Ex-diretor do Arquivo Nacional é multado por promover cultos



Condenado por atentar contra
princípios da honestidade

Em ação movida pelo Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF/RJ), a Justiça Federal condenou o ex-diretor do Arquivo Nacional José Ricardo Marques (foto) pela prática de atos de improbidade.

Ele promoveu cultos evangélicos semanais no auditório principal da instituição, utilizando-se de equipamentos de áudio e vídeo, além do trabalho de um servidor do órgão.

Os cultos só cessaram após o fato ter sido revelado pela imprensa, em 19 de julho de 2016.


Pela sentença, José Ricardo terá que ressarcir os custos com os eventos, no valor de R$ 24 mil, e pagar multa de R$ 36 mil.

Na ação, o MPF afirma que a conduta do diretor do Arquivo Nacional causou perda patrimonial e desvio de recursos públicos para fins privados, além de atentar contra os princípios da legalidade, imparcialidade, honestidade e lealdade às instituições.

Com informação e texto da assessoria de imprensa do MPF e foto de divulgação.




Jornalista da Folha acha que Estado laico é coisa só de ateus

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.