Cartunista recria figura de Jesus como astro punk ateu

Punk Rock Jesus
Minissérie será em preto e branco, mas Murphy tem
 experimentado cores para acrescentá-las em outras edições 

O cartunista Sean Gordon Murphy, 31, lançará em julho nos Estados Unidos, com tradução prevista para o português, a minissérie Punk Rock Jesus, que tem sido criticada por líderes religiosos e fiéis por causa do seu enredo: o filho de Deus é um jovem revoltado que se declara ateu e cria uma banda de rock punk. Murphy foi até ameaçado de morte pela internet.

A estória ocorre no futuro, mas com ingredientes de hoje e do passado. Uma rede de TV encomenda a clonagem de Jesus a partir do Santo Sudário, o manto que, dizem os crentes, o envolveu em seu martírio.

A TV “ressuscita” o Messias para que ele protagonize um reality show. Mas Jesus fica chateado com os produtores do programa porque excluíram a participação de sua mãe — com ela, a audiência caia. Jesus fica furioso, revela em transmissão nacional que na verdade é ateu e abandona o estúdio para se dedicar a sua banda de rock punk The Flack Jackets.

O Messias é acompanhado por Gwen, uma garota que tinha sido escolhida pela TV para lhe gerar um filho, e por um ex-membro do IRA (católico fanático) que assume a missão de seu guarda-costas. É esse personagem que conta a estória nos quadrinhos.

Murphy é um talentoso quadrinista. Já desenhou aventuras de personagens como "Batman" e "Vampiro Americano". É autor de minisséries como “Hellblazer: Cidade dos Demônios".

Sean Gordon Murphy
Murphy diz que quer
quebrar tabus
Editado pela Vertigo, Punk Rock Jesus terá cinco edições em preto-e-branco, mas poderá ter versões coloridas. O enredo e o texto são de Murphy.

Ele comparou a reação de religiosos a esse seu trabalho aos artistas que são acusados em países mulçumanos de desrespeitar Maomé.

"Sou taxado de controverso porque a maioria dos cartunistas evita falar de religião, mas não podemos deixar que o conservadorismo nos impeça de tocar nesses assuntos”, disse ele a Douglas Gavras, que é colaborador da Folha de S.Paulo. “Desenho para quebrar tabus."





Com informação da Folha

Grã-Bretanha libera filme das fantasias de santa com Jesus
fevereiro de 2012

Arte e religião.  Jesus   Religião contra liberdade de expressão.

Comentários

  1. Na minha opinião, eles têm o direito de protestar. Agora, você não tem o direito de escrever "estória". hahaha
    Obs.: Não sou religioso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diego, procure saber a diferença entre "história" e "estória". Você está na faculdade e já deveria saber disso.

      Excluir
    2. Hoje em dia não precisa mais diferenciar história e estória, mas antes era normal sim...

      Excluir
    3. Pois é, se de fato hoje não se precisa mais diferenciar "história" de "estória", tanto faz usar uma palavra ou outra, não é mesmo?

      O problema é outro: ainda há gente para quem a palavra "estória" está escrita errada. O que é mais uma prova de que o ensino continua caindo, caindo...

      Excluir
    4. Não é religioso, mas é burro pra c@#$%&*!

      One does not simple
      Do not know the difference between história and estória.
      "

      Excluir
    5. "Quando uso uma palavra", disse Humpty Dumpty, "ela significa exatamente aquilo que eu quero que signifique... nem mais nem menos". "A questão", ponderou Alice, "é saber se o senhor pode fazer as palavras dizerem coisas diferentes". "A questão", replicou Humpty Dumpty, "é saber quem é que manda. É só isso".

      Through the Looking-Glass, de Lewis Carroll

      Excluir
    6. "Estória" caiu em desuso faz tempo. Foi criada para diferenciar um conto fictício de algo que aconteceu de verdade. Mas não pegou, então embora não esteja errado usar, também não está exatamente certo, porque a tendência é essa palavra sumir do vocabulário mais cedo ou mais tarde; ela é obsoleta. Hoje, história pode significar tanto ficção quanto algo real, e é o termo mais usado em linguagem culta.

      Excluir
    7. Israel:

      -Well my dear friend, então me tornarei obsoleto, pois desde de que me conheço por gente, sempre houve diferenciação entre essas palavras.

