Igreja Universal usa esperteza para se infiltrar em escolas


Cavalo de Troia

Enquanto a sociedade discute as consequências da decisão do Supremo de legalizar o ensino religioso confessional, a Igreja Universal se infiltra sorrateiramente em escolas.

Mancomunada com o bispo licenciado da Igreja e prefeito Marcelo Crivella (PRB), a Universal está usando o pretexto (leia-se esperteza) da prestação de serviço para se divulgar dentro de escolas municipais do Rio.

Ela tem oferecido à população assistência médica, jurídica e religiosa, no que chama pomposamente de "Grande Ação Social".


Quem pode ser contra essa ajuda aos pobres, já que o Estado não cumpre o seu dever?

De princípio, ninguém.

Mas a pergunta a ser feita, no caso, é por que a Universal não usa seus templos (são centenas, milhares) para demonstrar o quanto é bondosa?

Alguns templos custaram milhões de reais e todos eles foram levantados com recursos arrecadados com isenções tributárias.

Se a Universal desse o atendimento em seus templos, ela não estaria fazendo mais do que sua obrigação.

Seria uma forma de devolver à população um mínimo do valor de impostos que deixa de pagar.

A verdade é esta: a Universal está se enfiando nas escolas porque tem o interesse de obter mais fiéis (e, portanto, dizimistas), indo a novos lugares, para marcar a sua presença. Fazer que potenciais fiéis se desloquem e entrem em seus templos é mais difícil.

O que a Igreja tem feito é marketing rasteiro ao custo da desmoralização do Estado laico já enfraquecido.

Vai dizer “amém!”, Ministério Público?

Com foto de divulgação.




Universal investe para obter o monopólio da fé nos presídios

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.