Pular para o conteúdo principal

Pais não devem impor religião aos filhos, afirma Dawkins


Biólogo diz que pais
devem poupar seus
 filhos das crenças

[notícia]

Dizer que uma criança tem religião, que é católica, por exemplo, é um erro porque ela é jovem demais para se decidir por uma crença, disse no dia 2 de julho de 2009 o biólogo evolucionista britânico Richard Dawkins), ateu militante e autor do best-seller “Deus, um delírio”.


“O correto é dizer que a criança tem pais católicos”, afirmou à plateia da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty).

As crianças não deveriam ser doutrinadas, mas estimuladas a pensar com a sua própria cabeça, falou Dawkins. “Quando crescer, ela saberá em que acreditar.”


O cientista começou a sua palestra – transmitida ao vivo pela internet - tentando desfazer a imagem de que é intolerante para com os religiosos e as religiões.

Observou que as pessoas são educadas para não criticar as religiões e isso faz com que tudo que ele fale “soe agressivo”.

Ele admitiu que a religião conforta as pessoas em situação de crise e reconheceu a importância da crença religiosa como fonte de inspiração aos artistas. Mas acrescentou que isso não serve de atestado de que as religiões expressam verdades.

Referindo às obras de arte como os afrescos da Capela Sistina, falou que o dinheiro atrai os grandes artistas. “E por isso que obras fabulosas foram feitas para Igreja Católica.”

Falou que procura tirar o máximo proveito de “uma oportunidade maravilhosa”, que é estar vivo.

“É um desperdício terrível viver a sua vida pensando no que vem depois. Não desperdice a única vida que você tem”, disse.


Crianças 'sem Deus' têm forte senso de moralidade, diz estudo

Dawkins está escrevendo dois livros sobre ateísmo para crianças

Dawkins explica evolução às crianças em seu novo livro



Moral avançou sem precisar da religião, afirma Dawkins

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

  1. exato!! Impor é tirania

    ResponderExcluir
  2. Dá-lhe Dawkins!!!!! Acertou em cheio!! O mundo vai ser um lugar melhor quando o último padre for enforcado nas tripas do último pastor!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Cesse a doutrinação das crianças e a religião estará cortada pela raiz. Todo sistema que não se ampara em evidências depende de lavagem cerebral para continuar sendo defendido pelas pessoas, e quanto mais cedo melhor.

    ResponderExcluir
  4. É incrível como alguns se surpreendem com o óbvio. É incrível como Dawkins consegue ser tão previsível, e ainda ser aplaudido.

    Também creio ser evidente que não existe "criança católica", da mesma forma que acho imbecil dizer "criança marxista, criança freudiana, criança ateísta, criança tomista" e por aí vai.

    E Dawkins ainda acha que os religiosos desperdiçam suas vidas, porque pensam diferente que ele... sem comentários.

    Att! ;D

    ResponderExcluir
  5. Ainda bem que fui criado com total liberdade pra escolher religioes.

    ResponderExcluir
  6. eu nunca tive essa liberdade hehe
    por isso falo que com certeza deixarei meus filhos escolherem o que ELES acharem melhor pra eles ^^

    ResponderExcluir
  7. Isso não existe delirante, Richard Dawkins!

    Se uma crença não for "escolhida" pela criança dentro do próprio lar, qual a alternativa o senhor propõe? Colocar a criancinha para fora de casa, por exemplo, durante as orações de uma família judia, cristã, muçulmana? Ou trancá-la em um quarto para que ela não veja "isso"?

    Ou ainda, segundo creio, pregar a "religião" ateísta pra ela?

    Que cara mais delirante!

    ResponderExcluir
  8. Ou ainda, segundo creio SER O SEU DESEJO, pregar a "religião" ateísta pra ela?

    ResponderExcluir
  9. A contradição do delirante:

    "Ele admitiu que a religião conforta as pessoas em situação de crise e reconheceu a importância da crença religiosa como fonte de inspiração aos artistas. Mas acrescentou que isso não serve de atestado de que as religiões expressam verdades."

    ResponderExcluir
  10. Os pais também não deveriam dar nomes às crianças (algumas não suportam o nome que recebe); não devia educá-las (tem as que não gostam de escolas); não deveriam alimentá-las (empurram-lhe cada coisa goela abaixo). Deveriam deixar as crianças crescerem para que pudessem escolher essas coisas. Os pais, nem os crentes, nem os ateus, pela lógica desse palhaço, têm o direito de educar os seus próprios filhos. Que tática mais nojenta essa desse bicho ridículo.

    ResponderExcluir
  11. Anonimo: ""Ele admitiu que a religião conforta as pessoas em situação de crise e reconheceu a importância da crença religiosa como fonte de inspiração aos artistas. Mas acrescentou que isso não serve de atestado de que as religiões expressam verdades.""

    Não há contradição. Vou "desenhar" para ver se entende.

    Papai Noel dá alegria e conforto para as crianças que creem nele, MAS isso NÃO significa que ele seja real.

    Se acha Papai Noel "ridiculo demais", um ser "imaginário", tente dessa forma: Zeus deu alegria e conforto a muitos, mas NÃO era real.

    Se Zeus está longe, tente Alah, que dá conforto e alegria a milhões, mas nem por isso é mais real.

    A Terra Média, os elfos, os Hobbits, também inspiram artistas, mas nem por isso são reais.

    É real o que tem evidências de existir, que sustentem a alegação de existência.

    Anonimo: "Os pais também não deveriam dar nomes às crianças (algumas não suportam o nome que recebe); não devia educá-las (tem as que não gostam de escolas); não deveriam alimentá-las (empurram-lhe cada coisa goela abaixo). Deveriam deixar as crianças crescerem para que pudessem escolher essas coisas. Os pais, nem os crentes, nem os ateus, pela lógica desse palhaço, têm o direito de educar os seus próprios filhos. Que tática mais nojenta essa desse bicho ridículo."

    Outro maluco com dificuldades cognitivas (ou desonestidade intelectual, são parecidas).

    Educar é diferente de doutrinar. Esqueça a religião um momento, e pense em outras formas de lavagem cerebral, igualmente não aceitas para crianças.

    Pense em pais que tentam "educar" os filhos ensinando racismo. Seria legítimo, em nome do "sagrado direito de pais educarem filhos" permitir isso?

    Não, até você entende que não.

    E seria razoável alegar que, se impedirmos pais de ensinar racismo, isso significa que devemos/iremos impedir pais de alfabetizar os mesmos, ensinar história, geografia, matemática, biologia, etc?

    Não, até você entende isso.

    Crianças devem ser educadas, não doutrinadas. Assim como não se deve ensinar uma criança a ser racista, ou não se deve ensinar uma criança a ser "comunista" ou "capitalista selvagem", não se deveria ensinar superstições da idade do bronze a elas, como se verdade fossem.

    É fácil perceber quem é um "bicho ridículo", não?

    Cognite Tute

    ResponderExcluir
  12. Aquele que botar as mãos sobre mim
    para me governar é um usurpador, um tirano. Eu o declaro meu inimigo.

    Não ao fundamentalismo religioso: se não fosse por isso, religiões seriam menos prejudiciais. Lastimávelmente que são.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Religião atua para perpetuar os detentores do poder e domesticar as mulheres, diz romancista

Maioria dos católicos dos Estados Unidos apoia a pena de morte; ateus rejeitam