      Excluir
    8. Bom, desde que me conheço por gente, tem gente que fala tauba, iorgute, largatixa e surrashco, o que não quer dizer que esteja certo. Huahauahaua.
      Mas sim, é obsoleto. Foi implementado, mas não pegou e foi abandonado, deixando "história" significando as duas coisas. Só que muita gente continuou usando por costume.
      Não está errado. Só que não é necessário, e tudo o que não é necessário, desaparece com o tempo.

      Excluir
    9. Bem, Israel, de qualquer forma, foda-se! Pois continuarei a usá-la do mesmo jeito.

      Mas, desculpe minha desatualização, onde você leu que tal palavra cairá no ostracismo?

      Excluir
    10. Já era assim na minha época. Lembro de ter pesquisado ainda criança, porque eu lia o Sítio do Pica-Pau Amarelo e era a versão original, com português ainda arcaico, e eles usavam "estória". Por achar estranho, fui procurar descobrir qual a diferença entre o "es" e o "his".
      Se não me engano é bem fácil achar sobre isso na internet, uma pesquisa rápida mostra por exemplo que esse termo nunca foi totalmente aceito na norma culta e nem entrou em todos os dicionários.

      Excluir
    11. Baphomet, a polêmica em torno de "estória" e "história" é antiga. Na Folha de S.Paulo, eu escrevia "história" porque o Pasquale acha que "estória" é bobagem.

      De fato, "estória" é pouco usada, mas neste blog uso essa versão da palavra quando me refiro a crenças porque me parece adequado para diferenciá-las dos relatos históricos.

      Isso, obviamente, reflete o meu ponto de vista. Para alguns, Jesus tem uma "história"; para mim, trata-se de "estória".

      Talvez eu esteja sendo muito sutil no uso de algumas palavras, a ponto de os leitores não se darem conta disso. Mas tudo bem, sempre há esse risco.

      Excluir
    12. Se não me engano, essa diferenciação foi uma forma de estrangeirismo,assim como no inglês existem 'history e story' , usam-se as duas formas no Brasil, com o sentido que já foi explicado pelos colegas.

      Excluir
    13. Concordo com você Paulo, penso dessa forma também, ao meu ver "história" deve ser diferenciada em fatos históricos e fatos fictícios ou pequenos contos (pequena estória, estória fictícia [no caso de Jesus], um pequeno conto do cotidiano, etc.). Isso, claro, em minha modéstia opinião.

      Excluir
    14. Estória é aquilo que professores militantes de determinados partidos contam nas escolas e faculdades, inclusive na disciplina chamada equivocadamente de História.

      Excluir
    15. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    16. Paulo, minhas sinceras desculpas. Eu não conhecia essa diferença. Para mim, "estória" fosse uma forma errada. =)

      Excluir
    17. Ow bando de ignorantes. "Estória" é um termo em desuso, já deve beirar a duas décadas. No português, na FORMA ESCRITA, não existe diferenciação entre "história" e "estória". Sua diferenciação ocorre dentro do sentido de determinadas frases. Por isso que chamamos HQs (Histórias em Quadrinhos), e não "Estórias em Quadrinhos". Tem gente aí que precisa se atualizar no próprio idioma, hein??

      Excluir
  2. Nossa, que viagem!! Curti muito o tema hahaha

    ResponderExcluir
  3. Diferente de "História", que lida com fatos, "Estória" é o termo para a ficção. O que há de mal em escrever "estória"?

    ResponderExcluir
  4. Muito boa a ideia.
    Pena que as pessoas "religiosas" querem respeito, mas não respeitam a maneira de pensar de ninguém que é oposto a elas.

    ResponderExcluir
  5. Por que não?
    Realidade = História
    Ficção - História ou Estória

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Usei “estória” por uma questão de maior precisão.

      Excluir
  6. Isso se chama liberdade de expressão artística.

    Vivam com isso!

    ResponderExcluir
  7. Bitch please.
    È porque eles ainda não descobriram isso.(Eu acho).
    Senhoras e Senhores, eu apresento a vocês:
    Jesus Christ - In The Name of the Gun.

    ResponderExcluir
  8. A liberdade de expressão é a coisa mais importante que temos. Deixar de expressar nossa opinião porque alguém pode ficar ofendido, é exatamente o que faz a gente perder o direito de expressá-la.

    ResponderExcluir
  9. _Penso que existem muitas maneiras de quebrar tabus, assim como, vários cenários. Não há a menor necessidade de expor a figura de Jesus para alcançar a suposta "quebra de tabus".
    _É claro que a atitude, foi a mais "nobre e pura" possível; além de muito "inteligente"!
    _Eis aí mais uma manifestação de intolerância de Salamandra Gouvêa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando é com os deuses das outras religiões pode, agora quando a "brincadeira" é com o cavaleiro do burrico eles ficam ofendinhos e alegam a tal perseguição religiosa.
      mimimimi.
      Buaaaaah, olha só mãe, olha só, eles "zoaram " G-zuis, briga com ele "manhê", briga com ele.
      Facepalm.

