Feiticeiros combatem seca em Uganda com sacrifícios humanos


Ingredientes de feitiços 

As estatísticas são precárias, mas há o consenso de que as mazelas causadas pela seca fizeram com que aumentasse em Uganda [mapa] a caça de crianças para sacrifícios. 

A seca que abala África Oriental é a pior dos últimos 50 anos, e em Uganda há mais miséria, com 1,6 milhão de pessoas passando fome. A população é de 11 milhões.

Curandeiros afirmam que, para aplacar os espíritos que promovem a seca, é preciso haver sacrifícios humanos, principalmente de crianças e mulheres.

O filho de 8 anos de Jackline Mukisa. 28, foi uma das vítimas.

Ela encontrou o corpo do menino sem pênis, dentes, lábios e ouvidos, o que é típico de sacrifício religioso.

Quando o ritual começa, a oferenda (a vítima) tem de estar viva.

Em 2016, houve o registro de sacrifício de sete crianças e dois adultos, mas as próprias autoridades acreditam que tenha havido mais vítimas.

Em 2017, a matança continua.

Kale Kayihura, chefe da polícia de Uganda, disse ter prendido um homem que confessou ter matado oito mulheres.

"Os assassinatos eram para rituais de sacrifícios.”

E a seca continua.

Com informação do site RNS e foto de divulgação.




Moçambique prende pastor da Universal por tráfico de albinos

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.