Cibermilícias católicas atacam palestra de Drauzio em escola


Bate-papo humanístico do Varella

Cibermílicas católicas estão tentando impedir que o médico Drauzio Varella dê uma palestra aos pais de alunos do Colégio São Luís sobre gênero e sexualidade, no dia 30 de setembro de 2017.

Católica, a escola é uma das mais tradicionais da cidade de São Paulo. Tem cerca de 2.500 alunos.

O termo “cibermílicas católicas” foi utilizado pelo próprio reitor da escola, o padre Carlos Alberto Contieri, que recorreu a um conceito criado por um historiador italiano.

Os milicianos estão atacando escola e o médico a partir do Facebook, WhatsApp e site “O Fiel Católico”, da Fraternidade Laical São Próspero.


No site, com o título “Colégio (jesuíta) São Luís aderindo à ideologia de gênero?...”, um miliciano chama a ideologia de gênero de “pestilenta” da qual, segundo ele, Varella é adepto.

O site está incentivando católicos a enviarem e-mail para a Arquidiocese de São Paulo com pedido de cancelamento da palestra.

Os milicianos também criaram uma petição online pedindo a intervenção da Rede Jesuíta de Educação e da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

O reitor Contieri escreveu uma carta aos pais para esclarecer que a palestra de Varella não vai tratar de ideologia de gênero.

“Todos sabemos que os humanos são uma espécie que se divide apenas em dois gêneros, por razões genéticas”, disse.

“Portanto, a palestra tratará apenas de questões que afetam a vida humana.”

“O apoio declarado ao evento é infinitamente maior do que o ataque rancoroso, agressivo e ofensivo oriundo de um grupo ‘sem rosto’ que talvez pretenda uma religião sem Deus e a fé cristã sem o Evangelho da Misericórdia.”

Com informação do Colégio São Luis, site "O Fiel Católico", Facebook e outras fontes.




Blitzes de evangélicos impõem uma sharia aos brasileiros
A responsabilidade dos comentários é de seus autores.