      Excluir
    2. Shiro, é aquele famosa "pimenta nos olhos de alguns é refresco para outros."

      Excluir
  10. Jesus Fuckin' Christ!!!

    http://uncyclopedia.wikia.com/wiki/Gay_Jesus

    ResponderExcluir
  11. Hum... interessante! Porém um Punk Rockeiro ateu? Seria melhor um Black Headbanger anti-cristão e satanista [teísta], fã de Burzum. Isso sim, seria uma belíssima quebra de tabu.

    ResponderExcluir
  12. Mas não são eles(religiosos) os maiores "defensores" da liberdade de expressão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo (17 de junho de 2012 20:17)

      Alguns religiosos são os maiores defensores da liberdade de expressão qdo se trata pregar a religião deles (até mesmo pra quem não está interessado e deixa isso bem claro)e pra disseminar seus discursos intolerantes e preconceituosos. Agora qdo se trata de criticar a crença/religião deles, isso não pode; não é liberdade de expressão e sim "perseguição e opressão religiosa" (como se tivéssemos como objetivo impedí-los de ter religião e de crer em deus); é blasfêmia, heresia, ódio contra religiosos e por aí vai.

      Para alguns religiosos é dois pesos, duas medidas qdo se trata de liberdade de expressão. Eles podem criticar td mundo que não compartilha de suas crenças; mas aqueles que não compartilham de suas crenças não podem criticar as crenças deles.

      Excluir
  13. http://www.youtube.com/watch?v=rkgunX_Sa_0
    8 minutos no inferno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que viagem doida. Que porra de filme escroto é esse? Chega a ser pior que Jogos Mortais, aff.

      Excluir
  14. Respostas
    1. Grande merda. Quer provar o quê com isso?

      Excluir
    2. Palavras ou obras?

      Excluir
    3. Cê tá de brincadeira, Anônimo...

      Eu tava lá às 12:36 e às 16:27, como você combinou, e não encontrei você!

      Marca outro horário aí e agora vê se vai, pô!

      Excluir
    4. [risos ad infinitum]

      Excluir
  15. http://www.youtube.com/watch?v=ZiwK2sa-3vk&feature=fvwrel
    Angels and Demons Captured on Film

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bitch, please! Acha que vai nos impressionar com uma besteira dessas? Quer provar o quê?

      Excluir
  16. http://www.youtube.com/watch?v=u8szR7LnmlI&feature=related
    The power

    ResponderExcluir
  17. Anônimo Troll:

    The Marijuana lies strong in you.

    ResponderExcluir
  18. Arte não pode ter limites. Se alguém não gostar, não compre e não leia, simples. O quadrinho não é para atacar cristãos, é para quem não se importa ou não se sente ofendido ler e se divertir.
    Quando a Disney faz um Hércules adolescente vivendo muitas aventuras com uma galerinha muita irada e retrata os deuses do Olimpo como um bando de malucos, ninguém acha ruim. Mas aí quando é com Jesus, aí não pode...

    ResponderExcluir
  19. E depois eles os religiosos querem falar dos islamicos sobre maomé.

    HAJA HIPOCRISIA NA RELIGIÃO.

    a foto até que fico mais legal que a original.

    ResponderExcluir
  20. É a liberdade de expressão sim, mas nesses casos, creio que seja apenas para criar polêmica.Desnecessário.

    ResponderExcluir
  21. Eu duvido algum "artista" ateu criar qualquer "estória" com desenhos difamando Maomé!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está mal informado, Jefferson. Consulte este site para saber dos cartunistas que retratam Maomé, enfrentando a violência. Você pode começar por Revista satírica responde a atentado com beijo entre Maomé e cartunista, siga para Entidade promove dia da blasfêmia em defesa da livre expressão e continue a pesquisa por você mesmo.

      Excluir
    2. Jefferson

      Isso sem contar o desenho South Park que já fez sátira com Maomé.

      Excluir
  22. Se os católicos e evangélicos, pudessem tacar bomba nos outros por causa de uma foto fariam, como é nesse caso.

    ResponderExcluir
  23. Pô, adoro punk, mas bem q poderia ter sido Black Metal Jesus, seria muito interessante (e irônico).

