois, em 1955, estreou na Broadway a peça Inherit the Wind inspirada no julgamento. Em 1960, com o mesmo título (“O vento será sua herança” , na versão para o português), estreou o filme, com direção de Stanley Kramer. Spencer Tracy fez o papel de Darrow.

O embate criacionismo versus teoria da evolução, mostrado do filme, continua sendo travado até hoje em alguns Estados norte-americanos com o mesmo fervor.

Trailer do "O Vento será a sua herança"


Com pesquisas deste site.





Evolução e criacionismo   Ateus famosos


Comentários

Warner disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Yuri disse…
The Myth of the Soul: http://www.positiveatheism.org/hist/darrow0.htm
Caruê disse…
Acabo de ver o filme, é muito bom, recomendo.
Ruggero70 disse…
O tempo fez justiça a Darrow e John Scopes, haja vista que evolucionismo nas escolas é fato e só perfeitos imbecis acham que a TE diz que homens vieram dos macacos. Quanto ao filme, é um que atiçou minha curiosidade.
Warner disse…
Alegações de crentes que tem algum cabimento foram extraídas de livros científicos, as quais por tabela são inseridas no livro sagrados do time correspondente, apó s deduções tendenciosas, puxando as descobertas cientificas verdadeiras para suposições bíblicas. Alias a fé só existe por medo de punições e troca de favores. Tolos e ingênuos possuem determinada religião apenas por um fator geográfico, e ainda alegam que são donos da verdade, fazendo-nos lembrar de que homens de um livro só são os mais perigosos. O MEDO DE VER SEU MUNDINHO DESABAR OS FAZ TEMER A VERDADE. Atualmente com a difusão da informação de forma mais presente, temos muitas pessoas famosas se declarando ateias e com orgulho disso, pois já perderam o medo de serem perseguidas. Já religiosos não querem seus nomes vinculados à exploração explicita dos lideres de vários seguimentos. Cristãos apenas seguem a fabula que lhe incutiram na mente, pois todos nascem ateus. O que querem visitando um blog de ateus? Apenas contrapor com argumentos descabidos os debatedores jamais o texto, pois contra fatos não existem argumentos. Que venham com argumentos e talvez ensinamentos para nos converter, ou assumam a nossa verdade e vivam livres destas algemas que em muitos casos são colocadas voluntariamente. Deixem de lado seus regulamentos bíblicos, que como um estatuto de clube só interessa aos associados. Como seguir um livro que foi escrito para controle da plebe rude, dando conselhos terríveis e com textos de duplo sentido. Aos homens que seguem a bíblia, quando confrontados alegam que não a interpretam literalmente. Mas usam os trechos que lhes interessam para cometer as maiores sandices com os incautos e temerosos crentes. Como uma droga, a primeira dose e de graça, daí para frente o custo é alto. Dão o capeta de graça para vender a proteção. Em países sérios o que não é o nosso caso, muito do que vemos hoje já teriam seus praticantes em cadeias de segurança máxima. Alguns valentes padres, pastores, se rebelam contra suas matrizes e tentam ajudar o próximo de maneira mais efetiva, mas são execrados pelos seus pares, que quando fazem caridade é para efeito de propaganda. Debater com estas pessoas dominadas pelo fanatismo pode ser construtivo ou cansativo e inútil. Mas assim é a miserável condição humana.
francisco franck disse…
recomendo o filme é bommmmmmmmmmm