Como é possível crer em deus tão mau-caráter como o cristão?


'Ele está entre nós'

O canal Porta dos Fundos fez uma sátira sobre a onipresença do deus cristão.

“Ele está no meio de nós” é o título da sátira, que mostra a relação sexual de um casal sendo interrompida por Jesus [vídeo abaixo].

A onipresença, a onisciência e a onipotência são poderes tão absurdos, mesmo para um deus ou um super-herói da Marvel, que é preciso ter muita fé para acreditar em tal sandice.

Mesmo somados, os poderes dos X-Men são fraquinhos em comparação com os de Jeová.

Se o deus cristão é tão fudidão — está em todos os lugares ao mesmo tempo, sabe de tudo, inclusive do futuro, e pode tudo — então ele é um mau-caráter, no mínimo.

Ele está na África onde crianças morrem de fome e nada faz.

Soube antes da peste negra (1333-1351) e permitiu que 50 milhões de pessoas fossem mortas.

Sabia que o anjo Lúcifer ia se rebelar, tornando-se em Satanás, e não moveu um dedinho para impedir.


Se não consegue vencer Lúcifer, ele então não pode tudo, é uma farsa.

As contradições são tantas, que a conclusão sensata, ao menos para mim, é que esse deus, além de não existir, como todos os outros, afigura-se como o Senhor das Perversidades.

Perto dele, Lúcifer é um santo.

Os deuses gregos, com imperfeições humanas, eram menos coniventes com a crueldade.

A imaginação, sim, é que é capaz de tudo. Daí a grandiosidade da ficção, onde se insere a concepção de um deus, o cristão, tão espetacular e, até por isso mesmo, contraditório.

O que eu tenho dificuldade de aceitar é que, a esta altura da história, haja tanta gente que ainda abdique totalmente da razão, levando a sério uma divindade tão danosa.

Mas não sou pessimista quanto ao futuro da humanidade.

Eis um motivo: a sátira do Porta dos Fundos, um dia após ter sido postada, foi visualizada um milhão de vezes.

Até os mais poderosos deuses acabam sucumbindo ao humor.



Com imagens do Youtube.




No canal Porta dos Fundos, Jesus ironiza a ‘cura gay’

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.