    Mas o q os religiosos estão enchendo o saco? Uma banda de metal chamada Dream Evil fez uma música chamada HMJ (Heavy Metal Jesus) e ngm reclamou...¬¬

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tirando as outras centenas de bandas satanicas por ai que vivem blasfemando o deusinho poderoso deles, acho que nem sabem que elas existem.

      Excluir
  24. diretor de marketing18 de junho de 2012 15:09

    O que importa é seguir a moda ateísta, posar de inteligente e ousado, e continuar fazer estorinhas, piadinhas, musiquinhas e videozinhos esculhambando a religião, cristianismo de preferência.

    Temos tido bons resultados, na MTV, na internet, e estamos tendo um bom retorno financeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje eu lhe concedo o troféu "Orihara Izaya de Trollagem", parabéns "anônimo multifacetado"

      O troféu será entregue em suas mãos por Heiwajima Shizuo e o próprio Izaya.

      (note, por favor, que latas de lixo, postes, placas de sinalização e a maioria dos objetos ridiculamente pesados ao seu redor podem ser arremessados em direções aleatórias, sua saúde é por sua própria conta e risco.)

      Ikebukuro agradece, com os comprimentos especiais de Ryuugamine Mikado e os "Dollars".

      Excluir
    2. In my opinion, marketeiros, psicanalistas, distribuidores de panfletos, teólogos e líderes religiosos em geral são tão necessários à sociedade quanto a unha do pé do dedo mindinho.

      Excluir
    3. Shiroyasha,

      Adoro o seus comentários sarcásticos ^^

      Excluir
    4. Obrigado Michelle.
      Quem já assistiu "Durarara!!" sabe que é quase impossível alguém ser mais troll do que o Izaya.
      Serio, toda vez que eu escuto um "IZAYA-KUN" (seguido do barulho de alguma coisa voando) eu começo a rir.

      Excluir
  25. Tomara que o Jesus Punk faça uns covers maneiros de Bad Religion ;)

    ResponderExcluir
  26. Pow, gostei mto, isso vai dar um seriado genial! Espero que vingue!

    ResponderExcluir
  27. Não é 'Cartunista' (artista que cria 'Cartuns') mas 'Quadrinista'.

    E antes que perguntem o porquê, eu digo que sou Ilustrador/Quadrinista e não gosto de ter minha classe artística confundida.

    Já é uma classe extremamente discriminada sem este tipo de confusão. Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O 'Cartum' ou 'Cartoon' pode ser apenas um tipo de estilo ou formato abordado para contar a história (ex. Garfield, Peanuts, Recruta Zero, etc.).

      O que,aparentemente não é o caso desta.

      Excluir
  28. Por que causa, motivo, razão ou circunstância vc fez esta merda?!

    ResponderExcluir
  29. Só quem não tem o que fazer para postar isso ¬¬ selask

    ResponderExcluir
  30. Tachado, não taxado. Como ele não fala nossa língua, duvido que o erro tenha partido dele.

    ResponderExcluir
  31. Mas é logico que ele foi ameaçado. Não seriam religiosos se não ameaçassem ninguém de morte porque a pessoa se opõe as idéias deles.

    ResponderExcluir
  32. Mas é logico que ele foi ameaçado. Não seriam religiosos se não ameaçassem ninguém de morte porque a pessoa se opõe as idéias deles.

    ResponderExcluir
  33. Sou fã de quadrinhos (e da linha Vertigo, selo da DC Comics para leituras maduros nos EUA). Fiquei até animado de ver que havia 91 comentários num post sobre um gibi, por isso baita decepção ao ver que a maioria eram comentários inúteis sobre a diferença de históira e estória.

    Acredito que essa hq não é desrespeitosa aos cristãos, senão aos talecrentes, mas fanáticos religiosos não há como agradar mesmo. No caso, a história (com h para não me xingarem aqui) é uma excelente alegoria sobre o que aconteceria se o Jesus Cristo descrito na bíblia encarnasse nos dias de hoje. Virar um roqueiro punk é um atitude tão válida para um jovem proletário quanto virar um pregador seria para um jovem filho de carpinteiro na Galiléia de dois mil anos atrás. (Jesus Cristo era uma espécie de hippie, coisa muito bem sacada pelo musical Jesus Cristo Superstar).

    E os evangélicos fazem as vezes de fariseus, porque fariseus existem em todas as épocas e lugar. Não há dúvida que se Jesus existtisse, e voltasse, ele seria novamente preso numa cruz, e não pelos ateus, mas a pedido justamente dos religiosos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário