Em 30 dias morrem 14 internos em estabelecimento católico


Nos últimos 30 dias morreram pelo menos 14 pessoas em abrigo em Jarinu (SP) [mapa] ligado à Igreja Católica. Trata-se da Missão Belém, criada em 2005 pelo padre Gianpietro Carraro.

Em sítios na cidade, a cerca de 75 km de São Paulo, a Missão recebe moradores de rua e dependentes químicos, principalmente de crack, entre os quais pessoas que passaram pela Cracolândia, da capital paulista.

No total, são cerca de 850 internos. A missão também tem unidades na Itália e Haiti.

Além das mortes, 19 internos tiveram de ser hospitalizados.

Eles apresentavam sintomas de desnutrição, desidratação ou intoxicação alimentar. Estavam com vômitos e diarreia.

Metade dos abrigados que morreram é de idosos. Parte deles tinha doenças crônicas associadas ao HIV.

Desde 2011, o Ministério Público acusa a Missão Belém de funcionar como comunidade terapêutica, embora não tenha licença para esse atendimento.

Márcio Antonio dos Santos, coordenador da Missão, disse que nem sempre é possível tratar das pessoas que já chegam doentes ao abrigo.

"O que fazemos de melhor é não deixar eles morrerem na rua", disse.

"Se Deus levou, não temos culpa."




Psiquiatra desaconselha tratar dependente em clínica religiosa