Presos evangélicos impõem a conversão, acusam terreiros


Culto dentro de presídio

Traficantes evangélicos presos estão forçando outros presidiários a adotarem a sua religião, em troca de proteção.

A denúncia é de representantes de terreiros do Rio de Janeiro, onde têm ocorrido ataques a templos de religiões de matriz africana.

Eles participaram hoje [5 de outubro de 2017] de uma audiência pública na Assembleia Legislativa sobre intolerância religiosa. Ministério Público e OAB também mandaram representantes.


Os presidiários que se convertem obtêm dos traficantes a avaliação de “bom comportamento”, diz documento escrito ao final do encontro pelos sacerdotes de religiões afro-brasileiras.

Entre outras medidas, o documento pede às autoridades que fechem os templos evangélicos dos presídios, nos quais, segundo ele, há pregação de intolerância.

É preciso que haja liberdade religiosa nos presídios, disse o babalorixá Adailton Moreira.

Argumentou que a laicidade do Estado brasileiro tem de ser respeitada.




Blitzes de evangélicos impõem uma sharia aos brasileiros

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.